Contribuintes já pagaram 14,6 mil milhões para salvar bancos

Nuno Fox / Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno

Os encargos dos contribuintes com o salvamento e a ajuda aos bancos ascendem já a 14,6 mil milhões de euros, no período que vai de 2008 a 2016. A fatura ainda não está fechada.

No período entre 2008 e 2016 as ajudas à banca – sem contar os ganhos que o Estado obteve -, custaram o equivalente a 8% do PIB, segundo as contas do Diário de Notícias.

Só em juros, o Estado terá desembolsado 1,8 mil milhões de euros, uma vez que pediu dinheiro emprestado aos mercados para apoiar a banca.

No entanto, o Estado terá ganho algum dinheiro com as ajudas prestadas (juros e dividendos), mas não o suficiente. Em termos brutos, nos nove anos em análise, gastou 20,8 mil milhões de euros (11% do produto interno bruto, PIB) em despesas de capital e correntes. Conseguiu recuperar 6,2 mil milhões de euros (3% do PIB).

Em nove anos, as únicas duas operações que deram dinheiro até agora foram as ajudas ao BCP (receita líquida de 211,4 milhões de euros) e ao BPI (167,5 milhões).

Assim, o custo líquido imputado aos contribuintes é muito elevado e ascende aos 14,6 mil milhões de euros (8% do PIB), o equivalente a quase seis vezes o valor do défice estimado para este ano.

O Tribunal de Contas sublinha o encargo elevado que “o esforço financeiro resultante das intervenções públicas, destinadas a apoiar o sistema financeiro nacional no seguimento da crise financeira internacional iniciada em 2007” representou para o “erário público”.

Além disso, acrescenta, “o peso dos encargos diretos variou de ano para ano entre um mínimo de 0,1% das necessidades de financiamento da Conta Geral do Estado em 2011 e um máximo de 6,3% em 2012″.

2016 salientou-se por ser o ano com valor e esforço mais baixo desde 2011, no entanto, há que ter em conta que aquele ano foi uma exceção já que não foi necessário apoiar qualquer banco.

O que não terá acontecido noutros anos. Em 2014 faliu o BES, em 2015 o Banif e em 2017 foi a vez de a CGD receber uma enorme injeção de capital, mas como foi financiada com dívida, o défice deverá ficar a salvo.

O BPN, por sua vez, vai continuar a ser a maior dor de cabeça dos contribuintes, já que é, até mesmo pior que o BES, a herança mais pesada da crise financeira, devido ao volume generoso de garantias estatais dadas aos negócios do banco (muitos deles ruinosos) na sequência da sua nacionalização, em 2008 pelo governo PS de José Sócrates e Fernando Teixeira dos Santos, o ministro das Finanças na altura.

Segundo as contas do Tribunal de Contas citadas pelo DN, o BPN, um banco de pequena dimensão, já custou aos bolsos dos contribuintes 3,7 mil milhões de euros nos nove anos sob análise.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Off course quem paga sempre são os contribuintes = Povo trabalhador. Quer seja direta quer seja indiretamente. Estes politicos / governantes são uns corruptos, ladroes da pior espécie.

  2. Seria interessante que o estado publicasse uma listagem com os bancos a quem foi emprestado dinheiro dos contribuintes, com o valor total, e o plano de amortizações, bem como a listagem dos bancos que não recorreram desses dinheiros.

    • Seria interessante muito mais transparencia do que isso mas já é um começo. Com a Internet as pessoas pelo menos já começam a perceber umas coisas.

  3. Um Estado e um Governo de BANDIDOS.
    Com que fundamento legal, o Estado tira aos cidadãos dinheiro, para capitalizar empresas privadas onde houve roubo e corrupção ? Lá vem o fantasma do “risco sistémico”…

    • O senhor não sabe que muitos dos que estão no desgoverno já estiveram nos bancos ou tiveram lá amigos? Que precisam dos bancos para quando deixarem o desgoverno irem para lá ganhar o deles? Eles só vão ao bolso do pequeno e sempre assim foi!!

RESPONDER

Rio de Janeiro vai ter "réveillon" com espetáculos e fogo de artifício (mas sem público)

O Rio de Janeiro encerrará 2020 com espetáculos e concertos ao vivo em seis palcos montados na cidade brasileira, mas aos quais o público não terá acesso devido à pandemia. Apenas poderá vê-los nas redes …

GP de Portugal. Há 14 casos de covid-19 em equipas de Fórmula 1

Em conferência de imprensa, a Proteção Civil do Algarve revelou que foram identificados 14 casos de covid-19 entre pilotos e staff de equipas da Fórmula 1 que estiveram em Portimão. Foram identificados 14 casos de covid-19 …

Islâmicos "têm o direito" de matar franceses. Twitter retira comentário de ex-primeiro-ministro da Malásia

A rede social Twitter retirou um comentário controverso do antigo primeiro-ministro malaio ​​​​​​​Mahathir Mohamad, relativo ao debate desencadeado pelas palavras do Presidente francês, Emmanuel Macron, sobre o islão. Numa série de mensagens, em que Mahathir Mohamad …

Governo pondera decretar recolher obrigatório e restrições em mais municípios

O Governo está a avaliar avançar com o recolhimento obrigatório e alargar as restrições impostas em Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada a mais municípios, recusando, no entanto, um novo confinamento geral, disse hoje o …

Gigante americana Walmart retira (temporariamente) armas e munições das prateleiras

A gigante de distribuição norte-americana Walmart decidiu retirar temporariamente armas e munições das prateleiras das suas lojas, anunciou na quinta-feira um porta-voz da cadeia. A medida preventiva foi tomada a cinco dias de uma eleição presidencial …

BE afasta para já estado de emergência e defende requisição civil na saúde

A coordenadora do BE afastou para já a necessidade de um novo estado de emergência e defendeu que o Governo utilize toda a capacidade instalada na saúde, se necessário recorrendo à requisição civil dos setores …

Sismo de magnitude 7 abala Turquia e Grécia e provoca mini-tsunami. Pelo menos 4 pessoas morreram

Quatro pessoas morreram no oeste da Turquia, depois de um forte terramoto de magnitude 7 atingir o Mar Egeu na tarde desta sexta-feira. O abalo derrubou edifícios em áreas costeiras e fez pelo menos 120 …

EDP desiste de processo contra o Estado, mas vai levar tarifa social a Bruxelas

A EDP desistiu da litigância judicial com o Estado sobre a contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE), mas vai pedir à Comissão Europeia uma análise sobre o mecanismo de financiamento da tarifa social a …

"Fora com os pretos". Universidades e escolas de Lisboa vandalizadas com mensagens racistas

Várias universidades e escolas secundárias da região de Lisboa foram vandalizadas com mensagens de teor racista e xenófobo. "Viva a Europa Branca" ou "Fora com os pretos" são algumas das frases escritas. Várias pessoas denunciaram esta …

Preços das casas não baixam porque há Fundos a comprar tudo

Apesar de estarmos em plena crise pandémica, os preços das casas não têm sofrido uma baixa significativa. Uma realidade que se pode explicar pelo interesse de alguns Fundos na aquisição de imóveis, com a perspectiva …