Coronavírus está a afetar o fornecimento de sangue nos EUA

Nos Estados Unidos, a cadeia de fornecimento de sangue está sob ameaça do novo coronavírus. Vários pacientes precisam de transfusões de sangue.

O coronavírus, que causa a doença Covid-19, criou uma enorme ansiedade, incerteza e perturbação nas nossas vidas. Muito já foi escrito sobre a possível escassez de medicamentos e máscaras, mas pouco foi dito sobre algo que apenas nós podemos fornecer: sangue que salva vidas.

O fornecimento de sangue do nosso país é essencial para a segurança dos cuidados de saúde. Transfusões de sangue são parte integrante de grandes cirurgias. O sangue é usado no tratamento de doenças, particularmente anemia e alguns tipos de cancro. É necessário sangue para as vítimas que sofram ferimentos causados por acidentes ou desastres naturais. Todos os dias, os EUA precisam de 36.000 unidades de glóbulos vermelhos, 7.000 unidades de plaquetas e 10.000 unidades de plasma.

A escalada da crise nos serviços de saúde com o coronavírus, deixa a professora norte-americana Anna Nagurney profundamente preocupada com o facto de a cadeia de fornecimento de sangue dos EUA estar sob stresse. O momento dificilmente poderia ser pior; o surto de Covid-19 coincide com as gripes e constipações sazonais.

Pacientes precisam de sangue

Muitos estados, incluindo Washington, Califórnia, Kansas, Pensilvânia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Massachusetts e Rhode Island, estão agora a pedir doações de sangue. Ao mesmo tempo, alguns estados estão a fechar escolas e outros sites que normalmente hospedam unidades de sangue móveis; mesmo antes do coronavírus, alguns eventos foram cancelados.

Em Massachusetts, a Cruz Vermelha anunciou em setembro passado que não hospedaria mais unidades de sangue nas partes central e oeste do estado. Obviamente, isto torna ainda mais difícil para as pessoas doarem.

Mesmo nas melhores épocas, menos de 10% da população dos EUA doa sangue num determinado ano, embora 38% sejam elegíveis. E estes não são os melhores tempos. Além de doações, não há como manter um fornecimento suficiente de sangue. Ele não pode ser fabricado e nenhum substituto foi inventado.

Além de mais, é perecível. Os glóbulos vermelhos duram 42 dias e as plaquetas apenas cinco. A reposição regular do fornecimento é imperativa. Além disso, o setor de bancos de sangue já enfrentava grandes desafios antes do Covid-19; a cadeia de fornecimento dos EUA está a atravessar grandes transformações económicas. Isto inclui aumento da concorrência entre as organizações de serviços de sangue.

A nossa cadeia de fornecimento de sangue é incrivelmente complexa. Requer doações altruístas, recolha, testes, processamento e distribuição para hospitais e centros médicos. Ao longo do caminho, o coronavírus pode interromper qualquer uma destas etapas essenciais.

Se os doadores estão doentes, eles não podem doar; se a equipe estiver doente, não poderá recolher, testar e processar. Se os profissionais de saúde estiverem comprometidos, eles não poderão fazer transfusões.

Um estudo recente sobre a cadeia de fornecimento de sangue oferece algumas soluções possíveis. Os investigadores desenvolveram um modelo de rede de cadeia de fornecimento competitivo e de vários níveis para o setor, focado nos Estados Unidos.

O modelo abordou o cenário muito relevante de um grande surto de doença acompanhado por quedas significativas de doadores e diminuição da capacidade devido a testes, processamento e armazenamento limitados. A ferramenta baseada revela que as organizações de serviços de sangue podem ganhar ao cooperar em vez de competir.

Na China, onde o coronavírus teve origem, as doações de sangue secaram. Os seus profissionais médicos, já sob grande stresse, estão a tentar assumir a responsabilidade doando o seu próprio sangue.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Violino põe em risco compromisso da Alemanha de devolver objetos saqueados pelos nazis

Um violino com 300 anos está no centro de uma disputa que ameaça minar o compromisso da Alemanha em devolver objetos saqueados pelos nazis. Ninguém sabe por que Felix Hildesheimer, um negociante de instrumentos musicais judeu, …

Consumo de álcool aumentou durante a pandemia de covid-19

Embora o consumo de álcool tenha aumentado mais entre os jovens, os adultos mais velhos, sobretudo os que sofrem de ansiedade e depressão, também revelaram estar dentro desta tendência. “O aumento do consumo de álcool, especialmente …

Alphabet diz adeus ao Loon, projeto que queria espalhar Internet através de balões

O projeto da Alphabet que tinha como objetivo levar Internet às partes mais remotas do mundo "perdeu o fôlego" e os seus responsáveis decidiram pôr-lhe um ponto final. Num comunicado divulgado na última sexta-feira, Alastair Westgarth, …

Estudo identifica cidades europeias com maior mortalidade devido à poluição do ar

Madrid, Antuérpia e Torino (em Espanha, Bélgica e Itália, respetivamente) lideram o ranking de mortes associadas à poluição por dióxido de azoto (NO2). Já a maior mortalidade atribuível a partículas finas é encontrada em cidades …

Fim do Flash Player colapsou sistema de estação ferroviária chinesa

O sistema ferroviário na cidade de Dalian, no nordeste da China, ficou paralisado por causa da desativação do programa Flash Player da Adobe. A Adobe encerrou o suporte técnico do seu player de multimédia Flash Player …

Eis o que o mundo pode aprender com o confinamento da China

O confinamento na China tem apresentado resultados excecionais no controlo da pandemia, à custa da perda de liberdade das pessoas. Ainda assim, há muito que se pode aprender com o exemplo chinês. Colocar o autoritarismo contra …

Descoberto fármaco "100 vezes mais potente" contra a covid-19 (e "nasceu" das seringas-do-mar)

Uma equipa internacional de investigadores descobriu um medicamento antiviral que é "100 vezes mais potente" do que o remdesivir no tratamento da covid-19. Trata-se de um fármaco usado para tratar um cancro sanguíneo, que só foi …

Covid-19. Fortuna das dez pessoas mais ricas pagaria vacina para toda a população mundial

A riqueza combinada dos dez homens mais ricos do mundo subiu em cerca de 540 mil milhões de dólares (445 mil milhões de euros) durante a pandemia, de acordo com um relatório da organização internacional …

Farmacêuticas pouco preparadas para próxima pandemia, alerta relatório

As maiores empresas farmacêuticas do mundo estão pouco preparadas para a próxima pandemia, apesar da crescente resposta à covid-19, alertou um relatório da Access to Medicine Foundation, divulgado esta terça-feira. Neste relatório, Jayasree K Iyer, diretora executiva …

Um em cada três infetados com covid-19 é assintomático

Investigadores sugerem, com base numa revisão de 61 estudos, que uma em cada três pessoas infetadas com o novo coronavírus é assintomática. Uma em cada três pessoas infetadas com covid-19 não sabe que tem o novo …