/

Portugal regista duas mortes nas últimas 24 horas e 454 novos casos

Caroline Blumberg / EPA

Portugal registou hoje duas mortes atribuídas à covid-19, 454 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e uma nova redução do número de internamentos em enfermaria e cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Depois de Portugal ter registado esta sexta-feira zero óbitos atribuídos à covid-19 nas 24 horas anteriores, foram este sábado registadas duas mortes relacionadas com o novo coronavírus. Os dois óbitos ocorreram na região Centro e no Algarve.

De acordo com o boletim da DGS, estão hoje internados em enfermaria 302 doentes, menos 22 em relação a sexta-feira, e 84 em unidades de cuidados intensivos, menos cinco. Há neste momento 23.494 casos ativos em Portugal, menos 186 em relação a sexta-feira.

162 dos novos casos ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, onde se contabilizam até agora 316.503 casos e 7193 mortos.

A região Norte registou 161 novas infeções e  contabilizou até agora um total de 336.234 casos de infeção e 5340 óbitos.

Os Açores registaram dez casos de covid-19 nas últimas 24 horas, sendo nove em São Miguel e um nas Flores, a par de 31 recuperados e 13 internados nos hospitais.

O número de contactos em vigilância pelas autoridades de saúde diminuiu em 94, num total que é agora de 24.006.

639 pessoas foram dadas como recuperadas, aumentando para 796.477 o número total de recuperados. Desde o início da pandemia, em março do ano passado, Portugal já contabilizou 836.947 casos confirmados e 16.976 óbitos.

 

14.048 pessoas morreram em todo o mundo nas últimas 24h

A pandemia de covid-19 provocou 14.048 mortos em todo o mundo nas últimas 24 horas, aumentando o número de óbitos para 3.182.408 desde que foram detetados os primeiros casos da infeção na China, em 2019, concluiu hoje o balanço da AFP.

O relatório elaborado pela agência de notícias francesa com base em dados oficiais recebidos até às 10:00 GMT (11:00 em Lisboa), adianta que foram diagnosticados oficialmente mais de 151.307.700 casos de infeção desde o início da epidemia.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte ainda não totalmente avaliada retém os sintomas por semanas ou até meses.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Na sexta-feira, foram registadas 14.048 novas mortes e 859.743 novos casos em todo o mundo. Os países que registaram o maior número de vítimas mortais nos seus relatórios mais recentes são Índia com 3.523, Brasil (2.595) e Estados Unidos (847).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos totais de mortes e casos, com 576.232 mortes para 32.345.712 casos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 403.781 óbitos e 14.659.011 casos, México com 216.907 óbitos (2.344.755 casos), Índia com 211.853 óbitos (19.164.969 casos) e Reino Unido com 127.517 mortos (4.416.623 casos).

Entre os países atingidos, a Hungria é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 285 mortes por 100.000 habitantes, seguida pela República Checa (274), Bósnia (261), Montenegro (238) e Bulgária (236).

A Europa totalizou 1.069.708 mortes para 50.437.371 casos, a América Latina e Caribe 919.816 mortes (28.831.722 casos), os Estados Unidos e o Canadá 600.436 mortes (33.562.118 casos), a Ásia 339.110 mortes (26.068.186 casos), o Médio Oriente 130.480 mortes (7.803.930 casos), África 121.805 mortes (4.561.052 casos) e Oceânia 1.053 mortes (43.326 casos).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou drasticamente e as técnicas de triagem e rastreamento melhoraram, levando a um aumento nas contaminações declaradas.

O número de casos diagnosticados, entretanto, reflete apenas uma fração do total real de contaminações, já que uma grande proporção dos casos menos graves ou assintomáticos ainda não são detetados.

Devido a correções feitas pelas autoridades ou publicação tardia dos dados, os números do aumento de 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE