Costa recusa polémicas no TdC. Fixou com Marcelo critério da não renovação deste tipo de cargos

Manuel de Almeida / Lusa

O primeiro-ministro afastou esta terça-feira qualquer polémica associada à não recondução de Vítor Caldeira no cargo de presidente do Tribunal de Contas (TdC).

António Costa afirmou que Governo e Presidente da República fixaram o critério de não haver renovação de mandato para cargos de natureza judiciária, aplicando-se tanto ao presidente Tribunal de Contas como à procuradora-Geral da República (PGR).

António Costa transmitiu esta posição depois de questionado pelos jornalistas sobre as razões que levam o Governo e não reconduzir Vítor Caldeira,

“A lei, de facto, não impede e renovação, mas o atual Governo e o atual Presidente da República definiram um critério para funções de natureza judiciária – funções que dependem de proposta do Governo e de nomeação do chefe de Estado -, aquando da nomeação da procuradora Geral da República”, declarou o primeiro-ministro.

Por isso, de acordo com António Costa, “seria estranho que, pouco tempo, depois se mudasse de critério” com a escolha do novo presidente do TdC.

“Aí é que haveria motivo para suspeitar de ter sido adotado um critério para a procuradora Geral da República e outro para o presidente do Tribunal de Contas”, continuou.

“Poderia dizer-se que os critérios eram fixados à medida do cargo e da personalidade. Um critério é um critério, bom ou mau. Eram possíveis outros? Claro que eram. Mas este foi o critério que o Governo e o Presidente da República fixaram”, frisou o líder do executivo em declarações aos jornalistas, depois de ter discursado na sessão evocativa do centenário do nascimento de Amália Rodrigues no Panteão Nacional, em Lisboa.

Questionado pelos jornalistas com o facto de Guilherme d’Oliveira Martins ter ocupado o cargo de presidente do TdC durante 10 anos, António Costa voltou a lembrar o exemplo da antiga PGR Joana Marques Vidal e a garantir que o conceito de mandato único era partilhado com Marcelo Rebelo de Sousa.

Relativamente ao facto de Vitor Caldeira não ser reconduzido depois de o TdC ter emitido um parecer crítico sobre as novas regras da contratação pública, António Costa voltou a afastar polémicas, dizendo que o documento em causa era deste órgão como um coletivo e não do seu presidente. Disse ainda que não conhecia o conteúdo do parecer à data da decisão e que a data final de mandato de Vitor Caldeira era há muito conhecida.

O primeiro-ministro recordou ainda que o Governo podia ter legislado sobre a questão sem o crivo da Assembleia da República, mas entendeu que as novas regras deviam merecer discussão e um consenso alargado do Parlamento.

“A Assembleia deve poder a legislar. Precisamos da máxima transparência com a mínima burocracia. E é saudável que a Assembleia da República, em função disso, faça a melhor lei”, disse ainda o líder do Executivo.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “António Costa afirmou que Governo e Presidente da República fixaram o critério de não haver renovação de mandato para cargos de natureza judiciária”

    António Costa já está a cumprir o seu segundo mandato e Marcelo para la vai!

    Olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço …

  2. O Costa não quer ver o que todos veem. Mas enfim, já era assim no tempo do 44, em que o Costa era o braço direito do ladrão e ainda assim “parece” que nunca se apercebeu de nada…

RESPONDER

SEF com 18 casos de exploração de imigrantes na agricultura na região Oeste

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) tem em investigação 18 casos associados a auxílio à imigração ilegal, angariação de mão-de-obra ilegal e tráfico de pessoas em explorações agrícolas da região Oeste desde 2017. Questionado pela …

Carlos Costa compara venda do Novo Banco a cabaz de fruta "parcialmente apodrecida"

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, considerou que o processo de venda do Novo Banco, em 2017, foi como alienar "um cabaz de fruta que está parcialmente apodrecida". "A questão é sempre a …

Irmãos presos injustamente durante 31 anos recebem 75 milhões de dólares

Henry McCollum e Leon Brown estiveram presos durante mais de 30 anos por um crime que não cometeram. Foram detidos em 1983 e condenados à pena de morte pela violação e homicídio de uma criança. …

"Há ali algumas coisas em que tem razão". Rui Rio concorda com críticas de Alberto João Jardim

Alberto João Jardim defendeu que o PSD nacional tem de "acordar" e "mudar já". Rui Rio ouviu o antigo governante madeirense "com atenção" e considera que tem razão. No artigo de opinião no jornal da Madeira …

Votar contra a reforma das Forças Armadas seria "uma contradição muito grande", diz Rio

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, afirmou esta segunda-feira que seria uma "contradição muito grande" votar contra a reforma das Forças Armadas, defendida pelo partido "há anos", só porque foi apresentada pelo …

Testes da vacina da Sanofi-GSK mostram eficácia do composto

Os testes preliminares da vacina contra a covid-19 da Sanofi e GalxoDmithKline demonstraram eficácia nos grupos de adultos inoculados pelos cientistas responsáveis pela Fase 2 do processo. Após as duas doses da vacina, os testes realizados …

Gestor de redes sociais do Chega suspenso pelo Twitter

O gestor das redes sociais do Chega viu a sua conta pessoal ser suspensa pelo Twitter. Na semana passada, apresentou-se em tribunal devido ao processo movido pela família do Bairro da Jamaica. "Falta muito mato para …

Redução nas portagens implica impacto de 160 milhões por ano, diz Governo

O Governo disse esta segunda-feira que a redução de portagens, a partir de 01 de julho, implica um impacto de 160 milhões de euros por ano e, se for considerado todo o período de concessões, …

França, Espanha e Alemanha chegam a acordo para novo sistema de combate aéreo

A França, a Espanha e a Alemanha chegaram a um acordo sobre a nova fase de desenvolvimento do Futuro Sistema de Combate Aéreo (SCAF, na sigla em francês), após negociações intensas entre os três países, …

Legionella. Empresas chegam a acordo com 57 das 58 vítimas assistentes no processo

As empresas arguidas no processo do surto de legionella que ocorreu em Vila Franca de Xira, em 2014, chegaram a acordo com 57 das 58 vítimas que se constituíram assistentes no processo. A informação foi avançada …