Bloco rejeita cursos de medicina no privado

Mário Cruz / Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins

Para Catarina Martins, a “solução fácil” para o Serviço Nacional de Saúde passa pela criação de mais acessos à especialidade.

O Bloco de Esquerda rejeitou, este domingo, a criação de cursos de medicina nas universidades privadas, admitida pelo ministro do Ensino Superior, e alertou para a “enorme pressão” de interesses “muito poderosos” do setor privado da saúde.

Esta posição foi assumida por Catarina Martins no encerramento do “Acampamento Online Liberdade 2020” deste partido, que foi transmitido em direto no Facebook, em reação a declarações do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Na sexta-feira, o governante considerou que “a abertura e diversificação do ensino da medicina deve ser feita através de novas ofertas por outras instituições, públicas e privadas”, uma vez que as atuais universidades de medicina não querem aumentar o número de vagas.

Não nos enganemos”, aconselhou a coordenadora do BE, alegando que os grupos privados de saúde, “agora que cresceram, querem também gerar os seus próprios recursos humanos, a preços de saldo, porque ninguém vai fazer cursos de medicina em que não se paguem altas propinas e ninguém vai deixar que os estudantes não paguem com o seu trabalho tudo aquilo que estudaram, tudo aquilo a que tiveram acesso”.

“Ou seja, há uma enorme pressão dos privados, não só para ficarem com uma fatia cada vez maior do Orçamento do Estado, como também para terem uma mão de obra barata a trabalhar nos seus hospitais”, acrescentou.

Dirigindo-se ao ministro do Ensino Superior, Catarina Martins sugeriu que, se “acha que tem poucos médicos, tem uma solução fácil”, que consiste, em primeiro lugar, “em ver com o Ministério da Saúde por que é que não abrem os concursos para especialistas“, referindo que em Portugal há “mais de 700 médicos sem acesso à especialidade”.

“O segundo passo é, claro, aumentar a capacidade formativa das universidades públicas. Mas com mais médicos especialistas e distribuídos por todo o território e com investimento nos hospitais, em mais hospitais”, completou.

De acordo com Catarina Martins, “nos próximos tempos a pressão vai ser gigantesca, com a chantagem da covid”, para se “abrir o curso de medicina que aquele privado quer” ou para se “dar aquele dinheiro ao privado para fazer cirurgias”.

“Todo o tipo de chantagem vai aparecer”, reforçou, concluindo que estes são “tempos complicados” para o Serviço Nacional de Saúde, que corre o risco de a prazo ficar “ainda mais frágil, com os privados a crescerem ainda mais“.

No final da sua intervenção, a coordenadora do BE fez um apelo à responsabilidade e determinação política para se “desmascarar todas estas manobras”, lembrando que os partidos à esquerda aprovaram em conjunto com o PS “uma nova Lei de Bases da Saúde que pusesse o SNS no centro”.

Não basta uma lei, é preciso a prática”, defendeu, advertindo que “os interesses privados da saúde são muito poderosos e estão mesmo a tentar, depois de terem falhado em tudo, depois de terem deixado as pessoas sem nada, mesmo assim, ver se lucram com esta crise”.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. A cegueira politica e ideologica é total para estes pseudo-politicos. Não querem abertura de mais cursos de medicina em Portugal mas não se importam que tantos jovens tenham de ir para o estrangeiro estudar medicina pagando horrores porque em Portugal não conseguem vaga. Deviam ter vergonha.

    • Desta vez, tenho de concordar com a drogatita.

      Se se abrir nos privados, é ver os betos serem todos medicos, mesmo sem vocação ou média.
      Como se sabe nosa privados os euros pagam as notas!!!!!

  2. minha senhora o estado nao tem necessariamente de assumir a formacao 100 por cento tem de regular mercados e dixarem o mercado funcionar porque é necessario. concorrencia é desejada e saudaveil…o estado gordo é pedra no sapato das pessoas, nada funciona so pedem dinheiro…so alimenta parasitas como quase todos os policos… va trabalhar é o que precisa primeiro experiencia e saber depois vem politiquices… nao enganar mais os segos….

  3. Ora vejamos, cá em Portugal temos muitos casos (para não dizer demasiados) casos de filhos médicos que os país também o eram. Não será um caso de “elite fechada” onde só pode haver uma quantidade deficitária de médicos regida pela “ordem dos médicos”? Isto é apenas uma teoria minha.
    Mas levamos a nos a importar médicos.

Itália volta a disputar a fronteira do Monte Branco com França

Depois das autoridades francesas imporem medidas restritivas que afetaram o território italiano, o país reacendeu uma disputa antiga com França. Em causa estão os direitos de fronteira do Monte Branco. Luigi Di Maio, ministro das Relações …

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …