Chefe de gabinete de Trump convocado a testemunhar no inquérito sobre destituição

O chefe de gabinete da Casa Branca, Mick Mulvaney, depõe esta sexta-feira no Congresso dos Estados Unidos no âmbito do inquérito com vista a um processo de destituição do Presidente Donald Trump.

Na missiva da convocatória, os representantes Democratas que lideram os três comités da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso) que estão a conduzir o inquérito referem acreditar que Mick Mulvaney tem “conhecimento em primeira mão” das relações de Trump com a Ucrânia.

“O inquérito revelou que poderá estar diretamente implicado na tentativa, orquestrada pelo Presidente Trump, pelo seu advogado pessoal Rudolph Giuliani e por outros” para pressionar Kiev para que investigasse o ex-vice-Presidente norte-americano e eventual candidato Democrata nas eleições presidenciais de 2020 Joe Biden, escreveram os líderes Democratas, que detêm a maioria na Câmara dos Representantes.

Segundo o documento, o testemunho de Mick Mulvaney, o mais alto funcionário da Casa Branca a receber uma convocação no âmbito deste inquérito, será realizado à porta fechada.

Em outubro, numa conferência de imprensa na Casa Branca transmitida na televisão, Mulvaney fez declarações que deram a entender que Trump teria retido ajuda militar à Ucrânia por motivos políticos. Posteriormente, Mick Mulvaney negou que tinha feito tais declarações.

A Casa Branca já fez saber que não irá cooperar com o inquérito em curso, questionando a legitimidade constitucional e a imparcialidade do processo. Como tal, é provável que o chefe de gabinete ignore esta convocatória para testemunhar no Congresso.

O Presidente norte-americano foi acusado de pressionar o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a investigar o seu rival político e ex-vice-Presidente Joe Biden. Trump negou sempre.

Esta chamada, cuja transcrição foi revelada na última semana após a queixa de um denunciante, levou os democratas a darem início a um processo de impeachment presidencial. Na segunda-feira, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, recebeu uma intimação relacionada com os seus contactos com as autoridades ucranianas.

Mais tarde, o Governo australiano confirmou que houve uma segunda chamada, em que Donald Trump pressionou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para que este o ajudasse a descredibilizar a investigação do procurador especial Robert Mueller. O governo australiano confirmou que a chamada aconteceu e que o primeiro-ministro concordou em ajudar.

A Casa Branca restringiu o acesso à transcrição da conversa telefónica entre o Presidente dos EUA e o primeiro-ministro da Austrália a um pequeno grupo de assessores. A decisão é invulgar mas semelhante à que foi tomada no caso da chamada com o Presidente da Ucrânia.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

"Não ficaria surpreendido com um regresso de Ronaldo ao Real Madrid"

O internacional português José Fonte revelou que não ficaria surpreendido com um eventual regresso de Cristiano Ronaldo ao Real Madrid. "Sei que o [Cristiano Ronaldo] ama Madrid, isso é certo. É claro que adora o …

Robôs substituem estudantes em cerimónia de graduação no Japão

Impedidos de estarem na sua cerimónia de graduação por causa do novo coronavírus, estudantes japoneses marcaram presença com a ajuda de robôs. Com as universidades fechadas devido à pandemia de covid-19, muitos foram os estudantes universitários …

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …