Chegaram a Portugal ventiladores com botões em mandarim. Governo desdramatiza

José Sena Goulão / Lusa

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales desdramatizou, esta quinta-feira, a existência de ventiladores, encomendados da China, com botões e outros indicadores em mandarim.

Na habitual conferência de imprensa diária, o governante recordou que foi necessário recorrer ao mercado para reforçar o Serviço Nacional de Saúde, dizendo ainda que os profissionais de saúde poderão ter formação para que consigam ler os indicadores.

Tivemos de recorrer ao mercado e o nosso recurso ao mercado, em termos de ventiladores, foi ao mercado chinês. Alguns ventiladores vêm com indicadores e botões em chinês mas nesses mesmos ventiladores existem indicadores que são universais e que permitem ter acesso facilitado”, começou por explicar António Lacerda Sales.

Caso os profissionais de saúde não consigam ler e compreender os botões e indicadores, “com certeza haverá maneira de fazer formação dos profissionais. Não na língua, mas com certeza nos indicadores, o que facilitará a sua utilização”.

De acordo com a revista Sábado, em causa estão os indicadores de saturação de CO2 (dióxido de carbono) ou de O2 (oxigénio).

“Os indicadores passam por um organismo que faz validação desses ventiladores”, frisou.

“Problema evidente”, diz bastonária

Em declarações à mesma revista, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, considerou que é “evidente” que esta situação configura um “problema”.

Este aparelho médico, recordou Ana Rita Cavaco, é um instrumento complexo, e o seu uso pode ser dificultado se as pessoas não conseguirem ler os indicadores.

“Sustenta a vida de alguém e manuseá-lo é muito complicado, não é só carregar nos botões. Obedece a uma série de fatores relacionados com os gases e tem que se encontrar uma fórmula ótima para determinada pessoa: não é igual para todos os pacientes. Existem vários modos ventilatórios. Não é carregar num botãozinho; é uma operação muito complexa. Uma pessoa tem que estar permanentemente a vigiar”.

Quanto à formação presencial, Ana Rita Cavaco diz que a Ordem não a pode fazer neste momento. “A Ordem tem muita formação para os profissionais mas que agora está parada (…) Não a podemos organizar. Nesta fase, é de esquecer a formação presencial. Estamos a falar de pessoas que estão todos os dias na linha da frente, nem têm tempo”.

“O que se tem feito são webinars, mas isso não substitui a formação prática de um enfermeiro na área dos cuidados intensivos que são seis meses. Eu por exemplo não sei usar ventiladores, nem todos de nós o conseguem. Cada um tem a sua área de especialidade. Por outro lado, os colegas de cuidados intensivos não podem fazer vacinação”, explicou ainda Ana Rita Cavaco.

ZAP //

 

 

 

 

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Desconfio que não faltará muito para o mandarim ser língua estrangeira obrigatória nas escolas. Mais tarde, o juramento de obediência ao Congresso Nacional do Povo. O PCP excluirá dos seus discursos a expressão “amplas liberdades”. E as palavras Liberdade e Igualdade serão apagadas dos dicionários.

  2. O que não é um problema para a bastonária do enfermeiros?!
    Tudo é um problema e o seu único objectivo é fazer ruído para justificar o tacho muito bem pago (que ela aumentou com efeitos retroactivos) e desviar a atenção das suas vigarices!…
    .
    A questão é: será melhor um ventilador com letras em chinês ou nenhum?!

Benfica 2-0 Vitória SC | "Águia" vence e adia festa do Porto

Não foi esta terça-feira que o FC Porto festejou o 29º título de campeão nacional. Na recepção ao Vitória Sport Clube, o Benfica venceu por 2-0, num embate relativo à 32ª jornada da Liga NOS, …

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …