/

Em Itália, preparar o regresso às escolas inclui serras afiadas

wwworks / Flickr

Itália, o primeiro epicentro de covid-19 fora da China, usou um regime agressivo de testes e uso de máscaras para conter uma segunda vaga no país. Agora, as escolas estão a preparar-se para receber, no próximo ano letivo, crianças para o regresso às aulas presenciais.

O distanciamento social é vital para travar a propagação do coronavírus, mas a maioria das escolas italianas ainda usa bancos, que acomodam vários alunos para economizar espaço nas suas apertadas salas de aula. Mesas individuais nas escolas são raras, conta a CNN.

O Ministério da Educação de Itália lançou uma licitação em toda a Europa no início de julho para três milhões de escrivaninhas de assento único. A decisão é esperada em breve, com entrega até 8 de setembro.

No entanto, muitas regiões estão precupadas com a possibilidade de as novas secretárias não chegarem a tempo por isso estão a resolver o problema com as próprias mãos, serrando os bancos já existentes. “A hipótese é serrar os bancos, se forem de madeira, ou separá-los de outra forma”, disse Adelfio Cardinale, encarregado da tarefa dos bairros escolares da Sicília, em declarações à plataforma popular de ensino Orizzonte Scuola.

“Poderíamos usar separadores, também em madeira, para evitar o contacto, mas a melhor solução continua a ser a divisão das bancadas ”, disse. “É uma solução extrema para resolver aquele que é considerado o maior obstáculo a ultrapassar na ilha”.

O regresso dos alunos à escola é visto como um passo crucial para a Itália, que até agora conseguiu evitar uma segunda onda do vírus. O país foi a primeira nação europeia a fechar. Algumas escolas fecharam no dia 5 de março e todas estavam encerradas no dia 10 de março. Apenas as crianças mais novas tiveram autorzação para voltar.

A ministra da Educação da Itália, Lucia Azzolina, tem enfrentado fortes críticas sobre a forma como lidou com a reabertura das escolas. Embora quase todas as outras entidades no país pudessem começar a reabrir em 18 de maio, as escolas foram mantidas fechadas.

Distanciamento, aulas ao ar livre e em igrejas

O plano de reabertura das escolas italianas inclui disposições para limitar o número de alunos nas salas de aula, para garantir pelo menos um metro de distância entre eles, bem como horários alternados.

Tanto os professores como os alunos usarão máscaras e protetores faciais.

As salas de aula serão higienizadas várias vezes ao dia e as aulas serão divididas em grupos de estudo mais pequenos para limitar o contato social, o que permitirá um rastreamento mais fácil de contato caso o teste de um aluno seja positivo.

Se possível, as aulas serão dadas ao ar livre ou em teatros, parques e museus, especialmente nos casos em que o distanciamento social não pode ser mantido em edifícios escolares mais antigos. Em Roma, algumas aulas serão dadas em igrejas para garantir um ensino presencial com segurança.

O ensino à distância será conduzido em conjunto para alunos do ensino médio que podem optar por não assistir às aulas se morarem em situações com familiares vulneráveis.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.