Depois de Trump, Bolsonaro ameaça retirar Brasil da OMS

Tânia Rêgo / Agência Brasil

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, ameaçou na sexta-feira retirar o país da Organização Mundial da Saúde (OMS), após acusar a entidade de atuar de forma “política”, “partidária” e “ideológica” num momento de pandemia de covid-19.

“Eu adianto aqui, os Estados Unidos saíram da OMS. Nós estudamos isso, no futuro… ou a OMS trabalha sem viés ideológico, ou saímos de lá também. Não precisamos de gente de lá de fora a dar palpite na saúde aqui dentro”, afirmou Bolsonaro a jornalistas e apoiantes à entrada do Palácio da Alvorada, a sua residência oficial em Brasília.

“Ou a OMS realmente deixa de ser uma organização política e partidária ou nós estudamos sair de lá”, acrescentou.

Bolsonaro aproxima-se assim da posição tomada pelo seu homólogo norte-americano, Donald Trump, que no final de maio afirmou que os Estados Unidos iriam deixar de financiar a OMS e “redirecionar os fundos para outras necessidades urgentes e globais de saúde pública que possam surgir”.

Donald Trump alegou que a OMS não soube responder de forma eficaz ao seu apelo para introduzir alterações no seu modelo de financiamento, depois de já ter ameaçado cortar o financiamento norte-americano a esta organização das Nações Unidas.

No início deste mês, o Presidente norte-americano tinha feito um ultimato à OMS, ameaçando cortar a ligação à organização se não fossem feitas reformas profundas na sua estrutura e no seu ‘modus operandi’.

Nessa altura, Trump suspendeu temporariamente o financiamento à OMS, no valor que está estimado em cerca de 400 milhões de euros anuais, o que corresponde a 15% do orçamento da organização.

A declaração de Bolsonaro sobre uma eventual saída do Brasil da entidade, acontece um dia após a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), vinculada à OMS, ter cobrado uma dívida de 24,2 milhões de dólares (21,4 milhões de euros) referente a pagamentos que o Governo brasileiro tem em atraso para com a entidade, segundo o jornal O Globo.

“O Trump cortou a grana [dinheiro] deles [OMS] e eles voltaram atrás em tudo. É só tirar a grana que eles começam a pensar diferente”, acrescentou Bolsonaro na sexta-feira, fazendo referência ao facto de a Organização ter retomado estudos clínicos com hidroxicloroquina para tratamento da covid-19.

Bolsonaro é um confesso admirador de Donald Trump, com quem tem fortalecido relações desde que chegou ao poder, em janeiro de 2019.

O chefe de Estado brasileiro esteve nos Estados Unidos em março, tendo regressado ao seu país com várias pessoas da sua comitiva infetadas pelo novo coronavírus, mas não restringiu viajantes norte-americanos de entrarem no país.

Contudo, Donald Trump decretou, em 24 de maio, a proibição de entrada nos Estados Unidos de todos os estrangeiros que tenham estado no Brasil nos 14 dias anteriores.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (109.042) e mais casos de infeção (mais de 1,9 milhões) pelo novo coronavírus, segundo a Universidade Johns Hopkins. Já o Brasil contabiliza 35.026 vítimas mortais e 645.771 casos confirmados.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Não tendo carapaça para ser um Presidente com aptitudes, a única capacidade que tem é a de um “Macaquinho de imitação” o que o Trump faz quer ele fazer também. Só lha falta de erguer também um muro para se isolar dos nove Países fronteiriços…….. Vá….. Bolsonaro, um pouco de ousadia !..O Trump vai ficar cheio de inveja !

RESPONDER

Tony Carreira internado. Cantor está "bem de saúde"

O cantor Tony Carreira foi internado esta quarta-feira no hospital de Faro devido a uma suspeita de enfarte do miocárdio. De acordo com o Observador, a assessora de Tony Carreira confirmou que o músico foi internado …

Portugal vs França Em Direto: Já há onzes oficiais, Renato e Moutinho de início

A seleção de Portugal joga esta quarta-feira o tudo por tudo contra a França, num encontro que pode significar o apuramento para os Oitavos de Final do Euro 2020 ou o regresso a casa mais …

Moradores desalojados saíram de reunião com a Câmara de Loures com “uma mão cheia de nada"

Moradores desalojados de Loures dizem não ter recebido nenhuma solução de realojamento por parte da Câmara, que nega que as casas estivessem ocupadas na altura em que os técnicos fizeram um levantamento para a sua …

Marta Temido aponta para continuação das restrições em Lisboa

A ministra da Saúde disse esta quarta-feira que a situação epidemiológica da covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo deve traduzir-se na continuidade da aplicação das medidas de restrição em vigor. “Os números neste …

Primeiro julgamento ao abrigo da lei de segurança nacional em Hong Kong

Um homem acusado de conduzir uma motocicleta contra polícias de Hong Kong, enquanto transportava uma bandeira de protesto, tornou-se esta quarta-feira na primeira pessoa a ser julgada ao abrigo da lei de segurança nacional, aprovada …

Lei húngara que discrimina população LGBT+ "é uma vergonha", diz Ursula von der Leyen

O projeto de lei aprovado pela Hungria, que proíbe a divulgação a menores de 18 anos de conteúdos que incluam a "representação e promoção de uma identidade de género diferente do sexo à nascença, da …

Técnicos de Emergência queixam-se de atraso no pagamento de subsídio de risco

O Sindicato dos Técnicos de Emergência Médica Pré-Hospitalar (STEPH) denunciou esta quarta-feira a falta de pagamento, pelo INEM, do subsídio de risco covid-19 referente a abril, que deveria ter sido pago com o salário processado …

Bastonária dos Enfermeiros apela ao aproveitamento de recém-licenciados para vacinação

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, salientou esta terça-feira a importância de serem aproveitados ao máximo os profissionais recém-licenciados que estão a entrar no mercado para aumentar o ritmo de vacinação …

Críticas de Merkel sobre entradas em Portugal são "difíceis de entender", diz Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considera "difíceis de entender" as críticas da chanceler alemã Angela Merkel sobre a entrada de ingleses em Portugal. Na terça-feira, Merkel criticou a falta de regras na União …

Governo britânico descarta referendo à independência da Escócia antes de 2024

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não vai autorizar um novo referendo à independência da Escócia antes das próximas eleições gerais, previstas para 2024, afirmou esta quarta-feira o ministro de Estado britânico, Michael Gove. Em entrevista ao …