Departamento do Governo tem mais estagiários do que funcionários pagos

Mário Cruz / Lusa

António Costa, Augusto Santos Silva, Maria Manuel Leitão Marques e Mário Centeno

António Costa, Augusto Santos Silva, Maria Manuel Leitão Marques e Mário Centeno

Há um novo departamento da Presidência do Conselho de Ministros que tem mais estagiários a trabalhar, sem qualquer salário ou subsídio, do que funcionários remunerados.

Está em causa a recém-criada Unidade Técnica de Avaliação de Impacto Legislativo do Centro Jurídico da Presidência do Conselho de Ministros (CEJUR), onde trabalham dois consultores economistas e quatro estagiários, conforme avança o Diário de Notícias (DN).

A publicação atesta que estes estágios “curriculares, não remunerados” foram promovidos junto de diversas Universidades, num ofício onde se releva que visam “dar apoio à actividade desta unidade”.

“O CEJUR está disponível para integrar, como estagiários, alunos de mestrado ou doutoramento que desejem realizar um estágio profissional não remunerado“, dizia o mesmo ofício, segundo cita o DN, realçando que “os estágios profissionais não remunerados são ilegais“.

A Presidência do Conselho de Ministros garante ao jornal que aquela nota foi um “lapso” e que o ofício realçava como “assunto” a referência ao “recrutamento de estágios curriculares”. O DN confirmou que o ofício revelava, de facto, as duas versões em simultâneo.

Os quatro estagiários do departamento cumprem um horário de trabalho e tarefas que passam pelo desenvolvimento de processos de avaliação até à realização de relatórios ou à análise de custos e benefícios.

O CEJUR destaca ao DN que estes estágios curriculares se enquadram “no âmbito de protocolos” assinados com Universidades e que resultam na atribuição de “créditos” aos envolvidos, enriquecendo a sua formação.

O organismo recusa ainda que estes estagiários estejam a suprir necessidades permanentes do serviço, frisando antes que “a formação de bons profissionais futuros passa pela sua efectiva ligação à realidade, pelo que contribui para as suas qualificações”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Isto não é novidade para ninguém na administração publica. O que não falta são departamentos com jovens licenciados precários ou jovens a receber 700 ou 800 euros há 10 anos e a fazer todo o trabalho, com grande responsabilidade de analise, relatórios e decisões enquanto os funcionários com carreira, a receber em média 2500 brutos mais suplementes de isenção horário, subsídios de função, etc que andam a passear o dia inteiro depois de irem picar o ponto. Este pais vive para sustentar esses funcionários e os pensionistas. São 80 mil milhões por ano, quase metade do PIB para quem nada produz.

    • Complemento ao “Queremos a Verdade”, por acaso nunca estive desempregado, apesar de ter iniciado a minha primeira atividade profissional aos 15 anos e já ter completado 54 anos de idade. Lamento no entanto que para além do que descreve, existem mais uns problemas a revelar, pagamos muitos subsídios de desemprego a quem anda a trabalhar às escondidas, retirando também algumas empresas e empresários benefícios claros, agrava-se a situação quando “apanhamos” reformados com idade de trabalhar, com reformas chorudas e a “roubar” postos de trabalho. Mas há muito mais, falta-me é disponibilidade de tempo para escrever !!!

RESPONDER

Primeira-ministra da Escócia declara que "haverá maioria pró-independência" no parlamento

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, declarou hoje vitória nas eleições regionais, afirmando que "haverá uma maioria pró-independência" no parlamento escocês. Com as projeções a indicarem que o Partido Nacional Escocês (SNP), que lidera, foi o …

SOS Rio Paiva pede que se limite o número de visitantes à ponte e Passadiços do Paiva

A associação SOS Rio Paiva manifestou-se preocupada com o aumento da pressão turística e com a poluição, na sequência da inauguração da ponte suspensa em Arouca, e pediu que se limite o número de visitantes. A …

O seu antigo número de telemóvel pode ser usado para pirateá-lo

O seu antigo número de telemóvel pode ser usado para pirateá-lo, caso este ainda esteja associado a contas em sites ou redes sociais. Embora milhões de números de telemóvel sejam desconectados todos os anos, um novo …

Ataque à bomba contra escola feminina em Cabul faz 30 mortos e 79 feridos

A explosão de uma bomba junto a uma escola secundária para raparigas na zona ocidental de Cabul fez hoje pelo menos 30 mortos e 79 feridos, segundo um novo balanço feito pelas autoridades afegãs. “O número …

Tamám Shud. Exumação de corpo pode resolver um estranho mistério com 70 anos

As autoridades da Austrália aprovaram uma exumação do corpo de Tamám Shud - ou "Homem de Somerton" - e, em breve, o mistério de 70 anos pode estar resolvido. Em 30 de novembro de 1948, vários …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Vacinação no bom caminho com 25% da população da UE vacina

A Comissão Europeia anunciou este sábado que 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 chegaram já à União Europeia (UE) e 160 milhões de europeus já receberem a primeira dose, levando a que a vacinação …

Libertados nos EUA os primeiros mosquitos geneticamente modificados

Foi a primeira vez que mosquitos geneticamente modificados foram libertados nos Estados Unidos. O objetivo é suprimir populações de mosquitos transmissores de doenças. De acordo com o site Live Science, a empresa de biotecnologia Oxitec lançou …

Descobertos os restos de nove Neandertais numa gruta em Itália

Os restos de nove Neandertais foram descobertos na Gruta de Guattari, em San Felice Circeo, na costa entre Roma e Nápoles, onde já tinham sido encontrados vestígios da presença Neandertal, anunciou este sábado o ministro …

Leis draconianas na Malásia. Fahmi Reza foi detido por insultar a rainha com playlist no Spotify

A sátira desempenha um importante papel na sociedade. Na Malásia, as leis draconianas estão a reacender o debate em torno da liberdade de expressão. Fahmi Reza, um artista gráfico e ativista social malaio, foi detido no …

António Barreto

Portugal vai ter "um problema de cor de pele" (por muitos anos e com conflitos)

O sociólogo António Barreto considera que Portugal vai "ter um problema" de "cor de pele" e "por muitos anos". Uma ideia defendida numa entrevista onde se reporta para "o que se passa em toda a …