Costa anuncia programa de emergência e assegura que não há “crise, mini-crise ou nano-crise”

António Pedro Santos / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

António Costa enterra, de vez, a polémica em torno de Mário Centeno, numa entrevista à CMTV, onde garante que “não há crise política”, mas sim “uma crise de saúde pública muito grande”. E para fazer face às suas consequências económicas e sociais, o primeiro-ministro anuncia um programa de emergência.

Na entrevista à CMTV, na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, António Costa revela que o Governo vai iniciar a partir do final da próxima semana o processo para lançar um programa de emergência económico e social com o objectivo de dar uma resposta estruturada à crise.

“Entre o final da próxima semana e o princípio da seguinte, iremos iniciar as consultas para o desenho de um programa de emergência económico e social”, sustenta Costa.

Sublinhando que, ao longo dos dois últimos meses, o Governo foi obrigado a “reinventar muitas coisas, desde a simplificação do regime de ‘lay-off’, até à criação de moratórias e de novas linhas de crédito”, o primeiro-ministro destaca que, agora, “começamos a chegar àquela fase em que se pode ter maior solidez no cenário da evolução da economia e em desenhar medidas concretas que permitam rapidamente estancar a hemorragia, reanimar as empresas, consolidar o emprego e lançar as bases para um programa de recuperação económica quando houver condições para poder ser lançado”.

Costa alerta que “vamos ter dois anos de combate à crise”, mas está certo de que “vamos sair dela mais fortalecidos”.

“Não há crise política”

Tema que não podia deixar de ser abordado na entrevista da CMTV é a polémica da “falha de comunicação” com Mário Centeno, no caso da transferência de 850 milhões de euros para o Novo Banco. “Como o senhor ministro das Finanças disse, não há crise, está tudo ultrapassado”, garante Costa.

“Não há crise, nem mini-crise ou nano-crise”, reforça, frisando que “não há crise política”, mas que, “infelizmente, temos uma crise de saúde pública muito grande” e “uma crise económica e social muito grave e é nessas que nos temos de concentrar e dar resposta”, constata.

“Não vale a pena perdermos mais tempo com um assunto que é um não assunto”, afirma Costa, encerrando a polémica e realçando que mantém com Centeno “uma relação pessoal, de amizade, e como em tudo na vida há coisas que correm menos bem“. “Já foi assumida a falha de comunicação, está ultrapassada”, conclui.

“Momento mais difícil foi fechar as escolas”

Confrontado com qual foi o pior momento que enfrentou, nestes dois meses de pandemia, Costa começa por desabafar que este período lhe parece mais “uma eternidade”.

“O momento mais difícil foi a 12 de Março, quando tive de anunciar a decisão de fechar as escolas”, confessa.

Não tive o suporte científico e tive de arriscar. Um primeiro-ministro tem de assumir riscos, as pessoas perceberam bem a decisão e foi importante, mas foi difícil”, diz ainda.

Sobre a reabertura das escolas na segunda-feira, 18 de Maio, Costa nota que os estabelecimentos “receberam mais de quatro milhões de máscaras e milhões de litros de gel” para garantir condições de higiene e segurança. “Só as Forças Armadas teriam a capacidade de uma operação logística destas”, frisa.

Quanto à reabertura dos restaurantes, Costa admite que “a lotação de 50% é uma grande limitação, mas nesta fase é importante para que as pessoas tenham confiança”. “Vamos avaliar na próxima quinzena como podemos flexibilizar”, refere.

“Vi na Autoeuropa uma solução com dois separadores de acrílico em cima da mesa, que nos restaurantes pequenos permitiria estarmos frente a frente, cada um a comer o seu bife, sem nos contaminarmos um ao outro”, acrescenta.

“Temos de ser polícias de nós próprios”

Costa assegura também que, este ano, vai de férias. “No Verão temos sempre uma perturbação que são os incêndios e que nem sempre nos deixam tranquilos, mas espero ir de férias”, realça.

Sobre as limitações e regras para o acesso às praias, o primeiro-ministro sublinha que “não é uma questão de boa vontade”, mas “de responsabilidade”. “Não podemos ter um polícia ao lado das pessoas em cada praia, temos de ser polícias de nós próprios“, alerta, frisando que confia nos portugueses. “Se foram capazes de sacrificar a liberdade em dois meses vão agora deitar tudo a perder e não saber estar na praia com civismo”, questiona em jeito de conclusão.

Quanto à possível realização da Festa do Avante, o primeiro-ministro começa por notar, entre risos, que não vai marcar presença.

“A Assembleia da República está a discutir uma proposta do Governo e o PCP também vai tomar uma decisão no momento próprio, mas há actividades que o Estado tem direito de proibir e outras não, como a actividade política”, defende.

“Já não há estado de emergência, pode-se fazer um comício desde que se cumpram regras. Também não podemos proibir actividades religiosas, desde que cumpram as normas de segurança”, afiança admitindo, assim, que a Festa do Avante pode acontecer.

Costa também nota que teve “muito gosto de anunciar que os portugueses podem finalmente estar com os familiares nos lares e também participar nas cerimónias fúnebres”.

Tem sido um período muito difícil, com momentos muito difíceis”, assume na certeza de que, no fim disto tudo, lhe “vão apresentar a factura” pelas decisões que tomou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Quim Torra acusa Governo espanhol de tentar "excluir um presidente no meio de uma pandemia"

Um recurso do presidente separatista catalão Quim Torra contra uma condenação por desobediência que pode afastá-lo do exercício de cargos públicos durante ano e meio foi analisado na quinta-feira pelo Supremo Tribunal de Espanha. Antes …

Cinco anos depois, Volkswagen nega reembolso a 125 mil portugueses lesados

A marca alemã Volkswagen respondeu à Deco Proteste, cinco anos após o caso "dieselgate", informando que não irá indemnizar mais consumidores, tendo em vista os processos judiciais em curso. Segundo noticiou esta sexta-feira a Madremedia, em …

Novo recorde em cinco meses. Mais 780 casos por covid-19 em Portugal

Portugal regista mais seis mortos e 780 casos de infeção por covid-19 esta sexta-feira, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Os números revelados no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde …

"Podemos chegar a 1.000 novos casos por dia". Costa pede cautela

No final da reunião de emergência com o gabinete de crise para o acompanhamento da evolução da covid-19 em Portugal, Costa deixou conselhos e pediu cautela. A reunião, convocada na quinta-feira por António Costa, surgiu …

13 de Outubro em Fátima "sim, mas sem peregrinos". Delegada de Saúde espera que a Igreja se "porte bem"

A delegada de Saúde Pública do Médio Tejo defende que as cerimónias religiosas do 13 de Outubro no Santuário de Fátima decorram "sem peregrinos", esperando que a Igreja se porte "tão bem" como aquando do …

Espanha acusa hackers chineses de roubarem informações de vacina contra coronavírus

O Centro Nacional de Inteligência (CNI) espanhol argumenta que hackers chineses terão, alegadamente, acedido a informações confidenciais sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus. A diretora do CNI, Paz Esteban, alerta para um aumento …

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …