Dormir demais faz pior do que dormir de menos

Wi2_Photography / Flickr

As pessoas que dormem mais apresentam um aumento maior no risco de mortalidade do que as pessoas que dormem menos do que as 6 a 8 horas por noite.

As pessoas que dormem mais apresentam um aumento maior no risco de mortalidade do que as pessoas que dormem menos do que as 6 a 8 horas por noite.

Investigações recentes sobre o sono sugerem que afinal, dormir oito horas por noite pode fazer mal à saúde.

Segundo Gregg Jacobs, especialista do Centro de Transtornos do Sono da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, estudos efectuados nos últimos dez anos indicam que 8 horas não é o tempo ideal de sono para nos mantermos saudáveis.

“Houve cerca de 34 pesquisas – estudos epidemiológicos que acompanham as pessoas durante um tempo, envolvendo mais de dois milhões de pessoas, que mostram de forma consistente que há uma relação entre a duração do sono e a mortalidade“, afirma Jacobs. Segundo o cientista, o nível mais baixo de mortalidade corresponde a sete horas de sono.

“Portanto, quando dormimos menos do que sete horas ou mais do que sete, há um aumento gradual no risco de mortalidade – e as pessoas que dormem mais apresentam um aumento maior no risco de mortalidade, do que as pessoas que dormem menos”, conclui o cientista.

Para Jacobs, sete horas de sono é a quantidade perfeita.

Menos do que sete horas significa que a pessoa tem mais probabilidades de morrer mais cedo e mais do que isso significa que as probabilidades de morrer mais cedo são ainda maiores.

De seis a oito?

No entanto, um outro especialista em sono, Frank Cappuccio, professor de medicina cardiovascular e epidemiologia na Universidade de Warwick, na Grã-Bretanha, afirma que, quando se fala em sono, deveríamos pensar num período ideal que varia entre as seis e as oito horas.

Segundo Cappuccio, medir o sono com precisão pode ser problemático.

“A nossa tendência é usar métodos muito simples, como perguntar às pessoas quantas horas dormem por noite, em média”, explica.

Mas, segundo o médico, as pessoas não medem com exactidão quanto tempo dormem.

Contar com o depoimento das pessoas transforma os estudos do sono numa ciência inexacta pois, aparentemente, temos tendência a sobrestimar o seu tempo de sono.

Mesmo com essa falta de precisão, Cappuccio defende que, se uma pessoa acha que dorme entre seis e oito horas por noite, não deve ter que se preocupar.

RelaxingMusic / Flickr

O período de sono ideal parece ser, afinal, 7 horas pr dia - não as 8 que vulgarmente se considera.

O período de sono ideal parece ser, afinal, 7 horas pr dia – não as 8 que vulgarmente se considera.

Falta e excesso

Uma pessoa que durma mais, ou menos, do que um período de seis a oito horas por noite, aparentemente apresenta mais risco de desenvolver problemas como hipertensão, diabetes e complicações cardiovasculares.

“Quem dormir mais do que oito horas ou menos do que seis, apresenta um grande aumento do que estimamos ser o risco de desenvolver estes problemas, ou morrer mais cedo”, realça Cappuccio.

Uma análise de voluntários que participaram num estudo sobre o sono revelou um aumento de 12% nas mortes entre os que dormem menos, comparado com os que dormem seis a oito horas por noite.

Mas surpreendentemente os investigadores descobriram um aumento de 30% das mortes entre os que dormiam mais do que 8 horas por noite.

Sete horas

Apesar das provas de que as pessoas não são testemunhas fiáveis do seu próprio sono, Gregg Jacobs afirma que é possível ter uma ideia de qual é o tempo de sono ideal.

Todos os anos, na primavera, a Fundação Nacional do Sono dos EUA investiga milhares de adultos, de uma amostragem científica aleatória da população – e frequentemente são descobertas coisas interessantes.

Uma dessas descobertas é a de que “o adulto típico actualmente afirma ter sete horas de sono por noite – e na verdade, parece ser esta a duração média do sono na população adulta mundial”, afirma Jacobs à BBC. Para o cientista, talvez as sete horas de sono seja o período de sono mais natural para o cérebro.

Os estudos realizados indicam que a maioria dos adultos diz que se sente descansado e com energia depois de um período sete horas de sono e apenas 5% afirmam que se sentem sonolentos durante o dia.

Há algo nas sete horas de sono, em termos das respostas que nos dão e do que observamos em termos de saúde, este parece ser o tempo ideal para dormir”, diz Jacobs.

ZAP // BBC

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Estudos da treta… A pessoa deve dormir até acordar naturalmente. Ponto. Cada organismo é diferente. Cada pessoa tem o seu padrão de sono, se estiver sempre a acordar de noite, logo vai ter necessidade de dormir mais…

  2. Não importa que fumes, que bebas muito, que te drogues, que só comas fast-food, sejas viciado em açúcar, que nunca saias da frente da televisão, que faças sexo indiscriminado e sem camisinha, desde que durmas por sete horas está tudo bem, vais viver mais.

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …