Centeno diz que algumas medidas sobre incêndios terão “impacto adicional”

Tiago Petinga / Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno

O ministro das Finanças apresentou no Parlamento, esta quarta-feira, a proposta de Orçamento do Estado para 2018, referindo que algumas medidas aprovadas pelo Governo relativamente aos incêndios “terão um impacto adicional”.

Mário Centeno, que está hoje a ser ouvido na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), referiu-se à “imperiosa necessidade de incluir no OE2018 as medidas de apoio à recuperação económica e social”, mas também as “medidas de prevenção e combate aos incêndios” aprovadas no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

O governante esclareceu que “muitas destas medidas já tinham expressão orçamental na proposta de lei”, uma vez que já contemplavam os impactos do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, em junho.

No entanto, admitiu que, depois dos incêndios de outubro que afetaram a zona Centro, “outras destas medidas deverão agora ser consideradas”, acrescentando que “algumas terão um impacto orçamental adicional, enquanto outras não implicam um aumento do défice público”, sendo financiadas via fundos europeus ou através de dotações extra orçamento do Estado.

Centeno afirmou ainda que “a gestão rigorosa registada nos últimos anos” permite ao Governo implementar “estas medidas sem colocar em causa nenhum dos compromissos assumidos”.

Já no início do discurso inicial no Parlamento, o governante dirigiu uma palavra às populações afetadas pelos incêndios nos últimos meses em Portugal: “A estes devemos a solidariedade que as comunidades esperam de todos em momentos como estes”, afirmou, garantindo que o OE2018 será “um instrumento de solidariedade nacional para dar resposta a um flagelo de enorme dimensão em termos humanos, sociais e económicos.

Governo afasta Orçamento Retificativo e mantém défice de 1% em 2018

Na terça-feira, o líder parlamentar do PS afirmou que o Governo afasta qualquer Orçamento Retificativo em 2017 para cobrir as despesas resultantes dos incêndios e adiantou que será mantida a meta do défice de 1% prevista para 2018.

Carlos César falava no final de uma reunião de duas horas da bancada socialista com o primeiro-ministro, António Costa, e com o titular da pasta das Finanças, que não prestaram declarações aos jornalistas.

Segundo o presidente do Grupo Parlamentar do PS, o Governo irá este ano aproveitar “folgas” orçamentais, designadamente as que resultam de poupanças com juros da dívida pública, para acomodar já em 2017 verbas necessárias em relação a despesas urgentes.

Para 2018, Carlos César adiantou que o Grupo Parlamentar do PS vai apresentar em sede de especialidade propostas de alteração ao Orçamento do Estado, mas que, na sua perspetiva, não irão colidir com o objetivo de consolidação orçamental inicialmente definido pelo executivo, razão pela qual se mantém a meta de 1% de défice no próximo ano.

Sobre os partidos que apoiaram a investidura do Governo, o líder parlamentar socialista diz que os trabalhos conjuntos “são já reveladores de uma boa base de acordo em relação à política orçamental”.

Estamos bem nestas negociações porque não vamos fazer nada no Orçamento ou no Governo que não estejamos de acordo” justificou, acrescentando que “existe sempre uma sensibilidade diferente entre o PS, o Bloco, o PCP e o PEV sobre a intensidade com que se desenvolve uma ou outra medida ou detalhes que envolvem a execução”.

A proposta de OE2018

A proposta de OE2018 assenta num crescimento económico de 2,2% (num abrandamento face ao crescimento de 2,6% previsto para este ano) e que tem subjacente um défice orçamental de 1% do PIB (inferior ao de 1,4% estimado para 2017).

Os partidos de esquerda devem destacar as medidas de devolução de rendimentos previstas para 2018: o aumento dos escalões do IRS (que passam de cinco para sete com o desdobramento dos atuais segundo e terceiro escalões), do mínimo de existência (que aumenta o nível de rendimento até ao qual trabalhadores e pensionistas ficam isentos deste imposto) e a subida das pensões em pelo menos 10 euros para todos os reformados.

A devolução de rendimentos chega à Administração Pública também com o descongelamento das progressões na carreira, que será feito em dois anos, distribuído em quatro fases: em 2018, os funcionários recebem 25% do valor da progressão em janeiro e 25% em setembro, e, em 2019, recebem 25% em maio e 25% em dezembro.

Por outro lado, a proposta de OE2018 traz algumas medidas de agravamento fiscal: as alterações no regime simplificado de IRS é uma delas, segundo vários fiscalistas, embora o Governo garanta que os trabalhadores independentes (neste regime) também vão pagar menos imposto.

Destaque também para o aumento de cerca de 1,5% de impostos como os que incidem sobre o tabaco, o álcool e os refrigerantes e para a criação de um novo imposto sobre o teor de sal em alguns alimentos (bolachas, batatas fritas e cereais), que deverá levar a subidas de preços nestes produtos.

Na análise que fez à proposta de OE2018, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estima que as cativações quase cheguem aos 1.800 milhões de euros em 2018, o que equivale a 2,7% da despesa efetiva da administração central.

Este deverá ser um dos temas a marcar este debate, depois de o Ministério das Finanças ter decidido cativar 1.881 milhões euros este ano (tendo descativado 710 milhões de euros até agosto), uma decisão que gerou críticas, não só da oposição mas do PCP e do Bloco.

Apesar das críticas, o Governo quer manter em 2018, ainda que de forma atenuada, o mecanismo adicional de cativações, mas promete que trimestralmente, com a síntese de execução orçamental, sejam divulgados os montantes que estão cativos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Hospitais privados dizem não ter recusado colaborar com SNS e querem plano da tutela

Os hospitais privados rejeitam que tenham recusado colaborar com o Serviço Nacional de Saúde e dizem que se mantêm disponíveis e a aguardar uma proposta concreta do Ministério da Saúde, para se poderem reorganizar. Numa resposta …

"Não devemos o silêncio ao presidente". Autor de artigo crítico sobre Trump revela identidade

Um antigo dirigente do Governo dos Estados Unidos revelou que foi o autor, em 2018, de uma coluna de opinião anónima e depois de um livro, em que denunciava o comportamento de Donald Trump. "Não devemos …

Região de Madrid confinada nos próximos dois fins de semana

O Governo regional de Madrid decidiu confinar a população da região nos próximos dois fins de semana, que são prolongados até segunda-feira devido a dois feriados, como forma de luta contra a pandemia de Covid-19. A …

Bolsonaro mudou legislação e compra de armas disparou. Registou-se um aumento de assassinatos

O comércio de armas disparou em quase dois anos, ou seja, desde que Bolsonaro chegou ao Governo e fez mudanças na legislação que seguem o modelo norte-americano. Estão na mão de radicais, alerta especialista. A compra …

Ilhas Marshall registam os dois primeiros casos desde o início da pandemia

As Ilhas Marshall, um dos últimos países do mundo poupados até aqui ao novo coronavírus, registaram os dois primeiros casos de covid-19 desde o início da pandemia, anunciou, esta quarta-feira, o Governo do arquipélago …

Parlamento espanhol prolonga estado de emergência por mais seis meses

O parlamento espanhol aprovou hoje em Madrid a prorrogação do estado de emergência para lutar contra a pandemia de covid-19 durante seis meses, até 09 de maio de 2021. A medida que já está em vigor, …

BCE avisa que recuperação económica "está a perder força mais rapidamente do que o previsto"

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, alertou esta quinta-feira que a recuperação económica está a perder força mais rapidamente do que aquilo que era previsto devido à aceleração da pandemia em vários …

CP permite reembolso dos bilhetes entre sexta e terça-feira. Rede Expressos cancela viagens

A CP irá reembolsar os utentes que pedirem devolução de dinheiro por bilhetes de viagens entre 30 de outubro e 3 de novembro, tendo em conta as restrições de movimentações entre concelhos, adiantou fonte oficial …

Marcelo Rebelo de Sousa não descarta novo estado de emergência

Marcelo Rebelo de Sousa abriu esta quinta-feira a porta à declaração de um novo estado de emergência em Portugal. O presidente admite fazer uma declaração ao país na próxima semana. O presidente da República não descarta …

Antissemitismo. Jeremy Corbyn suspenso do Partido Trabalhista

O Partido Trabalhista suspendeu hoje o seu antigo líder Jeremy Corbyn na sequência de um relatório que condenou a principal força da oposição no Reino Unido por "atos ilegais de assédio e discriminação" antissemita. Reagindo ao …