China diz que resposta excessiva dos EUA ao coronavírus ajudou a “espalhar o pânico”

A China acusou os Estados Unidos (EUA) de espalhar o pânico ao limitar as viagens e a evacuar os cidadãos norte-americanos daquele país por causa do coronavírus. O Governo chinês afirma que estas decisões terão contribuído para que as ações chinesas caíssem depois do feriado do Ano Novo Lunar.

O número de mortos na China causados pelo coronavírus, que surgiu em Wuhan, aumentou no domingo para 361, registando-se mais 57 que no dia anterior. Na semana passada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou-o como uma emergência global. A primeira morte fora daquele país ocorreu também no domingo, nas Filipinas.

Segundo noticiou o Independent, citando a Reuters, algumas cidades chinesas, incluindo Wuhan, permanecem em confinamento e a China enfrenta um crescente isolamento internacional, que, por sua vez, acusou os EUA de espalhar o medo, ao retirar os seus cidadãos do país e ao restringir as viagens, ao invés de oferecer ajuda.

Washington “fabricou e espalhou o pânico de forma incessante”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying. “São países desenvolvidos como os EUA, com recursos e instalações de prevenção de epidemias, que lideraram a imposição de restrições excessivas, contrárias às recomendações da OMS”, afirmou, indicando que os países devem fazer julgamentos razoáveis, calmos e baseados na ciência.

Já o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, voltou a referir que as proibições relativamente às viagens são desnecessárias. “Não há razão para medidas que interferem desnecessariamente nas viagens e no comércio internacional”, disse, convidando “todos os países a tomarem decisões consistentes e baseadas em evidências”.

A China já afirmou que é necessário que a comunidade internacional trate o vírus de uma forma objetiva e justa, não devendo “criar pânico deliberadamente” entre a população. O país continuará a adotar uma “atitude responsável” em relação à saúde pública, implementando medidas de controlo para impedir a propagação do vírus.

As consequências do vírus, contudo, fizeram-se sentir nas ações chinesas, que caíram quase 8%. As ‘commodities’ negociadas em Xangai, desde o petróleo até ao cobre, atingiram os limites máximos de queda. Estes resultados ocorreram apesar da injeção do banco central de cerca de 156 mil milhões de euros.

Wu Hong / EPA

De acordo com o Independent, quando as bolsas de valores reabriram, a maioria das províncias chinesas prolongou o feriado do Ano Novo Lunar para tentar conter o vírus. O retorno do trabalhadores em Hubei, por exemplo, acontecerá somente a 13 de fevereiro.

Entretanto, forma registados mais 2.829 infetados com o vírus na China, elevando o total para 17.205. A OMS relatou pelo menos 151 casos confirmados em 23 outros países e regiões, incluindo EUA, Japão, Tailândia, Hong Kong e Grã-Bretanha.

Um hospital construído em Wuhan em apenas oito dias, que servirá para tratar as pessoas infetadas, começou a receber pacientes esta segunda-feira. Mais de 7.500 trabalhadores participaram do projeto, lançado a 25 de janeiro e finalizado neste fim de semana. Um segundo hospital, na mesma cidade, deverá estar pronto a 05 de fevereiro.

Além de tentar impedir a propagação do vírus proibindo as viagens, diversos países também estão a retirar os cidadãos de Wuhan. Os EUA planeiam “mais alguns voos” para ir buscar cidadãos norte-americanos à China e a Rússia, que já tinha suspendido as viagens de comboio para aquele país, começou a evacuar os seus cidadãos esta segunda-feira.

Na segunda-feira passada, a Austrália retirou 243 pessoas de Wuhan, colocando-as em quarentena numa ilha remota. Seguindo os passos dos EUA, no sábado passou a impedir a entrada de todos os estrangeiros que viajem da China continental.

O número de mortes na China já ultrapassou o número total de óbitos provocados pelo surto de 2002 da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), outro coronavírus que emergiu no país e matou quase 800 pessoas em todo o mundo. Mesmo assim, dados chineses sugerem que o novo coronavírus é menos mortal que o Sars.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os Chineses já andam a dois anos a brincar com este vírus. Lançaram agora para ver se conseguem controlar o mundo. Mas espero que um dia o mundo lhes faça a eles o que fizeram e que estão a fazer. Foi pena os EUA não terem sido mais agressivos com eles e o resto do mundo não se terem juntado aos EUA.

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …