/

Confinamento ao fim de semana é pouco eficaz, diz estudo

4

Manuel Fernando Araújo / Lusa

Um novo estudo avaliou as medidas aplicadas em Portugal contra a covid-19, e chegou à conclusão que o impacto da inibição de circulação entre concelhos não é assim tão eficaz. Pelo contrário, optar pelo ensino online seria a melhor opção.

Muito se tem falado da eficácia das últimas medidas aplicadas no país contra a covid-19. O mais eficaz seria que toda a circulação de pessoas fosse condicionada, porém esta opção seria catastrófica para a economia, como já têm vindo a realçar alguns especialistas.

De acordo com o Expresso, uma equipa de analistas de dados da consultora PSE calculou, com base nas decisões impostas pelo Governo até ao momento, e que se deverão prolongar nas próximas semanas, quais seriam as medidas mais eficazes a aplicar em contexto de pandemia.

O estudo, que monitorizou os meios de deslocação via aplicação móvel de um painel de 3670 indivíduos, concluiu que as restrições ao comércio podem não ser muito eficazes.

“Com a imposição de restrições horárias a pontos comerciais não se espera que tenha um impacto significativo na mobilidade”, asseguram os especialistas, que aconselham, em vez disso, estabelecer restrições horárias das compras por segmentos etários.

Segundo o estudo, medidas como o confinamento total, mesmo quando aplicado apenas a concelhos com contágio elevado, ou o trabalho alternado por equipas, não são eficazes porque, embora promovam a contenção do contágio, são as que acarretam um impacto económico mais negativo, “gerador de desemprego estrutural”.

A equipa de peritos apurou ainda que a inibição de circulação entre concelhos e o recolhimento obrigatório às 13h aos fins de semana são medidas de eficácia média.

Neste último caso, foi possível perceber que a medida tem um efeito na pandemia “relativamente baixo, dado o perfil de mobilidade da população durante a semana”.

A conduta sugerida pelo estudo, defende as aulas online para alunos do 3º ciclo ou do ensino superior. Mesmo que o ensino presencial seja considerado pelo Governo e pela OMS como essencial, neste estudo, esta decisão é tida como a que “menor entropia cria à atividade económica”, ao mesmo tempo que limita o movimento “de uma parte significativa da população portuguesa (cerca de 12%)”, explica a consultora.

Também o teletrabalho obrigatório e a limitação da lotação dos transportes públicos são consideradas medidas com “impacto significativo no controlo da pandemia, e simultaneamente, um resultado reduzido na economia”.

  ZAP //

4 Comments

  1. Restringir horários e circulação depois das 13h é só estúpido. As pessoas apinham-se todas de manhã nos mesmos sítios, e perdem muito mais tempo em filas e por isso estão muito mais tempo juntas e em risco do que seria o normal.

  2. F***-*, é preciso fazer um estudo?
    Só quem não andar neste mundo e esteja enfiado nos gabinetes a fazer leis desta natureza, é que não vê isso. Bando de iluminados, é que o vírus tira férias durante a semana e só ataca ao fim de semana a partir das 13:00 horas. Vai ser bonito quando o povo que trabalha toda a semana e ficar proibido de descontrair um pouco ao final de semana após uma semana de trabalho, com todo o sofrimento físico e psicológico daí associado, verificar que estas medidas estúpidas e paradoxais, não surtem qualquer efeito e de nada valeram. Em minha opinião é primeiro passo para a descrença em qualquer nova medida posterior, bem como o desrespeito por elas.

  3. para que que este governo aplica estas medidas .
    os numeros aumentam na mesma com ou sem elas .
    mais valia o Governo reforçar o serviço Nacional de Saude com os meios Necessarios .
    pedir que todas as camras municipais façam o seu proprio plano de estado de emergencia ou ate mesmo Cerca sanitaria se for preçiso

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.