Centeno antecipa cativações e aperta o cinto nos Serviços Públicos com corte de 30%

Miguel A. Lopes / Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno

O ministro das Finanças Mário Centeno alterou as regras das cativações do Orçamento de Estado (OE) no sentido de apertar o cinto aos Serviços Públicos, para exercer maior controlo sobre a despesa pública. Na prática, o corte nas verbas transferidas sobe de 15% para 30%.

A notícia é avançada pelo Correio da Manhã (CM) que destaca que Mário Centeno alterou o método de aplicação das cativações. Assim, em vez de cativar 15% da verba inicial transferida do OE para os Serviços Públicos e mais 15% posteriormente, na receita própria dos mesmos, as Finanças passam a aplicar uma cativação única de 30% sobre o valor da transferência.

Este novo mecanismo já foi comunicado aos ministérios no início do mês de Fevereiro pela Direcção-Geral do Orçamento (DGO), avança o CM, notando que Centeno recorreu a uma norma que estava prevista em Orçamentos de Estado anteriores. O Ministério das Finanças alega, deste modo, que está “apenas a implementar os cativos que estão determinados na Lei do OE para 2019”.

A estratégia do Governo passa por assegurar um maior controlo da despesa pública, já que muitos Serviços têm “tendência” para “inflacionarem as receitas próprias”, nota o CM. “Aumentando de forma artificial as receitas próprias, os serviços garantiam que a cativação inicial de 15% incidia sobre um valor mais elevado e, por esta via, obtinham mais dinheiro para gastar”, aponta o jornal.

Centeno procura, assim, evitar derrapagens indesejadas, procedendo de forma mais cautelosa.

A decisão das Finanças está a deixar vários ministérios “em pânico”, segundo o CM que garante que “alguns responsáveis já alertaram que há serviços públicos em risco de fechar portas por falta de dinheiro”.

As cativações têm sido um tema quente na política portuguesa e já valeram a Centeno o cognome de “O Cativador”, expressão usada pela oposição num debate no Parlamento.

De acordo com dados avançados em Novembro de 2018, o Governo do PS congelou mais de 2000 milhões de euros no período de 2016 a 2018. Este valor supera em apenas 3 anos as cativações que o Executivo PSD/CDS implementou em 5 anos e que se situaram nos 1950 milhões de euros entre 2011 e 2015, segundo dados do Diário de Notícias.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Gostaria de deixar aqui uma sugestão ao Sr. Banana das Finanças. Por que não, logo no dia 1 de janeiro, proceder a uma cativação de 100% dos orçamentos aprovados para os diferentes serviços? Fica a sugestão.

    • realmente….

      assim tb faço milagres, possivelmente até maiores.

      enquanto isso empresas que dependem dos pagamentos do Estado vão entrando em completo desespero.
      empresas e advogados que ficam sem receber os seus honorários durante meses, mas claro é o Estado pode dever enquanto quiser, isto é o país das bananas.

      então e que tal cortar mesmo na despesa completamente desnecessária que por aí existe, começando por exemplo por institutos da treta assim como fundações que apenas existem para distribuirem milhões pelos amigos do regime.

      e que tal deixar de desbaratar largos milhões na Banca, neste momento e depois de ler que o NBanco quer mais mil milhões, eu diria que sai mais barato deixar esta cambada ir à falência e tentar ir buscar tudo o que for possível aos ladrões que se conhecem e metê-los na cadeia.

  2. Este governo passou 3 anos a dar. Agora que se acabou a almofada, já não dá mais. Pelo andar da carruagem ainda vamos vê-los a tirar (madidas de austeridade) ainda antes do final da legislatura. Vai ser lindo!

    • 3 anos a dar? A mim para me dar o subsídio de Natal em Novembro começou a tirar-me logo em Janeiro. Talvez tenha dado algum chouriço a quem lhe tenha dado um porco gordo.

  3. Há que fiscalizar as despesas da ADSE entre outras. Há que não abrir mais os cordões á bolsa senão daqui a pouco a ceder, a ceder temos de novo aqui a “TROICA” e aí é que serão elas, ou já se esqueceram. Volta tudo como estava. Quem estiver mal que saia. Se os funcionários públicos puserem os seus lugares à disposição, não vai faltar quem os queira preencher! Porque razão os enfermeiros, os médicos, os técnicos, as auxiliares das Instituições Privadas não fazem greve? Já sabem o que as espera! Deixem-se de chorar de barriga cheia! Comparem os tipos de serviços, e as regalias que têm num e noutro e escolham.

  4. O problema de tudo isto é a falta de seriedade com que os políticos assaltam o Poder, todos nos recordamos da forma como este governo nasceu e com que apoios, de seguida veio a simpatia para com alguns de algumas medidas sem olhar a futuros efeitos caso até das 35 horas laborais, mas como o governo apesar da partida da troika continua sob o policiamento de Bruxelas há que apresentar contas e portanto como o dinheiro não dá para fazer milagres há que cativar e o resultado está bem à vista em sectores tão importantes como a saúde, o ensino e segurança entre outros, na hora da partida nem governantes nem a sua base de apoio se sentirão culpados e lá virá mais alguém que terá que tomar medidas antipáticas e a quem o povo chamará de lobo-mau.

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …