Ex-diretor de campanha de Trump foi acusado de partilhar informação com russos

Shawn Thew / EPA

Paul Manafort, ex-diretor da campanha presidencial de Donald Trump

O ex-presidente da campanha Trump, Paul Manafort, partilhou dados sobre sondagens durante a campanha presidencial de 2016 com um sócio acusado de ter ligações com os serviços de inteligência russos.

Segundo um processo judicial citado pela agência Associated Press (AP), trata-se da primeira vez que a equipa dos escritórios de Robert Muller acusa Paul Manafort de partilhar informações relacionadas com as eleições presidenciais com os seus contactos russos.

Embora a declaração não diga se a informação relacionada com a sondagem foi tornada pública ou não, levanta a possibilidade de a Rússia ter usado informações internas da campanha como parte de seu esforço para interferir na eleição em nome de Trump.

Esta acusação pode ter um papel importante na investigação em curso por parte da equipa de Robert Muller sobre a eventual coordenação entre a campanha de Trump e o Kremlin.

A informação foi acidentalmente revelada esta terça-feira num documento da defesa que conseguiu ver os dados pois o acesso ao documento não estava devidamente desativado.

Manafort esteve entre os primeiros americanos acusados na investigação de Mueller e esteve entre os personagens centrais do caso, tendo liderado a campanha durante a convenção republicana e, como dizem os serviços de inteligência dos EUA, a Rússia estava a fazer tudo para influenciar a eleição a favor de Trump.

O ex-diretor de campanha de Trump assumiu a culpa das acusações de conspiração em Washington e enfrenta uma condenação num outro caso na Virgínia.

O documento da defesa tinha como objetivo refutar as alegações de que Paul Manafort mentiu intencionalmente à equipa de Mueller depois de concordar declarar-se culpado em setembro passado.

Os procuradores dizem que Manafort violou o acordo por mentir, mas os advogados de defesa argumentaram que quaisquer distorções eram simples erros cometidos por um homem que lidava com algumas doenças, exaustão e um extenso interrogatório por parte dos investigadores.

Os advogados de defesa disseram que Manafort sofre de depressão e ansiedade, teve pouco contacto com sua família e, nos dias em que se encontrou com investigadores, foi acordado antes do amanhecer para ter longos interrogatórios com pouco tempo para se preparar. “Essas circunstâncias pesaram muito sobre o estado mental de Manafort e sobre sua memória quando ele foi longamente questionado”, escreveram os advogados.

Um porta-voz da equipa de defesa de Manafort recusou-se a comentar as alegações de Mueller, mas os advogados acabaram por fazer uma versão corrigida do documento. O documento contém novas informações sobre as ligações de Manafort a Konstantin Kilimnik, um associado de negócios russo-ucraniano que foi indiciado no ano passado por ter interferido com potenciais testemunhas.

Os EUA acreditam que Kilimnik está ligado aos serviços de inteligência russos, mas Konstantin, que não está sob custódia dos EUA, negou tais ligações. As últimas alegações detalham ainda mais como o trabalho de Manafort na campanha se cruzou com seu trabalho internacional com Kilimnik.

Emails abordados anteriormente mostram que, em julho de 2016, Manafort disse a Kilimnik que estava disposto a fazer “briefings privados” sobre a campanha de Trump a Oleg Deripaska, um bilionário russo ligado ao presidente Vladimir Putin. Além disso, o documento da defesa divulga uma reunião em Madrid entre Manafort e Kilimnik.

Os procuradores dizem que Manafort reconheceu a reunião apenas após ser informado de que estavam na mesma cidade no mesmo dia. O porta-voz de Manafort, Jason Maloni, disse que a viagem a Madrid ocorreu em janeiro ou fevereiro de 2017 – meses depois de Manafort ter sido expulso da campanha e quando Trump estava já a assumir o cargo.

Manafort também não revelou inicialmente ter discutido anteriormente um plano de paz da Ucrânia com Kilimnik em mais de uma ocasião durante a campanha. A Rússia e a Ucrânia estão envolvidas num conflito desde 2014 por causa da anexação da Crimeia pela Rússia. Os EUA e a União Europeia impuseram sanções à Rússia por esse motivo, bem como pelo apoio do país a rebeldes separatistas no leste da Ucrânia.

Os advogados de Manafort escreveram que Manafort disse aos procuradores em setembro que “teria pensado no plano de paz ucraniano, se a questão não tivesse sido levantada durante o período em que ele esteve envolvido com o trabalho da campanha presidencial”.

Os promotores também acusaram Manafort de mentir sobre seus contactos com funcionários da administração Trump, o que os advogados de defesa negam.

O documento diz que uma troca de mensagens em 26 de maio de 2018 com Manafort envolveu um “terceiro elemento”, não identificado, que pediu permissão para nomear Manafort se a pessoa se encontrasse com Trump. O pedido para usar Manafort como uma ponte para Trump surgiu quando o ex-diretor de campanha já tinha sobre si duas acusações em dois outros casos federais.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vieira segura Jesus apesar da pressão interna

O presidente do SL Benfica, Luís Filipe Vieira, descarta neste momento avançar para a demissão do treinador encarnado, Jorge Jesus, apesar da pressão interna para o fazer, avança este sábado o desportivo Record. Segundo a …

Os antigos egípcios tinham um segredo para fazer pão. Milénios depois, eis a receita

Ninguém sabia como é que os antigos egípcios faziam pão, até uma investigadora ter posto – literalmente – as mãos na massa e descoberto qual era o seu segredo. "A produção de pão no Egito faraónico …

Afinal, Messi pode mesmo ficar em Barcelona

O internacional argentino Lionel Messi, que no verão passado admitiu publicamente que queria deixar o FC Barcelona, poderá continuar no clube. A informação é avançada este sábado pelo jornal espanhol Marca, que dá conta que …

Governo vai começar a executar o PRR pela área da saúde e apoio aos idosos

O Governo quer começar a executar o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) pela área da saúde e combate às vulnerabilidades sociais. Em declarações ao jornal Público, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira …

Testes alargados a todas as escolas e passam a contemplar amostras de saliva

Os testes ao novo coronavírus vão abranger todas as escolas de Portugal continental e contemplar a amostra de saliva para a realização dos rastreios laboratoriais, segundo a atualização da norma da Direção-Geral da Saúde (DGS) …

Poeira de asteróide encontrada na cratera Chicxulub encerra caso da extinção dos dinossauros

Uma equipa de investigadores acredita ter encerrado o caso da extinção dos dinossauros após ter encontrado poeira de asteróide na cratera que Chicxulub terá criado há 66 milhões de anos. Desde os anos 1980 que a …

CDS recebeu com "alegria e entusiasmo" candidatura de Moedas a Lisboa

O presidente do CDS-PP afirmou, esta sexta-feira, que o partido recebeu com "grande alegria e entusiasmo" a candidatura de Carlos Moedas à Câmara de Lisboa, considerando que é "um nome forte" e uma "ótima notícia" …

Nem Pote, nem Porro. As estatísticas mostram que Manafá tem sido o melhor em Portugal

O índice de desempenho de uma ferramenta de scouting usada por grandes clubes europeus aponta Wilson Manafá como o jogador em melhor forma da Liga NOS. Não é tecnicamente dotado, nem um favorito dos adeptos. O …

TAP avança com lay-off de um ano a partir de segunda-feira

A TAP vai avançar com um processo de lay-off clássico, que passará por uma redução dos períodos normais de trabalho ou suspensão de contratos, a partir da próxima segunda-feira e durante 12 meses. De acordo com …

Os tigres estão em risco e podem precisar de um "resgate genético"

Os tigres estão sob ameaça e um novo estudo sugere que estes felinos podem precisar de um "resgate genético". O acasalamento entre diferentes subespécies é uma opção. Fragmentação do habitat, conflito entre humanos e vida selvagem, …