Candidato francês a comissário garante regras orçamentais rigorosas para todos

European Parliament / Flickr

Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros

Pierre Moscovici, indicado para liderar a pasta dos Assuntos Económicos e Financeiros na Comissão Europeia

O candidato a comissário europeu designado pela França, Pierre Moscovici, assegurou aos eurodeputados que aplicará a todos os Estados-membros as regras europeias, incluindo a obrigação de manter o défice abaixo dos 3%.

“Há que tratar todos os Estados-membros, grandes e pequenos, da mesma maneira”, assegurou Moscovici na audiência com os eurodeputados da comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, junto dos quais se comprometeu a ser “um árbitro justo e imparcial” se tutelar a pasta dos Assuntos Económicos e Financeiros.

O socialista francês foi ministro das Finanças de François Hollande, sendo que o chefe de Estado francês anunciou recentemente que não cumprirá o limite de 3% imposto por Bruxelas aos défices nacionais.

“Comprometo-me perante vós a fazer com que todos os Estados-membros respeitem as nossas regras orçamentais. Há que o fazer sem complacência por uns e sem excesso de dureza para outros”, sublinhou.

Moscovici adiantou ainda que se guiará por “uma só bússola: as regras, nada mais do que as regras”.

O ex-ministro francês garantiu aos eurodeputados que se um país, mesmo a França, não aplicar as reformas estruturais e não adotar as medidas previstas, “será seguido o procedimento de défice excessivo”.

Os candidatos indicados pelos Estados-membros para integrar a “Comissão Juncker” têm que passar por uma avaliação no Parlamento Europeu e, em caso de dúvida, as diversas comissões parlamentares podem exigir uma segunda ronda, como aconteceu já com o britânico Jonathan Hill, por dúvidas em relação à União Bancária e aos Eurobonds.

O português Carlos Moedas, indicado para a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, foi ouvido na terça-feira e mereceu um parecer favorável da comissão responsável pela sua audição.

Apesar de a composição da Comissão Europeia ser votada como um todo (o que sucederá a 22 de outubro próximo, em Estrasburgo), na sequência de cada audição a comissão parlamentar competente (ou comissões parlamentares, nos casos em que as pastas dos comissários são mais transversais) emite um parecer, e, se este for negativo, o presidente eleito da Comissão pode proceder a uma substituição do comissário, para evitar o risco de um “chumbo” do colégio no seu todo.

O ainda presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, viu-se forçado a proceder a mudanças na constituição das suas equipas tanto em 2004 como em 2009.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ordenados "não podem ser cortados", diz comissário. Proposta sobre salário mínimo apresentada em outubro

O comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit, reconheceu as limitações da Comissão Europeia quanto a salários, defendendo que o sistema que no qual está a trabalhar permitirá que os rendimentos aumentem na Europa. Em …

Chega quer expulsar autor de moção pela remoção de ovários a mulheres

A direção do Chega vai propor a “suspensão imediata” do militante Rui Roque que defendia a extração dos ovários numa moção de estratégia que foi rejeitada em congresso, informou esta segunda-feira o partido. Mais de uma …

Precários à espera de apoio extraordinário estão a receber multas do fisco

A Associação de Combate à Precariedade denunciou que a Autoridade Tributária (AT) está a aplicar multas de 75 euros a trabalhadores precários que ficaram sem rendimento e estão a recorrer ao novo apoio extraordinário a …

Portugal regista mais seis óbitos e 688 novos casos

Portugal contabiliza esta segunda-feira mais seis mortos relacionados com a covid-19 e 688 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo o último boletim divulgado epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

Novo lay-off é para "aguentar o emprego e as empresas" (mas agrava cortes dos trabalhadores)

O novo regime de lay-off anunciado pelo Governo, para apoiar as empresas com "perdas mais significativas", nomeadamente na área do turismo, visa "aguentar o emprego e as empresas", segundo o ministro da Economia, Siza Vieira, …

Jornal "The Guardian" sugere que Portugal é um país racista e compara Ventura a Bolsonaro

O jornal britânico "The Guardian" noticiou, esta segunda-feira, alguns dos mais recentes acontecimentos racistas que têm ocorrido no país, afirmando no seu título que "Portugal regista um aumento da violência racista com ascensão da extrema …

Jornal Washington Post declara apoio a Biden e quer afastar "o pior presidente dos tempos modernos"

O jornal de referência Washington Post declarou esta segunda-feira o seu apoio ao candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, para derrotar o republicano Donald Trump, que considera “o pior Presidente dos tempos modernos”. No …

Portugal não recorrerá aos empréstimos do fundo de recuperação da UE

O primeiro-ministro António Costa salientou esta terça-feira que Portugal "recorrerá integralmente" aos cerca de 15,3 mil milhões de euros em subvenções que poderá receber do fundo de recuperação europeu, mas adiantou que não utilizará a …

Isabel dos Santos impugna nacionalização da Efacec

A empresária angolana Isabel dos Santos avançou com uma ação para impugnar a nacionalização da Efacec, decisão que foi anunciada pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, no início de julho. Numa nota enviada às …

Brexit. Na nona e última ronda, Von der Leyen está convencida de que acordo é possível

A União Europeia (UE) e o Reino Unido voltam esta terça-feira às negociações, na nona e última ronda para sair do impasse em questões como as pescas e concorrência e chegar a um acordo de …