Cidade do México enterrou os rios para prevenir doenças, mas a covid-19 resiste e prospera

Na tentativa de evitar a disseminação de doenças como a malária e a cólera, a Cidade do México enterrou os seus rios. Agora, como consequência, criou inadvertidamente as condições necessárias para a covid-19 prosperar.

A Cidade do México é uma bacia de poeira, uma megametrópole poluída onde respirar é difícil. Mesmo antes da pandemia do covid-19 começar a invadir a capital mexicana, os moradores usavam máscaras regularmente durante as frequentes emergências de qualidade do ar.

Agora, a séria poluição do ar da Cidade do México – que contribui para altas taxas de doenças respiratórias e cardiovasculares – está a tornar os 21 milhões de habitantes da região metropolitana mais vulneráveis ao coronavírus.

A Cidade do México nem sempre foi um desastre ecológico e sanitário. Como o centro do império asteca, era verdejante e diversificada. No final do século XX, 45 rios corriam pela capital mexicana.

A decisão de enterrar e pavimentar os seus rios, criando a metrópole árida de hoje, foi um plano do século XX destinado a proteger os moradores de doenças – especificamente cólera, malária e outras doenças transmitidas pela água, causadas por inundações frequentes.

A relação entre a sua geografia, história e situação sanitária é relevante hoje, enquanto a cidade luta com o seu mais recente surto de doença. A cidade foi construída no meio da água através de “chinampas” – pequenas parcelas de lago cheias de detritos, cerâmica e solo para criar terra sólida, com canais a fluírem ao seu redor.

Tal como Veneza, a cidade tinha os mesmo problemas de saúde, incluindo água contaminada, mosquitos e cheiros desagradáveis. No entanto, os astecas geriram bem a cidade e evitavam inundações.

Esta boa gestão urbana terminou com a conquista espanhola em 1521. Tenochtitlán (o antigo nome da Cidade do México) foi destruída, com os seus palácios e calçadas a transformaram-se em escombros no fundo do lago. Os espanhóis não entendiam a ecologia da área, nem entendiam ou respeitavam a engenharia asteca. Para reconstruir a sua capital, eles drenaram o lago.

Essa estratégia levou a tremendas inundações. Em 1629, a pior enchente da história da Cidade do México durou cinco anos e matou mais de 30.000 pessoas devido a afogamentos e doenças.

A estação chuvosa transformou partes da cidade em fossas, fazendo com que doenças como cólera, meningite e malária proliferassem. As doenças gastrointestinais também surgiram, uma vez que os moradores usaram os rios da Cidade do México para despejar lixo e esgoto.

O México conquistou a independência da Espanha em 1810. Para lidar de uma vez por todas com os seus problemas de inundações, os líderes da cidade decidiram, na década de 1890, canalizar chuvas, inundações e esgotos para fora da cidade através de um canal de drenagem.

Já em meados do século XX, para evitar inundações, doenças e morte, a Cidade do México decidiu enterrar os seus rios poluídos. Hoje, esses rios são visíveis apenas nos nomes das ruas que correm sobre eles: Avenida Rio Mixcoac, Avenida Rio Churubusco, entre e outras.

No entanto, sem os seus rios, a Cidade do México secou e ficou empoeirada. E por causa da sua geografia, a poeira não conseguiu escapar.

A partir da década de 80, o número de carros cresceu para milhões, aumentando ainda mais a poluição. Hoje, a Cidade do México é conhecida pela sua poluição atmosférica e pelas terríveis consequências para a saúde trazidas pela poluição, incluindo asma e doenças cardíacas.

O surto de coronavírus não foi causado pelo ar poluído, mas a má qualidade do ar da cidade – juntamente com a sobrelotação e outros fatores relacionados com a pobreza – cria as condições para que a covid-19 faça adoecer e mate mais pessoas.

Ao tentar eliminar doenças transmitidas pela água, a capital mexicana acabou por ajudar um vírus transmitido por via aérea a encontrar mais hospedeiros.

PARTILHAR

RESPONDER

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …

PJ deteve suspeita de atear fogo florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve uma mulher de 57 anos suspeita de atear um incêndio florestal registado em 4 de agosto no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), no concelho de Terras de Bouro. Em …

Mais duas mortes e 120 novos casos. Lisboa com 60% dos novos infetados

Portugal regista esta segunda-feira mais duas mortes, 120 novos casos de infeção por covid-19 e 160 curados em relação a segunda-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). O número de pessoas internadas é …

Encontrado cadáver com 30 anos em mansão abandonada em Paris

As obras de reforma numa mansão abandonada em Paris tiveram de ser suspensas inesperadamente depois de trabalhadores terem descoberto um cadáver a decompor-se na cave há 30 anos. De acordo com o jornal britânico The Guardian, …

Quase cem mil crianças contraíram a covid-19 em apenas duas semanas nos Estados Unidos

Noventa e sete mil crianças norte-americanas foram identificadas como infetadas com o novo coronavírus (covid-19) nas últimas semanas de julho. Os números relativos a estas duas semanas são avançados pela empresa norte-americana, que cita um relatório …