Descongelamento de carreiras na Função Pública vai ser feito em dois anos

Paulo Vaz Henriques / Portugal.gov.pt

O ministro das Finanças, Mário Centeno

Os funcionários públicos vão receber no próximo ano um terço do valor da progressão na carreira, sendo o restante acréscimo remuneratório pago em dois momentos em 2019, segundo a proposta do Governo enviada esta madrugada aos sindicatos, a que a Lusa teve acesso.

De acordo com o documento do Ministério das Finanças que esta tarde vai ser discutido com os sindicatos, o descongelamento das carreiras será feito em dois anos e não em quatro como inicialmente se previa, mas em 2019 o pagamento será faseado, sendo efetuado em janeiro e dezembro.

Na prática, haverá três pagamentos. Em janeiro de 2018 os funcionários públicos com direito a progredir recebem um terço (33%) do acréscimo remuneratório e, em janeiro de 2019 recebem mais um terço, chegando aos 66% e só a 1 de dezembro desse ano terão direito aos 100%.

A proposta do Governo prevê ainda uma novidade face ao proposto inicialmente: quando o acréscimo remuneratório corresponda a um determinado valor, ainda por definir, não será aplicado o faseamento do pagamento das progressões.

Segundo explicou à Lusa o dirigente da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, a garantia de um valor mínimo acautela situações de carreiras subsistentes que, devido ao faseamento, “teriam acréscimos ridículos, de dois ou três euros”.

O valor mínimo era uma reivindicação da FESAP e deverá ficar definido nas reuniões desta tarde com a equipa das Finanças, disse o sindicalista.

Desta forma, o Governo pretende salvaguardar que os funcionários públicos com salários mais baixos possam receber o valor integral a que têm direito na sequência do descongelamento logo no início de 2018.

Para José Abraão, a nova proposta do Governo “é positiva, mas insuficiente” pois continua a prever o faseamento do pagamento das progressões, medida que a FESAP “sempre recusou”.

De acordo com o Dinheiro Vivo, o descongelamento integral das progressões e das promoções das carreiras na Função Pública custará cerca de 600 milhões de euros brutos e, segundo fonte do Governo, 80% dos funcionários públicos terão um aumento do rendimento disponível já em 2018, na sequência desta medida.

De acordo com o Público, a proposta negocial enviada pelo governo aos sindicatos propõe ainda que a reposição das horas extraordinárias seja também ela faseada, durante o ano de 2018.

O Ministério das Finanças propõe que os cortes nas horas extraordinárias não acabem já, mas sim por fases, com o pagamento de 25% a 1 de janeiro, 50% a 1 de abril, 75% a 1 de julho e os 100% a chegarem só a partir de 1 de dezembro.

A proposta, no entanto, não agrada na totalidade aos sindicatos. José Abraão diz que a manutenção do corte das horas extraordinárias “é inaceitável” e que pode até ser “inconstitucional”, já que “cria injustiças” entre os trabalhadores da função pública, dado que os trabalhadores da saúde já viram este corte acabar e também não se aplica aos trabalhadores do sector empresarial do Estado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Estes senhores sindicalistas aguentaram durante o governo de Passos todos os cortes e agora querem tudo de uma vez. Esquecem-se que em Portugal os trabalhadores não são só os funcionários publicos, e que com as exigências que fazem estamos todos em causa. Pois eles podem fazer greves dado que tem as carreiras seguras e não são despedidos. Venham trabalhar para o sector privado, para ver o que custa
    Não se esqueçam que foram os Partidos PCP-BE e que agora apoiam e exigem tudo e mais alguma coisa que foram os culpados de termos a TROIKA, uma vez que votaram ao lado do PSD e CDS o chumbo do PEC IV. Senão tivesse sido esse chumbo teriamos o apoio com teve a Espanha, sem ter vindo a Troika. Será que com todas estas reinvindicações não estão a querer outra vez o seu regresso?

  2. Costa, depois manda a conta para pagar.
    Agora não posso que estou a trabalhar, mas logo que tenha uma folga ponho algum dinheiro de lado para me ir preparando.

  3. Este pessoal dos sindicatos, sempre a pedir mais, como se tivessem direito a tudo só por existirem, parece que ainda não perceberam que o governo para dar alguma coisa à função pública terá de o tirar na mesma proporção a todos os portugueses.
    O dinheiro do Estado não cai do céu, vem mesmo dos bolsos dos portugueses, e no que me toca a mim, digo NÃO. Não estou disponível para dar à função pública o que não tenho sequer para mim, principalmente quando no que me toca só vi impostos a aumentarem, seja nos combustíveis ou no IMI, para dar 2 exemplos flagrantes.

    • Atenção não tem para si e está preocupado com os impostos sobre os combustiveis-IMI etc. Se paga estes impostos é porque tem carro tem casa própria etc.

  4. Há aqui duas situações curiosas, primeiro estão a deixar de fazer previsões e actuações a curto prazo e por outro lado parece pretender-se retomar agora aquilo que o anterior governo pretendia, avançar faseada-mente e que tantas críticas mereceu por parte dos membros da geringonça, só que agora aqui já vão a meio do campeonato e já estão a fazer promessas que abrangerão outra legislatura que poderá não ser gerida pelos actuais governantes e as quais poderão pôr de novo em causa uma futura governação estável a outros que nada terão a ver com o facilitismo com que até agora têm gerido a coisa pública.

RESPONDER

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …

Quem anda mais devagar pode envelhecer mais rapidamente

A velocidade a que caminham as pessoas aos 45 anos pode ser um indicador de como é que o cérebro e o corpo envelhecem, revela um novo estudo levado a cabo por uma equipa de …