EDP: Variar IVA em função do consumo de energia é “justo” e “lógico”

Tiago Petinga / Lusa

O presidente da EDP, António Mexia

O presidente executivo da EDP, António Mexia, considerou esta terça-feira em Madrid “lógica” e “socialmente mais justa” a intenção do Governo de permitir a variação da taxa de IVA sobre a energia em função dos diferentes escalões de consumo.

“Tem lógica. Se o caminho for esse […], eu acho que o objetivo que se está a tentar é garantir que haja uma progressividade nessa medida, que ela seja socialmente mais justa”, disse António Mexia à agência Lusa à margem de uma mesa redonda em que participou na Conferência das Nações Unidas sobre alterações Climáticas (COP25), a decorrer em Madrid.

Para o presidente da EDP, trata-se de uma eventual decisão de política fiscal que compete ao parlamento e ao Governo, sem “nenhuma influência no negócio da EDP”, embora uma variação desse tipo da taxa de IVA fosse “beneficiar quem mais precisa”, dito de outra forma, “quem tem menos rendimentos, quem consome menos e quem tem menos condições”.

“Isto tem lógica, vai no sentido de uma medida mais progressiva e não regressiva”, concluiu António Mexia.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta terça-feira em Lisboa, no debate quinzenal na Assembleia da República, que enviou uma carta à Comissão Europeia “em apoio” a uma missiva “dirigida pelo ministro das Finanças ao comité do IVA”.

O objetivo foi “solicitar que sejam alterados os critérios sobre o princípio da estabilidade do IVA de forma que seja possível variar a taxa do IVA em função dos diferentes escalões de consumo” na energia, afirmou António Costa.

Esta iniciativa tinha já sido adiantada por Luís Marques Mendes no domingo. Perante a possibilidade de uma maioria negativa que force o Governo a baixar o IVA, o comentador revelou que António Costa iria tentar “convencer” Bruxelas a aceitar que o imposto possa variar em função do consumo.

Neste cenário, a perda de receitas seria menor. As contas do Governo apontam para uma perda líquida de receita de 771 milhões de euros caso o IVA baixe para os 6%, ou de 454 milhões de euros caso a descida do IVA da luz seja para os 13%.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma medida que não traz qualquer benefício para o cidadão ou as famílias, pois ninguém se deve privar de consumir a electricidade que é necessária para o seu dia-a-dia de maneira a que possa viver com dignidade e higiene.

    Ficará tudo na mesma e vai prejudicar ainda mais os parcos rendimentos dos cidadãos, criando mais instabilidade económica nos mesmos, e desigualdade, excepto para aqueles que ganham de 1000,00 € para cima, por mês; esses não sentirão qualquer diferença.

    Para acabar com a manipulação do sector energético em Portugal e o roubo que está a ser efectuado propositadamente através dos altos custos da energia, que é um bem universal, público, e um direito dos cidadãos, deve-se de imediato reverter a privatização da Energias de Portugal (EDP) e devolvê-la aos cidadãos, passando a mesma a ser administrada pelo Estado.

RESPONDER

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …

"Vocês são uns ingratos". Vieira arrasa equipa após empate com o Tondela

Luís Filipe Vieira foi ao balneário falar com os jogadores após o empate com o Tondela. O presidente benfiquista mostrou-se irritado e acusou os futebolistas de ingratidão. Depois do empate do SL Benfica com o CD …

Costa tirou o tapete ao seu "super-ministro" (que é cada vez mais candidato a líder do PS)

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, já foi um peso-pesado do Governo de António Costa, mas o primeiro-ministro desautorizou-o na discussão sobre o futuro da TAP, num claro sinal de que a "lua-de-mel" entre os …

Há dois candidatos na calha para suceder a Centeno. Siza Vieira fora da corrida

Pedro Siza Vieira era apontado como o favorito a suceder a Mário Centeno na pasta das Finanças, mas recusou essa possibilidade. Nelson de Souza e João Leão são agora os dois principais candidatos. Com a saída …

Ventura chega-se à "família Bolsonaro" e vai trabalhar com a extrema-direita europeia

O Chega de André Ventura tem mantido contactos internacionais, nomeadamente nos EUA e no Brasil, no sentido de estabelecer ligações que consolidem a sua força política. Terá mantido reuniões com elementos "próximos da família Bolsonaro" …

Surtos em Lisboa levam a que cirurgias e consultas não urgentes voltem a ser suspensas

O governo suspendeu novamente a atividade não urgente nos hospitais de Lisboa, Amadora, Sintra, Loures e Odivelas, devido à concentração de casos de covid-19, disse hoje à agência Lusa fonte do Ministério da Saúde. “As orientações …

Benfica e Aves têm acordos secretos "à margem da lei" para transferência de jogadores

SL Benfica e Desportivo das Aves mantêm acordos "secretos" e "à margem da lei" para a transferência de jogadores, segundo a manchete do jornal Público deste sábado. A Vila das Aves é um destino frequente para …

Sócrates troca subvenção vitalícia de 2 mil euros por salário chorudo como consultor

O ex-primeiro-ministro José Sócrates voltou ao mercado de trabalho em Março deste ano, para trabalhar como consultar numa empresa privada. Perdeu, assim, o direito à subvenção vitalícia de 2372 euros brutos, uma vez que estará …

Suspeito de rapto de Maddie investigado por desaparecimento de criança no Algarve

O novo suspeito no caso do desaparecimento de Madeleine McCann está a ser investigado pelo desaparecimento de uma criança alemã no Algarve, em 1996. Christian B., está detido na Alemanha por abuso sexual de menores, entre …

Trabalhadores em lay-off podem perder dois a três salários em 2020

Feitas as contas com base nas linhas gerais do Programa de Estabilização Económica e Social, os trabalhadores em lay-off podem perder dois a três salários em 2020. O lay-off simplificado veio trazer uma solução rápida para …