Bloco rejeita coligações mas apoia “geringonças autárquicas”

José Sena Goulão / Lusa

Catarina Martins, porta-voz do Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda (BE) acredita que o Governo está num bom caminho, mas que vai fracassar se “não houver uma nova estratégia para o país”, avisando que a Europa e a escassez de recursos podem deitar abaixo a maioria. 

A moção de estratégia da direção do Bloco, intitulada “A Força da Esperança – O Bloco à Conquista da Maioria”, traça a estratégia do partido para os próximos dois anos e já foi discutido em reuniões distritais do BE no Porto e em Lisboa.

O Bloco defende que sem uma nova estratégia “não é possível vencer a austeridade e sustentar o compromisso de recuperação de rendimentos em que assenta a maioria parlamentar. Ainda que tímida, essa recuperação, se não criar nova margem de manobra, ficará em causa pela pressão externa e pela escassez de recursos“, refere o texto da moção conjunta à próxima Convenção, subscrita pelas principais tendências, citado pela TSF.

No projeto de moção, o Bloco insurge-se contra a “chantagem europeia”, que é atualmente “o grande apoio da direita para tentar repor o ciclo de concentração da riqueza e austeridade permanente e assim ameaçar a maioria parlamentar”.

Nesse contexto, até Marcelo Rebelo de Sousa é criticado: “É sob esse pano de fundo que também ocorre a presente tentativa de presidencialização do regime político, que marca o início do mandato do novo Presidente da República. As suas pressões para ‘acordos de regime’ visam repor as relações históricas e o alinhamento à direita dos partidos da alternância”.

Depois de sublinhar as “pressões regressivas das instituições europeias e às características do PS perante elas”, o BE deixa o aviso à navegação: “Como ficou claro na assinatura do acordo com o PS, o Bloco não aceitará cortes em salários e pensões ou nova carga fiscal sobre esses rendimentos, por via direta ou através do agravamento da tributação de bens essenciais e espera que os parceiros deste entendimento não o violem”.

No que toca às outras partes da aliança de Esquerda, “o Bloco de Esquerda valoriza o contributo que o PCP tem dado para uma política de recuperação de rendimentos, direitos e serviços públicos e está disponível para encontrar novas formas de diálogo e cooperação com o PCP para a solução dos problemas dos trabalhadores”.

O partido sublinha esta “atitude construtiva mesmo perante a ocorrência de episódicas expressões de sectarismo“, numa possível alusão ao recente Congresso da CGTP, no qual a maioria comunista impediu o desejo do BE de ter um elemento na comissão executiva da central sindical.

“Geringonças locais”

Na parte respeitante às eleições locais, a moção conjunta das suas principais tendências do BE faz um “balanço positivo das candidaturas de movimentos cívicos em que participou nas anteriores autárquicas e aposta na sua continuidade” para 2017.

No entanto, o BE recusa coligações pré-eleitorais antes das autárquicas de 2017, mas quer “maiorias de transformação à esquerda” pós-eleições – ou, como apelida o Expresso, “geringonças locais“. O Bloco afasta, assim, apelos como o do PS, nomeadamente por parte de Fernando Medina, para as eleições em Lisboa.

“As eleições regionais de 2016 e as autárquicas de 2017 são importantes para o Bloco, para reforçar a sua intervenção política quotidiana. O Bloco apresentará a sua alternativa nos Açores e nas autarquias, concretizando as maiores convergências locais em torno de programas que ponham as pessoas à frente dos interesses financeiros e imobiliários“, diz o texto.

A moção conjunta que as principais tendências do Bloco de Esquerda (BE) levam à próxima Convenção do partido pede o reforço da “intervenção política quotidiana” do BE, nomeadamente com o aumento da representação do partido nas autárquicas de 2017.

E a moção prossegue: “Em cada executivo, o Bloco contribuirá para maiorias de transformação à esquerda, nelas estando disponível para todas as responsabilidades, contribuindo para isolar e derrotar a direita nos órgãos autárquicos”.

O texto tem como proponentes figuras de várias tendências do Bloco, nomeadamente Catarina Martins, Jorge Costa e Pedro Soares (os três da Plataforma Unitária), Pedro Filipe Soares, Joana Mortágua e Mariana Aivaca (da Esquerda Alternativa) e Adelino Fortunato, Helena Figueiredo e Paulino Ascenção (da tendência minoritária “Refundar o Bloco”).

A próxima Convenção Nacional do Bloco está agendada para 25 e 26 de junho e irá decorrer em Lisboa.

ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se estão no bom caminho necessitam de uma nova estratégia, será que vão mudar de estratégia todos os dias?

RESPONDER

Turismos de Portugal e Espanha querem "confinar" população na Península Ibérica. Fronteiras só abrem em julho

Os Turismos de Portugal e Espanha estão a preparar campanhas de promoção para captar os 55 milhões de habitantes dos dois país durante o verão. De acordo com o semanário Expresso, Portugal e Espanha preparam-se para …

Autocarro do Benfica apedrejado. Casas de jogadores vandalizadas com ameaças

O autocarro benfiquista foi apedrejado após o jogo com o Tondela. Além disso, a casa de alguns jogadores foram grafitadas com ameaças, nomeadamente a de Pizzi. O autocarro do Benfica foi atacado após o empate frente …

Rio só está à espera de Marcelo. E não se compromete com o Orçamento

O presidente do PSD deu uma entrevista à TSF, na qual afirmou que só está à espera que Marcelo Rebelo de Sousa avance para anunciar o apoio do partido à sua recandidatura. Em entrevista à TSF, …

Contrariando as autoridades, Hong Kong assinala aniversário de Tiananmen. "Podem reprimir as nossas atividades mas não o nosso espírito"

Evocando razões de saúde pública devido à pandemia, as autoridades de Hong Kong proibiram a vigília de quinta-feira que visava assinalar o 31.º aniversário do massacre de Tiananmen. As aglomerações com mais de oito pessoas …

Governo pondera criar nova contribuição sobre a banca para financiar Segurança Social

O Governo de António Costa está a estudar a criação de uma contribuição adicional de solideriedade sobre o setor bancário para ajudar a financiar a Segurança Social e fazer face aos custos de resposta à …

Arqueólogos encontram rara ferramenta de caça com 300 mil anos

Arqueólogos encontraram uma ferramenta de madeira utilizada na caça há 300 mil anos. É muito raro encontrar artefactos paleolíticos feitos de madeira, realça o autor do estudo. Uma equipa de investigadores da Universidade de Tübingen e …

Twitter não descarta suspender conta de Donald Trump

Um alto responsável da plataforma digital Twitter não excluiu a suspensão da conta da Donald Trump caso o Presidente norte-americano prossiga a publicação de mensagens incendiárias que transgridam as regras daquela rede social. Com 81,7 milhões …

Patrões agradados com o plano do Governo. PSD diz que "é muito fraco"

Enquanto patrões e sindicalistas ficaram bastante satisfeitos com o Programa de Estabilização Económica e Social apresentado pelo Governo, o PSD deixou duras críticas. Esta quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, onde foi aprovado o plano …

Na resposta a uma crise, ligações humanas podem piorar ainda mais as coisas

Um novo estudo sugere que a conexão humana nem sempre é uma coisa boa, sobretudo quando se trata de ultrapassar uma crise com sucesso. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 2480 voluntários …

Brasil ultrapassa Itália e torna-se no terceiro país com mais mortes

O país sul-americano, que tem uma população estimada em 210 milhões de habitantes, contabiliza 34.021 vítimas mortais e 614.941 casos confirmados. O Brasil ultrapassou a Itália e tornou-se no terceiro país do mundo com mais mortes …