Desinformação dificultou resposta ao ébola. O mesmo pode acontecer com o coronavírus

Kim Ludbrook / EPA

A desinformação pode ser uma arma perigosa no combate à pandemia de covid-19. Tal como aconteceu no Congo com o ébola, o mesmo pode acontecer no resto do mundo com o novo coronavírus.

No pico do surto de ébola, a República Democrática do Congo era um dos países mais afetados. Desinformação e boatos relativamente a este vírus levaram a ataques a hospitais e profissionais de saúde. O Congo aprendeu a sua lição e, no fim de março, atingiu o marco de 40 dias sem novos casos no país, numa altura em o número de infetados aumentava um pouco por todo o mundo.

“A desinformação dificulta os esforços para interromper a transmissão de uma doença infeciosa, onde quer que ela se espalhe – e parece alastrar-se ainda mais rapidamente do que a própria doença”, explica Margaret Harris, porta-voz e médica da OMS que ajudou a combater o ébola no Congo e agora está a trabalhar na resposta à covid-19.

“Pode até levar a comportamentos perigosos que aumentam a probabilidade de serem infetados ou não receberem tratamento que permite salvar vidas”, acrescentou, citada pelo The Intercept.

Nos Estados Unidos, replicam-se casos de pessoas que resistem às medidas de contenção no combate à covid-19. “Acreditamos que o vírus seja politicamente motivado”, diz Tony Spell, pároco de uma igreja norte-americana. E caso alguém da sua igreja contraísse o novo coronavírus, Spell alega que os cura com a ajuda divina.

O mesmo aconteceu no Congo com o ébola. O pastor congolês Jules Mulindwa disse que podia criar um antídoto para o vírus rezando uma garrafa de água. “Depois você bebe e será curado, mesmo se tiver ébola”, garantiu Mulindwa.

Algumas das teorias de conspiração no país alegavam que o vírus era uma campanha ocidental de extermínio apoiada por elites locais. Outra teoria sugeria que era um esquema para o roubo de órgãos. E surpreendentemente, havia quem jurasse que a doença nem sequer existia.

Um estudo publicado em março do ano passado na revista científica The Lancet: Infectious Diseases, revelou que 92% das pessoas questionadas no leste do Congo foram desinformadas sobre o vírus do ébola. Além disso, quase metade dessas pessoas acreditou em alguma dessa informação enganosa.

Também nos Estados Unidos, o próprio presidente já mostrou ser capaz de desinformar a população. No início da pandemia, Donald Trump alegou que tinha o vírus sob controlo e disse que “quem quiser um teste pode fazê-lo”. Para além de não ter a situação controlada, os EUA também não têm testes suficientes para todos os casos suspeitos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Detetado fator climático determinante para a propagação do coronavírus

Altas temperaturas combinadas com baixa humidade propiciam que as gotículas contaminadas com o novo coronavírus evaporem mais rapidamente, reduzindo a sua capacidade de infetar pessoas. De acordo com os cientistas, citados pelo canal estatal russo RT, …

Bayern Munique vence Sevilha e conquista a Supertaça Europeia

O Bayern Munique conquistou, esta quinta-feira, a Supertaça Europeia, ao derrotar o Sevilha por 2-1, em Budapeste, na Hungria. Os alemães do Bayern Munique conquistaram a Supertaça Europeia pela segunda vez ao derrotarem os espanhóis do …

Sporting 1-0 Aberdeen | "Leão" eficaz segue para o play-off

O Sporting foi eficaz e assegurou uma vaga no “play-off” de acesso à fase de grupos da Liga Europa. Na noite desta quinta-feira, num embate relativo à 3ª pré-eliminatória da competição, os “leões” bateram o Aberdeen …

A NASA descobriu uma nova forma de aterrar em segurança na Lua

A NASA construiu um sistema totalmente novo que pode tornar a aterragem na Lua e em Marte muito menos arriscada - e já tem planos de testá-lo numa missão futura. De acordo com o TechCrunch, o …

Rio Ave elimina Besiktas e está no play-off da Liga Europa

O Rio Ave venceu os turcos do Besiktas, esta quinta-feira, no desempate por grandes penalidades (4-2), após o 1-1 no tempo regulamentar, em jogo da terceira pré-eliminatória da Liga Europa, seguindo em frente na competição. Em …

Dois dinossauros morreram como as vítimas de Pompeia. Foi há 125 milhões de anos, na China

Um grupo de arqueólogos na China acabou de descobrir dois fósseis de uma nova espécie de dinossauro, que estiveram presos no subsolo por 125 milhões de anos devido a uma erupção vulcânica pré-histórica. Os investigadores …

Batalhas de feiticeiros e círculos de demónios. Revelados textos cristãos que não foram incluídos na Bíblia

Os textos da Bíblia como a conhecemos hoje foram "canonizados" pela primeira vez pela Igreja no final do século IV. No entanto, antes disso, centenas de outros textos religiosos circularam por toda a Cristandade. Há mais …

Autoeuropa confirma que não irá renovar contrato a 120 trabalhadores

A administração da fábrica de automóveis Volkswagen Autoeuropa, em Palmela, confirmou, esta quinta-feira, que não vai renovar os contratos a termo de 120 trabalhadores ligados à produção dos veículos MPV (Multi-Purpose Vehicle). "A Autoeuropa reafirmou a …

Glaciar na Islândia "escondia" bombardeiro norte-americano da 2ª Guerra Mundial

Os destroços de um bombardeiro norte-americano B-17 Flying Fortress que colidiu com o glaciar Eyjafjallajökull durante a II Guerra Mundial estão gradualmente a aparecer à medida que a geleira recua devido às alterações climáticas. De acordo …

40 anos depois, assassino de John Lennon pede desculpa pelo crime "desprezível"

Mark David Chapman, o homem que assassinou John Lennon, diz que matou o ex-Beatle por "raiva e ciúmes" e pediu desculpa a Yoko Ono, 40 anos depois. Em 1980, Chapman atingiu John Lennon com quatro tiros …