/

Décadas após a sua morte, Van Gogh “pagou” cuidados médicos da irmã

Van Gogh Museum / wikimedia

Auto-Retrato de Vincent Van Gogh

Vincent van Gogh viveu pobre ao longo da sua vida, que terminou em suicídio. No entanto, duas décadas depois, as pinturas que deu à irmã foram vendidas para pagar a sua estadia num hospital psiquiátrico.

Willemien, a mais nova das três irmãs de Van Gogh, partilhava o seu amor pela arte e literatura e, como ele, lutava contra a saúde mental. Enquanto Van Gogh foi internado depois de cortar parte da sua orelha, a sua irmã ficou internada durante quase 40 anos até à sua morte em 1941.

De acordo com cartas da irmã mais velha, Anna, publicadas num novo livro, Willemien vendeu um quadro que Vincent lhe dera, permitindo-lhe pagar as despesas médicas. “Lembro-me de quando Wil recebeu o quadro de Vincent, mas que figura! Quem teria pensado que Vincent contribuiria para a manutenção de Wil dessa forma?”, escreveu Anna, em 1909, segundo o jornal britânico The Guardian.

Anna, que tinha trabalhado como assistente de professora em Inglaterra, escrevia para Jo Bonger, esposa do irmão de Van Gogh, Theo, que era um negociante de arte e sempre acreditou no talento de Vincent quando outros não.  “Theo sempre afirmou que isso aconteceria, mas que reviravolta imprevista, resultados tão surpreendentes”, escreveu Anna.

A irmã também escreveu sobre a existência vazia de Willemien no hospital: “O único livro que às vezes lê é Aurora Leigh [de Elizabeth Barrett Browning] e, nas outras vezes, apenas se senta e costura para as enfermeiras… De manhã, senta-se na varanda a alimentar os pássaros, mas se uma enfermeira tenta dar um passeio no jardim com ela, recusa-se”.

 

Anna escreveu sobre a compra dos seus “chinelos de couro macio” para confortá-la: “Tento todo o tipo de coisas e continuo à espera que algo chegue até ela”.

No entanto, a condição da irmã mais nova piorou com o passar dos anos.

Uma em centenas de cartas secretas

Esta é apenas uma das centenas de cartas não publicadas escritas pelas irmãs, os seus amigos e familiares que farão parte de um livro chamado “The Van Gogh Sisters”, que dará uma visão da tragédia e turbulência das suas vidas.

“As letras estão apenas em holandês, por isso nunca estiveram disponíveis… e não em inglês”, disse Willem-Jan Verlinden, historiador de arte holandês e autor do livro. “As irmãs de Van Gogh tiveram de vender as suas pinturas para ganhar a vida. À medida que se tornava cada vez mais famoso e os preços das suas pinturas subiam, ele estava, de certa forma, a sustentar as suas irmãs, mesmo muito depois de falecer”.

Outro material inclui a correspondência da amiga de Willemien, Margaretha Meijboom, cujo próprio irmão tinha um histórico de problemas de saúde mental. Quando chegou a notícia de que Van Gogh tinha cortado a sua própria orelha, consolou Willemien numa carta datada de 1888.

“Aquele pobre homem, que terrível, tão doente – quero dizer, daquela forma – e ainda por cima, tão longe… Compreendo perfeitamente os seus sentimentos… Ir para um hospício soa desagradável, mas sabia que um especialista recomendaria não adiar durante muito tempo? Os pacientes sofrem menos porque recebem o tratamento certo, escreveu.

As cartas estão guardadas nos arquivos do Museu Van Gogh, em Amesterdão. “Esta é uma verdadeira mina de ouro, com observações maravilhosas. Quero fazer uma pesquisa sobre o que os membros da família dizem sobre Vincent. Eles são tão interessantes. Um por um, pretendemos publicá-los num futuro próximo”, disse Hans Luijten, investigador e autor de uma biografia futura “All for Vincent”.

Van Gogh trocou Paris pelo sul da França em 1888, dizendo que estava cansado do ritmo frenético da vida parisiense. No sul, o artista cortou parte da sua orelha esquerda durante um episódio de doença mental. Mais tarde, suicidou-se, disparando um revólver contra o seu peito perto de Paris em julho de 1890.

  Maria Campos, ZAP //

 

 

 

 

 

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.