Criminologista espanhol encontrou a “mulher de roxo” do caso Maddie

Mario Cruz / Lusa

Kate e Gerry McCann, os pais de Maddie

A polícia inglesa procurava a “mulher de roxo”, que tinha saído da Praia da Luz com o marido – um pedófilo condenado que entretanto morreu –  na mesma altura do desaparecimento de Madeleine McCann, em 2007. Um criminologista espanhol diz ter conseguido identificar o paradeiro da viúva.

Segundo o Correio da Manhã, o espanhol Heriberto Janosch Gonzalez garante ter encontrado a “mulher de roxo” que a polícia inglesa diz ser uma testemunha chave no caso do desaparecimento de Madeleine McCann, na Praia da Luz, em Lagos, em 2007.

A mulher, conhecida como “mulher de roxo“, viveria, à data do desaparecimento, na Praia da Luz, em Lagos, com o parceiro de nacionalidade alemã ou do leste da Europa, segundo especula o jornal.

O casal terá deixado de ser visto naquela que era a sua residência aquando do desaparecimento da menina inglesa, na altura com 3 anos.

A denúncia terá sido feita por Jenny Murat, mãe de Robert Murat, que chegou a ser arguido no caso e, de acordo com o The Sun, a “mulher de roxo” era casada com um homem que foi condenado por abuso sexual de menores.

Segundo o CM, o casal terá ainda sido visto por duas testemunhas chave junto ao apartamento ocupado pela família McCann.

As últimas informações davam conta de que os investigadores da Operação Grange tinham ido à Bulgária em busca da mulher. Herbierto Gonzalez, conhecido criminologista, afirma agora que identificou a mulher. Diz que se trata de Luisa Todorov, uma empregada de nacionalidade búlgara que, na altura do desaparecimento de Maddie, trabalhava no Ocean Club.

Segundo o criminologista, a mulher e o marido Stefan foram interrogados pelas autoridades portuguesas dias depois do desaparecimento de Maddie e os dois terão negado ter visto ou testemunhado alguma coisa suspeita. Depois disso, o casal terá voltado para a Bulgária e nunca mais foi visto.

O criminologista que acompanha o caso há 10 anos assegura que Luisa Todorov é a mulher que foi vista junto ao apartamento dos McCannno dia 3 de maio de 2007.

“Tenho visto, analisado e cruzado todos os documentos da investigação ao caso e parece-me que é muito provável que a mulher de roxo que a polícia inglesa procura é a Srª Todorov. São os únicos com ligações à Bulgária e isso explica porque a Scotland Yard foi lá. Não consegui encontrá-los em Portugal, por isso acredito que tenham voltado para o seu país de origem”, assegura o criminologista.

A polícia inglesa já seguiu mais de 560 linhas de investigação e até chegou a fazer escavações na Praia da Luz. Já foram gastos cerca de 13 milhões de euros na Operação Grange e o governo inglês cedeu, já este ano, mais 175 mil euros para que a investigação continue.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. A policia inglesa, ou melhor os policias que investigsm esta fantochada, apenas inventam estas coisas para se financiarem para poderem viajar as custas dos contribuintes ingleses.

  2. Porque nao investigam a mae e o pai!!!

    A mae e conhecida por boca doce, pois eera/ou e o sucesso nas festas de swingers em UK, assim como de alguns videos, que no entanto desapareceram de dogging. Sendo o marido quem filmava tudo.

    • Este governo Inglês está lutando para que estes seus cidadãos não seja culpado, espero que também venham a dar dinheiro á outros casais que negligenciarem os cuidados com os seus rebentos para irem vadiar!.

RESPONDER

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …

Voto prévio no Senado aponta para absolvição de Trump

Na terça-feira, 45 dos 50 republicanos no Senado votaram contra a continuidade do julgamento ao ex-Presidente Donald Trump, considerando inconstitucional que um chefe de Estado que já terminou o mandato seja julgado no Congresso. De acordo …

Estudo revela que um terço dos inquiridos foi vítima de violência doméstica pela primeira vez na pandemia

Quinze por cento dos inquiridos num estudo sobre violência doméstica em tempos de covid-19 reportou a ocorrência deste crime na sua casa e um terço das vítimas disse ter sido agredida pela primeira vez durante …

Portugal regista valor mais baixo de nascimentos desde 2015

Cerca de 85.500 bebés nasceram em Portugal em 2020, o valor mais baixo desde 2015, ano em que foram realizados 85.056 “testes do pezinho”, revelam dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge …

Polícia francesa acusada de usar critérios racistas em verificações de identidade

Seis organizações não-governamentais avançaram com um processo judicial contra a França por alegada discriminação racial por parte da polícia nas ações de verificação de identidade. As organizações, incluindo a Human Rights Watch e a Amnistia Internacional, …