Antes de telefonema polémico, Trump reteve quase 400 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia

Jim Lo Scalzo / EPA

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, instruiu o seu chefe de gabinete interino, Mick Mulvaney, a reter quase 400 milhões de dólares (364 milhões de euros) em ajuda militar à Ucrânia pelo menos uma semana antes de um telefonema com o seu homólogo ucraniano que tem gerado polémica.

Segundo noticiou o Expresso esta terça-feira, no telefonema, Donald Trump terá pressionado Volodymyr Zelensky a investigar o filho de Joe Biden, Hunter Biden. O antigo vice-Presidente é o candidato mais bem colocado para conseguir a nomeação democrata nas eleições do próximo ano em que Donald Trump procura a reeleição.

A instrução para reter aquela quantia foi confirmada por três altos funcionários da Administração, citados pelo Washington Post. Os funcionários do Gabinete de Gestão e Orçamento transmitiram a ordem de Donald Trump ao Departamento de Estado e ao Pentágono durante uma reunião entre agências em meados de julho.

De acordo com fontes que falaram sob anonimato, o Presidente manifestou “preocupações” e pretendia analisar se o dinheiro precisava de ser gasto. Os funcionários da Administração terão sido instruídos a dizer aos congressistas que os atrasos faziam parte de um “processo interagências” mas para não darem informações adicionais. Este padrão terá continuado durante quase dois meses, até que a Casa Branca libertou os fundos a 11 de setembro.

Segundo um outro alto funcionário da Administração, a decisão de Donald Trump de reter os fundos baseava-se nas suas preocupações sobre a existência de “muita corrupção na Ucrânia” e a decisão posterior de os libertar deveu-se à proximidade do fim do ano fiscal, a 30 de setembro.

Havia o receio de que se não gastassem o dinheiro, estariam a infringir a lei, revelou a fonte, pelo que o Presidente acabaria por dar ao diretor interino do Gabinete de Gestão e Orçamento, Russell Vought, autorização para libertar o dinheiro. Contudo, esta segunda fonte nega enfaticamente qualquer relação entre o bloqueio da ajuda e a pressão sobre Volodymyr Zelensky para investigar a família Joe Biden.

O ex-conselheiro para a segurança nacional John Bolton queria libertar o dinheiro por acreditar que isso ajudaria a Ucrânia e simultaneamente restringiria a agressão russa. Além de John Bolton, vários outros funcionários da Administração revelaram não saber por que motivo a ajuda tinha sido cancelada ou por que razão não tinha sido agendada uma reunião.

A decisão foi comunicada a funcionários do Estado e da Defesa a 18 de julho, revelou uma outra fonte ouvida pelo Washington Post. A chamada telefónica entre os Presidentes americano e ucraniano decorreu a 25 de julho.

Pelosi alude pela primeira vez a ‘impeachment’ de Trump

A presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, apelou este domingo à divulgação do relatório de um denunciante que alegadamente alertou para os pedidos de ajuda eleitoral de Donald Trump a Volodymyr Zelensky.

Gage Skidmore / Flickr

A senadora democrata Nancy Pelosi

Numa carta enviada ao Congresso, Nancy Pelosi deixou claro que espera que o diretor interino dos serviços de informação nacional, Joseph Maguire, divulgue o documento quando comparecer perante a comissão de informação na próxima quinta-feira. Caso contrário, poderá inaugurar-se “um novo e grave capítulo de ilegalidade”, sublinhou.

O bloqueio da Administração à divulgação da queixa significa levar Joseph Maguire a violar os estatutos federais, que afirmam inequivocamente que o diretor dos serviços está obrigado a partilhar com o Congresso a informação de que dispõe, descreveu Nancy Pelosi.

“O Governo está a pôr em risco a nossa segurança nacional e a provocar um efeito aterrador sobre qualquer futuro denunciante que se deparar com um procedimento incorreto”, sinalizou na missiva.

A líder democrata também exortou os republicanos a juntarem-se-lhe no apelo à divulgação do relatório. Ao concluir a carta, Nancy Pelosi aludiu à possibilidade de ‘impeachment’ (destituição) presidencial, alertando que qualquer esforço continuado para bloquear a chegada da queixa ao Congresso conduzirá a “um novo estágio da investigação”. Até agora, a democrata tem-se abstido de apoiar um processo de ‘impeachment’ de Donald Trump.

De acordo com o Expresso, o presidente da comissão de informação da Câmara dos Representantes, Adam Schiff, que também tem hesitado em apoiar a destituição, adotou um outro tom na entrevista que concedeu no domingo à CNN. “Se ficar provado que Trump reteve a ajuda militar à Ucrânia como moeda de troca para a colaboração, o ‘impeachment’ poderá ser o único remédio que equivalha ao mal” dos alegados atos cometidos.

Na véspera, a senadora Dianne Feinstein, a principal figura democrata na comissão de Justiça, revelou ter escrito ao procurador-geral, William Barr, “exigindo que o relatório do denunciante seja entregue ao Congresso, como requerido por lei”.

No início deste mês, três comissões da Câmara dos Representantes, controlada pelos democratas desde as eleições a meio do mandato do ano passado, lançaram uma investigação para apurar se Donald Trump e o seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, tentaram manipular as autoridades ucranianas para ajudar à reeleição do Presidente.

Entre as alegações sob investigação está a hipótese de Donald Trump ter ameaçado reter 250 milhões de dólares (mais de 225 milhões de euros) em ajuda à Ucrânia se o país não acedesse ao pedido.

Para Zelensky não foi “uma chamada telefónica perfeita”

Senadores republicanos já disseram que a ajuda à Ucrânia esteve suspensa enquanto a Administração avaliava se Volodymyr Zelensky era pró-russo ou pró-ocidental. A Casa Branca acabou por libertar o dinheiro depois de o senador democrata Richard Durbin ter ameaçado congelar cinco mil milhões de dólares (4,5 mil milhões de euros) em financiamento ao Pentágono para o próximo ano, a menos que o dinheiro para 2019 fosse distribuído, acrescentaram.

No entanto, o senador Robert Menendez, o mais destacado democrata na comissão das Relações Exteriores, falou na segunda-feira em potencial “extorsão”, acusando Donald Trump de tentar “remodelar a política externa americana” para promover os seus objetivos pessoais e políticos.

Donald Trump voltou a negar quaisquer irregularidades, sublinhando que a sua conversa de 25 de julho com Volodymyr Zelensky foi “uma chamada telefónica perfeita” e sugerindo que poderia divulgar uma transcrição da conversa.

Contudo, essa não parece ter sido a avaliação do seu homólogo ucraniano, a avaliar pelas declarações do senador Chris Murphy. O democrata, que falou com Volodymyr Zelensky durante uma visita à Ucrânia no início de setembro, revelou na segunda-feira que aquele lhe tinha manifestado “diretamente” a sua preocupação de que “a ajuda estava a ser cortada como uma consequência” da sua falta de vontade em iniciar uma investigação sobre o filho de Joe Biden.

Hunter Biden fez parte do conselho de administração da Burisma, a maior empresa privada de gás na Ucrânia, durante quase cinco anos. O dono da Burisma foi investigado pelo Ministério Público ucraniano por possível abuso de poder e enriquecimento ilícito. O filho do ex-vice-Presidente americano não foi acusado de quaisquer irregularidades.

patquinnforillinois / Flickr

Joe Biden, antigo vice-Presidente dos EUA e e candidato à presidência nas eleições de 2020

“Não a levo nem um pouco a sério”

Donald Trump fez uma aparição surpresa, de apenas uns minutos, para assistir à Cimeira da Ação Climática, nas Nações Unidas, mas não interveio. A sua presença no evento, que decorre em Nova Iorque, não era esperada, mas fez questão de se sentar durante alguns minutos no auditório onde decorriam os trabalhos, ouvindo e aplaudindo o discurso do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, noticiou a agência Lusa na segunda-feira.

Donald Trump tinha usado a sua conta do Twitter, no domingo, para partilhar uma mensagem de elogio que lhe fora dirigida pelo chefe do governo indiano e decidiu retribuir o gesto de simpatia ouvindo a participação de Narendra Modi nas Nações Unidas, onde dezenas de líderes mundiais procuram dar nova vida ao Acordo de Paris sobre o Clima.

O Presidente norte-americano não fez qualquer comentário sobre a cimeira, mas falou com os jornalistas sobre a possibilidade de um processo de destituição no Congresso anunciado pelo Partido Democrata, dizendo que não está preocupado. “Não a levo nem um pouco a sério”, disse Donald Trump, questionado sobre como reagia à ameaça de ‘impeachment’.

 

“Já percebemos que tudo não passa de uma caça às bruxas orquestrada pelos democratas”, afirmou Donald Trump, desvalorizando o assunto.

Apesar do entendimento de Nancy Pelosi, a verdade é que ‘impeachment’ não é consensual entre os democratas. Neste momento, em 235 representantes, há 137 que apoiam a ideia. E apesar de na câmara dos Representantes a maioria ser democrata, no Senado a maioria é do Partido Republicano. E, até agora, não há sinais de que os republicanos estejam dispostos a deixar cair Donald Trump.

No passado, alguns democratas quiseram usar o relatório Mueller, sobre o alegado conluio entre o Presidente e os russos para interferir nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA, para lançar a destituição de Donald Trump.

O ex-procurador especial Robert Mueller, autor do relatório, testemunhou no Congresso, mas manteve-se fiel ao que está escrito no relatório e não deu matéria à oposição para iniciar um processo de ‘impeachment’ contra o atual Presidente.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …