Costa sem “medo de nada” avisa que não meteu os papéis para a reforma

António Cotrim / Lusa

O secretário-geral do PS, António Costa

“O PS não tem medo de nada”, mas não se atreve a pedir a maioria absoluta para as próximas eleições legislativas. Palavras de António Costa, num carro em andamento, em entrevista à RTP1, antes de prometer medidas para fazer regressar os emigrantes e mais limites para os contratos a termo no discurso de encerramento do 22.º Congresso do PS.

A RTP1 levou António Costa até à ExpoSalão da Batalha, numa entrevista num carro em andamento, onde o primeiro-ministro assegurou que “o PS não tem medo de nada“. Apesar disso, Costa não se atreve a pedir a maioria absoluta nas próximas legislativas.

“Não temos a ilusão de que são os políticos e aquilo que os políticos fazem que determina o resultado das eleições”, salientou Costa nesta entrevista à RTP. Mas é certo que o PS tem o “desejo de ganhar” e de “ter o melhor resultado eleitoral possível“, como todos os partidos, frisa o líder socialista.

Costa abordou ainda a polémica em torno do ministro-adjunto Pedro Siza Vieira, salientando que não vê problemas na sua continuidade no cargo. “O lapso só foi detectado porque ele próprio o comunicou ao Tribunal Constitucional”, frisa, concluindo que “não teve qualquer consequência”, já que a empresa familiar a que pertenceu “não teve qualquer actividade” e que ele “não praticou qualquer acto de gestão”.

“Aviso já que não meti os papéis para a reforma”

No discurso de encerramento do 22.º Congresso Nacional do PS, António Costa dirigiu-se, essencialmente, aos jovens, anunciando várias medidas para o próximo Orçamento de Estado, e deixou um alerta à concorrência interna.

“Aviso já que não meti os papéis para a reforma“, salientou o líder socialista, apontando o foco para as próximas três eleições – Europeias, Madeira e Legislativas.

O secretário-geral do PS anunciou também que o Orçamento do Estado para 2019 vai ter como “uma das principais prioridades” o apoio ao regresso dos portugueses que emigraram no período de crise económico-financeira entre 2010 e 2015.

“Temos de criar condições únicas e extraordinárias para que os que partiram e pretendam voltar a Portugal tenham condições para regressar ao país”, referiu, prometendo que o Governo vai “adoptar um programa que fomente o regresso dos jovens”.

Mais limites para contratos a termo

António Costa dedicou grande parte do seu discurso de encerramento às políticas que tenciona adoptar para a inserção das gerações entre os 20 e os 30 anos no mercado de trabalho.

Assim, anunciou uma proposta para limitar os contratos a termo, sobretudo para jovens no primeiro emprego, frisando que “ser candidato a primeiro emprego não significa ser candidato a emprego precário” e que a “idade não rima com precariedade”.

Nesta fase do seu discurso, António Costa prometeu também bater-se por uma via de convergência salarial com a União Europeia e advertiu os empresários, deixando-lhes o recado de que só podem ser competitivos no futuro, em mercado aberto, se possuírem quadros qualificados.

E para terem quadros qualificados é preciso pagar“, avisou, antes de lançar um desafio aos parceiros sociais.

“Precisamos de um grande acordo de concertação social para a conciliação entre a vida profissional e familiar”, notou, referindo que precisamos de “uma nova geração com mais confiança no seu futuro e com melhores condições para constituir família”.

António Costa manifestou-se também confiante de que o seu partido poderá vencer pela primeira vez as eleições regionais da Madeira, num discurso em que elogiou os quadros da geração mais nova dos socialistas.

“Chegou a hora de termos a ambição de Governar a Região Autónoma da Madeira, provando que também ali somos capazes de uma excelente governação”, salientou, manifestando a certeza de que Paulo Cafôfo vai “ganhar as eleições em nome do PS”.

Sem apontar metas concretas para as próximas legislativas, notou que nas eleições para o Parlamento Europeu, a ambição é aumentar a dimensão do triunfo por curta margem que o PS registou no acto eleitoral de 2014, então sob a liderança de António José Seguro.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Costa está com medo do Pedro Nunes Santos que o pôs de pernas a tremer.
    O pedronunismo tem um plano para levar o PS para a extrema esquerda e para seguir a Ditadura do Proletariado. Ditador já há.

  2. Eu tenho medo deste idiota e da comandita que com ele anda.
    Se continuarem desta maneira, a fazer de conta (ou a não perceberem!) que tudo está bem atirando os problemas para de baixo do tape, mais cedo do que tarde a situação no pais ficara irremediavelmente terrível. Com problemas económico e sociais que só ao fim de algumas gerações será resolvido…

    • as pessoas que nao se deixem ir porque o que se passa e que ja nao ha dinheiro para nada , e o discursso ate as eleicoes vai ser que tudo vai bem, vai acontecer o mesmo que aconteceu ao socrates que levou o pais a banca rota

  3. Gostei muito do espetáculo. Sobretudo da enorme salva de palmas aos que honraram as funções que exerceram em Portugal para proveito próprio. E para esta seita… isso nem parece ser um problema.

RESPONDER

Gestor de redes sociais do Chega suspenso pelo Twitter

O gestor das redes sociais do Chega viu a sua conta pessoal ser suspensa pelo Twitter. Na semana passada, apresentou-se em tribunal devido ao processo movido pela família do Bairro da Jamaica. "Falta muito mato para …

Redução nas portagens implica impacto de 160 milhões por ano, diz Governo

O Governo disse esta segunda-feira que a redução de portagens, a partir de 01 de julho, implica um impacto de 160 milhões de euros por ano e, se for considerado todo o período de concessões, …

França, Espanha e Alemanha chegam a acordo para novo sistema de combate aéreo

A França, a Espanha e a Alemanha chegaram a um acordo sobre a nova fase de desenvolvimento do Futuro Sistema de Combate Aéreo (SCAF, na sigla em francês), após negociações intensas entre os três países, …

Legionella. Empresas chegam a acordo com 57 das 58 vítimas assistentes no processo

As empresas arguidas no processo do surto de legionella que ocorreu em Vila Franca de Xira, em 2014, chegaram a acordo com 57 das 58 vítimas que se constituíram assistentes no processo. A informação foi avançada …

Plásticos do Reino Unido são enviados, despejados e queimados na Turquia

Uma investigação levada a cabo por ativistas ambientais da Greenpeace descobriu plástico do Reino Unido despejado e queimado no sul da Turquia. Os investigadores da Greenpeace, uma organização ambientalista internacional, documentaram pilhas de plástico despejadas ilegalmente …

BE apresenta projeto de lei para criminalizar "terapias de conversão" de orientação sexual

O Bloco de Esquerda (BE) apresentou um projeto de lei que prevê penas de prisão até três anos ou multas para quem promova "procedimentos que visem alterar a orientação sexual de outra pessoa, identidade ou …

Madeira suspende vacinação devido a embalagens da Pfizer com sinais de humidade

A campanha de vacinação contra a covid-19 foi interrompida esta segunda-feira na Madeira porque algumas embalagens das vacinas da Pfizer apresentaram sinais de humidade externa, anunciou o Governo Regional. “Informamos que a campanha de vacinação contra …

Catarina Martins defende presunção de inocência de Luís Monteiro e fala da "situação insustentável" de Cabrita

A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou que as denúncias de violência doméstica nunca devem ser desvalorizadas, mas defendeu a presunção de inocência do deputado bloquista Luís Monteiro. Além disso, considerou a situação de Eduardo …

Dermatologistas dizem que 90% das mortes por cancro de pele podem ser evitadas

A Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC) alerta para o facto de 90% das mortes por cancro de pele serem evitáveis, sublinhando que os custos em tratamento para os serviços de saúde rondam os 20 …

Especialista considera possível "largar as máscaras" antes de julho. Há 85 concelhos com zero casos de covid-19

A maior parte dos concelhos em Portugal encontra-se abaixo do limiar de risco e 85 contam mesmo zero casos. Para o virologista Pedro Simas, é possível que as máscaras deixem de ser utilizadas ainda antes …