Da gripezinha ao “problema mundial”. Bolsonaro fala com Trump e anuncia mais medidas

Jair Bolsonaro mudou de tom. Esta quarta-feira, o Presidente brasileiro anunciou um novo pacote financeiro de apoio a medidas para “manutenção de empregos”, uma das suas maiores preocupações diante da pandemia de covid-19.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou esta quarta-feira novas medidas de apoio financeiro face à pandemia, que agora classifica de “problema mundial”, depois de ter conversado com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump.

“Conversámos com Donald Trump e trocámos informações sobre um problema que é mundial”, disse Bolsonaro, que insistia em chamar a pandemia provocada pelo novo coronavírus de “gripezinha”. Na terça-feira à noite, o chefe de Estado brasileiro moderou o tom para admitir, num pronunciamento ao país através da cadeia de rádio e televisão, que se trata do “maior desafio desta geração“.

Esta quarta-feira, numa declaração de apenas alguns minutos, Bolsonaro anunciou um novo pacote financeiro de apoio a medidas para “manutenção de empregos”, que é uma das suas maiores preocupações diante da pandemia, e a favor dos estados e municípios do país. O valor total dessas ajudas, que não foram totalmente detalhadas, será de cerca de 110 mil milhões de reais (cerca de 19,5 mil milhões de euros).

Somando outras medidas já anunciadas na semana passada, o valor ascende aos 200 mil milhões de reais (34,8 mil milhões de euros), ou seja, o equivalente a 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, informou o ministro da Economia brasileiro, Paulo Guedes.

Após as breves palavras de Bolsonaro, Paulo Guedes enquadrou essas medidas na “missão do Governo de defender a saúde e o emprego dos brasileiros”, incluindo os trabalhadores informais [sem contrato de trabalho], que no país sul-americano são cerca de 40 milhões e representam cerca de 35% da população economicamente ativa.

“A intenção é que tenham recursos para enfrentar a primeira onda” desta crise, que é a “saúde”, porque logo chegará “a segunda onda, que será a desarticulação económica”, afirmou o ministro.

O tom de Jair Bolsonaro mudou nas últimas 24 horas em relação à pandemia, após durante semanas ter subestimado a covid-19, classificando-a de “gripezinha” e “histeria”.

Embora não haja um posicionamento assumido, a mudança de Bolsonaro coincidiu com um movimento na mesma direção de Trump, a quem o Presidente brasileiro tem como modelo e que, na terça-feira, admitiu de forma crua a realidade da pandemia nos EUA, alertando que o país deve estar preparado para a morte de pelo menos 100.000 pessoas.

O Brasil é o país da América Latina mais afetado pelo novo coronavírus, tendo registado até terça-feira 5.717 infetados e 201 mortos. Segundo o executivo brasileiro, a taxa de mortalidade da covid-19 no Brasil é agora de cerca de 3,5% e todas as regiões do Brasil têm mortes confirmadas pelo vírus.

São Paulo continua a ser o estado brasileiro mais afetado, totalizando 136 mortos e tendo ultrapassado esta quarta-feira os dois mil infetados, registando 2.339 casos confirmados. Segue-se o Rio de Janeiro com 23 óbitos e 708 infetados e o Ceará que, até ao momento, contabilizou sete vítimas mortais e 390 casos positivos da covid-19.

 

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. “……………………. depois de ter conversado com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump.”…………pergunto a mim próprio porque é que em países de uma certa importancia económica e geoestratégica……….colocam lideres nitidamente idiotas e potencialmente corruptos???????

    • A questão não é «como colocam…?» mas,« porque os querem manter?». Apesar de comprovadamente corrupto, ignorante, mentiroso, etc, etc…. Donald Trump arrisca ganhar as próximas eleições. Como? Porquê?

      A realidade é que a maioria dos eleitores, não se revê nos políticos. Não se identifica com eles e percebe claramente que, quem governa, está longe…. MUITO longe, de perceber as dificuldades diárias de quem se encontra na base da pirâmide social. Os Trumps desta vida, aparecem quando «qualquer um» é melhor do que quem lá está habitualmente.

      Basta olhar à nossa realidade e perceber de ONDE vêm os nossos governantes. Duvido que qualquer um deles tenha nas suas relações habituais de amizade, alguém que ganhe o salário mínimo por exemplo.

      Mas como é que podemos realisticamente esperar que um grupo de pessoas, que não faz a mais pálida ideia do que é governar a casa com um rendimento total de 1000/1200€ por mês, resolva o que quer que seja? Para eles, não passamos de números e estatísticas em folhas de Excel.

      A solução não será eleger um pedreiro (apesar dos respeito que tenho pelos pedreiros) para primeiro ministro mas é a manutenção deste sistema e desta gente, agarrada à mama vitalícia do estado e ao poder que esta proporciona, que volta e meia, elege (e às tantas reelege) Trumps e Bolsonaros.

RESPONDER

Iniciativa Liberal quer retirar "carga ideológica" da Constituição

A Iniciativa Liberal vai apresentar um projeto de revisão constitucional com uma primeira parte dedicada a retirar "carga ideológica à Constituição", clarificando, por exemplo, que serviços públicos de saúde e educação podem ser prestados pelo …

Urgência do Hospital Santa Maria está a chegar ao limite

A urgência dedicada aos casos suspeitos de covid-19 do Hospital Santa Maria, em Lisboa, reflete a evolução da pandemia em Portugal com doentes a avolumarem-se à porta para realizar o teste e no interior a …

Novo Banco. BCP garante que não faz "favores a ninguém" ao emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução

O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse ontem que o banco não faz "favores a ninguém" ao entrar no empréstimo de 275 milhões de euros da banca ao Fundo de Resolução, que posteriormente financiará …

Máfia italiana "lavou" milhões de euros ganhos com fundos europeus na Madeira

Uma das mais violentas máfias de Itália, a Società Foggiana, utilizou a Madeira para branquear mais de 16 milhões de euros obtidos com um esquema de burla à União Europeia (UE). Em causa estão fundos comunitários …

Ajudas de custo para professores deslocados ficaram na gaveta (e não estão previstas no OE2021)

O Orçamento de Estado para 2020 (OE2020) previa um programa de ajudas de custo para professores deslocados como incentivo à fixação. No entanto, a medida não avançou. O Jornal de Notícias avança esta sexta-feira que a …

Biden ainda à frente, mas nada está perdido para Trump. A luta pelos "swing states" continua

O dia em que os norte-americanos vão saber quem é o próximo presidente dos EUA está muito próximo. Entres sondagens, parece fácil levantar a ponta do véu. No entanto, é importante não esquecer que não …

Nani entre os candidatos a melhor jogador da época na MLS

O internacional português, capitão dos Orlando City, está entre os 46 jogadores nomeados para o prémio de melhor da época na liga norte-americana de futebol (MLS), anunciou, esta quinta-feira, o organismo. A eleição decorre até 9 …

"Estranho, muito estranho". Ana Gomes comenta morte do marido de Isabel dos Santos e é criticada

O empresário congolês Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, morreu no Dubai, durante a prática de mergulho. Uma morte prematura aos 48 anos que leva Ana Gomes a comentar o assunto como "estranho", "muito …

Conselho Europeu. Vacinas distribuídas de forma justa e fronteiras não vão fechar

O presidente do Conselho Europeu garantiu, esta quinta-feira, no final de uma videoconferência entre os líderes da União Europeia, que os 27 estão "unidos" para enfrentar a "luta difícil" contra a segunda vaga da covid-19. "A …

Teletrabalho sim, confinamento não. O que vai sair do Conselho de Ministros de sábado

O Conselho de Ministro reúne no próximo sábado para discutir novas medidas para conter a propagação do novo coronavírus e em cima da mesa está o regresso ao teletrabalho e medidas de restrição à circulação. A …