No pontapé de saída dos debates políticos, Costa e Jerónimo só encalharam nas leis laborais

Manuel de Almeida / Lusa

Jerónimo de Sousa e António Costa foram os convocados para o primeiro debate entre partidos para as legislativas de outubro. No frente-a-frente desta segunda-feira, a legislação laboral foi o único cartão vermelho da partida.

Os líderes do PCP e do PS escolheram a mesma cor para a gravata – vermelha -, numa concordância que ficou bem patente do primeiro ao último minuto do debate das legislativas, moderado pela pivô da SIC, Clara de Sousa.

“O senhor deixou claro que gostou mais de trabalhar com um do que com outro”, afirmou a jornalista, procurando saber porque é que António Costa considerou mais fácil trabalhar com o PCP do que com o Bloco de Esquerda. “Nunca disse que era mais fácil, disse sempre que não seria justo fazer comparações. Não quero diminuir a exigência que o PCP sempre pôs nesta relação”, disse o primeiro-ministro.

O debate arrancou com o balanço de ambas as partes dos quatro anos de acordo das esquerdas. Jerónimo de Sousa agarrou-se a um ditado popular para responder a Clara de Sousa, que insistia saber se o líder do PCP mantinha, ou não, a confiança em António Costa.

E a resposta não podia ser mais clara: “Tenho por hábito tratar as pessoas com respeito. Mas sinceridade não pode confundir-se com as questões políticas. É preciso valorizar o que se conseguiu, há quatro anos, para desbloquear uma situação e encetar um processo de reposição de direitos e rendimentos”, respondeu. Mas quanto a “confiança”, “como dizia a minha mãe, a melhor prova do pudim é comê-lo“.

Afinal, “quem é que comeu quem?”, questionou a jornalista, que recebeu um “ninguém” como resposta. Jerónimo garantiu que tem “orgulho” no que conseguiram alcançar ao longo de quatro anos de legislatura, admitindo que a ação e o diálogo estabelecido com o Partido Socialista permitiu “coisas que” o PCP valoriza “muito”.

Num debate morno, nem as “questões insanáveis” que separam os dois partidos, nem as declarações sobre a legislação laboral aqueceram o ringue de combate. Jerónimo de Sousa criticou o facto de as alterações ao código de trabalho terem sido aprovadas com a direita, repetindo que “para cada posto de trabalho permanente deve haver um posto de trabalho efetivo”.

António Costa retorquiu, afirmando que “esta é a primeira legislação que em vez de comprimir os direitos, alarga os direitos dos trabalhadores” e adiantando que as empresas têm de perceber que, “se querem ser competitivas a vender, têm de ser competitivas a contratar”.

Além disso, o primeiro-ministro argumentou que o PSD e o CDS não votaram a favor da reforma, mas que esta “resultou de um acordo feito em concertação social”. “Na verdade, os partidos da direita abstiveram-se na votação, permitindo a viabilização das alterações propostas pelo Governo.”

Depois de atirar para cima da mesa dados sobre a criação de emprego dos últimos quatro anos, Costa regressou ao tom de cavalheirismo e afirmou: “olhe, é também resultado do trabalho de Jerónimo de Sousa”.

Sobre o salário mínimo, outro tema que afasta os líderes partidários, Costa sublinhou que “com o PCP nunca houve acordo para o salário mínimo nacional porque o PCP nunca concordou com o valor”, tendo assumido, depois, que é preciso aumentar o SMN.

“Aparentemente há aqui uma convergência”, declarou Jerónimo, dizendo que fica a faltar o “quando e o quanto”.

Quando tudo apontava para um clima tenso e propício a confronto, Jerónimo e Costa foram cordiais e civilizados. O líder comunista até recusou a classificação feita por Clara de Sousa de que o PS seria um partido de direita para o PCP: “Nunca dissemos isso, o que dizemos é que tem uma política de direita.”

As últimas perguntas do debate desta segunda-feira visaram, em particular, Jerónimo de Sousa e António Costa. O primeiro considera-se parte da solução e não do problema do PCP – “há quem afunile a vida para as eleições, as eleições são muito importantes, mas reduzir a minha atividade ao resultado das eleições… então estaria aqui a mais com certeza”, afirmou.

Já o líder socialista escusou-se a esclarecer se irá convidar Mário Centeno a integrar um próximo Governo, caso vença as eleições legislativas de 6 de outubro.

“A primeira questão é saber se eu serei primeiro-ministro. Aquilo que posso dizer é que Mário Centeno é candidato a deputado, está comprometido com a atividade política, todos fazemos uma avaliação positiva do trabalho que desenvolveu. Não vou estar aqui a formar um Governo sem ter mandato para o formar. Os convites para o Governo farei quando tiver legitimidade para os fazer”, disse António Costa.

Numa alusão ao futebol, e depois de muito fintar a resposta, o atual primeiro-ministro acabou por admitir que, “quem tem de formar uma equipa, não deixa no banco, com certeza, os melhores que pode pôr a jogar“.

Os debates que irão sentar frente-a-frente os líderes partidários candidatos às legislativas arrancaram esta segunda-feira com Jerónimo de Sousa e António Costa. Nas próximas semanas, e até ao final do mês, os partidos com assento parlamentar vão discutir as suas propostas eleitorais nos canais televisivos.

Esta terça-feira, segue-se o debate político entre Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, e Assunção Cristas, do CDS, transmitido na RTP3.

Liliana Malainho LM, ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. parecia uma peça de teatro do saudoso nicolau breyner com o Herman Jose “como está Sr contente….”
    quando for com o BE deve ser mais na linha do Luis de Matos.

  2. É COM ESTES QUE PORTUGAL É GOVERNADO? Vamos cair no abismo e vamos seguir o caminho de uma Venezuela.
    Mas o que importa a esses é ter a familia na (ASSEMBLEIA FAMILIAR DO PS) e a Subvenção vitalicia que criou Mario Soares em 1995 para ajudar a familia e amigos, e assim todo o mundo aplaudiu seja de esquerda ou direita, porque estão lá pelo seu umbigo e familia…
    O POVO? CADA UM TOME CONTA DE SI….

    • Qual abismo? Qual Venezuela? A UE dará sempre a sua mãozinha…Mário Soares “sempre, ou quase sempre, fugiu a entendimentos com os Comunistas”! António Costa ficará na Historia como um percussor e um grande DEMOCRATA… “Cada um por si”? Mas à espera que os outros resolvam os seus problemas não? O POVO SÓ UNIDO CONSEGUE GRANDES FEITOS OU VITÓRIAS”! Nem tudo depende só de nós! Oxalá que não haja instabilidade Internacional, ao nível dos mercados e da PAZ…

    • Mais uma vez, disparates… ainda não foi desta que saiu um comentário teu sem mentiras e sem disparates!…
      “Estes”?
      O PCP/Jerónimo não está no governo!…
      O Soares? Em 1995?
      As subvenções foram criadas por um governo do chamado Bloco Central (PS/PSD) em 1985!!
      Não acertas uma!…
      Agora imagina se Portugal fosse governado por gente como tu!…

    • Tão péssimista? O PC nunca acabará! Quando o Jerónimo não estiver virá outro…Não há cargos vitalícios e ninguém é eterno em quaisquer partidos políticos…Uns vão outros vêm e já há vários deputados jovens na Assembleia da República…

      • “Péssimista” é de facto uma coisa linda, sobretudo com acento logo na primeira sílaba. Notável! Olhe procure lá classificar esta palavra quanto à sua acentuação!

        • Muito obrigado pela observação. E porque não? Continuar a corrigir erros ortográficos, voluntários ou involuntários, que “abundam por aí? O seu nome ou Pseudónimo são estes? “Palavra grave acentuada na primeira sílaba tónica”! Grandes de mais e até confusos não? Mas… VIVA A LIBERDADE… Muito Obrigado!

RESPONDER

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …

Clubes ingleses decidiram: não há público, acabou a época

Decisão não afeta a Premier League mas antecipa o final de quatro divisões do futebol inglês. Na época passada os campeonatos também não chegaram ao fim. Muitos dos campeonatos não-profissionais (em várias modalidades) estão parados, não …