EMA adia aprovação da vacina da AstraZeneca. EUA preveem aprová-la em abril

John Cairns / University of Oxford

Vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) afirmou, esta quarta-feira, que necessita de informações adicionais sobre a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca contra a covid-19, no âmbito do processo de aprovação para a União Europeia.

Informações científicas adicionais sobre questões relacionadas com a qualidade, a segurança e a eficácia da vacina são consideradas necessárias para apoiar o rigor exigido para uma autorização”, as quais foram já solicitadas à empresa, adiantou a EMA em comunicado.

A agência recebeu, a 21 de dezembro, uma série de dados de ensaios clínicos no Reino Unido, no Brasil e na África do Sul, que estão a ser estudados, enquanto espera as informações adicionais que podem permitir a atribuição da licença para a União Europeia.

Segundo explicou a EMA, a Agência Reguladora de Produtos Médicos e de Saúde do Reino Unido aprovou, esta quarta-feira, o uso temporário desta vacina para uma situação de emergência, mas o procedimento seguido para a União Europeia é diferente, consistindo numa “autorização condicional de introdução no mercado”.

A vacina da AstraZeneca é a segunda a integrar o programa de imunização contra o novo coronavírus no Reino Unido, iniciado a 8 de dezembro, que já tinha aprovado uma autorização de emergência para a vacina da Pfizer/BioNTech.

A agência prevê também anunciar a 6 de janeiro as conclusões sobre a segurança e eficácia da vacina desenvolvida pela farmacêutica Moderna, a qual, se receber parecer positivo, será a segunda contra a covid-19 a ser aprovada na UE, depois do fármaco da Pfizer/BioNTech, que obteve uma licença condicional a 21 de dezembro.

EUA preveem aprovar vacina da AstraZeneca em abril

No mesmo dia, os Estados Unidos afirmaram que anteveem aprovar a vacina da AstraZeneca em abril. A previsão foi avançada pelo conselheiro-chefe do programa norte-americano de imunização contra o novo coronavírus, Moncef Slaoui.

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde do Reino Unido (MHRA) é “uma instituição reguladora muito talentosa, de base científica e não tenho dúvidas quanto à sua decisão”, disse o especialista numa conferência de imprensa.

Mas, segundo frisou, o contexto regulatório é diferente nos Estados Unidos, explicando que os ensaios clínicos e as avaliações necessárias não permitem ter uma aprovação antes “do início de abril” de 2021. Moncef Slaoui salientou, nomeadamente, a necessidade de provar a eficácia da vacina nos idosos.

A vacina da AstraZeneca/Oxford é bastante aguardada devido a razões práticas: é mais barata e pode ser armazenada em condições de refrigeração vulgares (2 a 8 graus Celsius), o que facilita um processo de vacinação em grande escala.

Em relação à vacina desenvolvida pelo gigante norte-americano Johnson & Johnson, Slaoui antevê uma possível aprovação nos EUA em fevereiro. Esta vacina é igualmente aguardada com expectativa, uma vez que só necessita da administração de uma dose, ao contrário das vacinas aprovadas até agora (duas doses).

Neste momento, duas vacinas (Pfizer/BioNTech e Moderna) estão autorizadas nos Estados Unidos e mais de 2,1 milhões de pessoas já receberam a primeira inoculação. Este número está longe do objetivo traçado pela administração norte-americana ainda em funções, que prometeu ter 20 milhões de pessoas vacinadas até ao final do ano. Na terça-feira, o Presidente eleito Joe Biden lamentou o “atraso” do processo.

O general Gus Perna, da Operação Warp Speed (nome do programa de desenvolvimento de vacinas e do programa de imunização nos EUA), precisou, entretanto, que 14 milhões de doses tinham sido distribuídas no país e assegurou que “as autoridades locais estavam a trabalhar arduamente” para administrá-las.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Garcia de Orta alerta para risco de pré-catástrofe. Hospital de Loures com doentes ventilados na urgência

O Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, apresentava, este sábado, um total de 169 doentes com covid-19 internados, dos quais 18 em cuidados intensivos. Já o Hospital de Loures tinha 187 doentes com covid-19 …

Os novos robôs da Samsung fazem pequenas tarefas domésticas (e ainda lhe servem um copo de vinho)

O Samsung Galaxy S21 não é a única surpresa que a empresa tem preparada para 2021. A Samsung apresentou algumas propostas de robôs domésticos, na primeira grande feira de tecnologia do ano. A Samsung levantou um …

Cientistas desenvolveram mini-cérebros (quase) humanos

Cientistas norte-americanos enviaram para a Estação Espacial Internacional (EEI) aglomerados de células nervosas, chamadas de mini-cérebros, que estão, agora, a desenvolver-se de formas que os investigadores não imaginavam ser possível. Os organóides foram criados a partir …

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está …

"Bola de fogo" cruzou o céu sobre o Mediterrâneo a 105 mil quilómetros por hora

Uma "bola de fogo" atravessou o mar Mediterrâneo e o norte de Marrocos na noite de quarta-feira, a 105.000 quilómetros por hora. A bola de fogo foi observada por um projeto científico espanhol a uma velocidade …

Duterte rejeita que a filha o vá suceder na liderança das Filipinas. "Isto não é para mulheres"

O líder das Filipinas, Rodrigo Duterte, descartou, na quarta-feira, a hipótese de a filha o vir a suceder no próximo ano, acrescentando que a presidência não é tarefa para uma mulher por causa das …

"Uma memória a flutuar no oceano." Encontrada, dois anos depois, uma mensagem numa garrafa

Uma mensagem no interior de uma garrafa sobreviveu a uma viagem de dois anos pelo oceano. Recentemente, chegou às mãos de um ativista ecológico, enquanto limpava uma praia da Papua Nova Guiné. Em novembro do ano …

As células imortais de Henrietta Lacks revolucionaram a Ciência

O ano de 1951 foi muito importante no campo da biotecnologia e, surpreendentemente, tudo começou com a chegada de Henrietta Lacks a um hospital norte-americano. Descendente de escravos, Loretta Pleasant nasceu a 1 de agosto de …

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …