Apesar de apoiarem a reivindicação, Bloco e PCP não compram guerra dos professores

Estela Silva / Lusa

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins

PCP e Bloco de Esquerda já aceitaram deixar de fora das negociações do Orçamento do Estado para 2019 a questão que divide os dois partidos face ao PS e ao Governo: os professores.

Esta segunda-feira, a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse ontem o que Jerónimo de Sousa já tinha afirmado há uma semana, em entrevista à RTP: forma como o Orçamento do Estado tem de resolver as exigências salariais dos professores já está prevista do Orçamento atualmente em vigor (OE 2018).

Assim, não será a carreira dos professores a fazer com que o Orçamento do Estado para 2019 não seja aprovado. A chave para a solução deste problema está no Orçamento do Estado corrente, consideram os partidos, atirando para o Governo a responsabilidade pela forma como levou à prática o que estava previsto.

Apesar de não deixaram de criticar o Governo pelas suas escolhas, PCP e Bloco não farão disso uma guerra sua, adianta o Jornal de Negócios.

“A contagem do tempo de serviço dos professores foi decisiva no Orçamento passado. Votámos que em todas as carreiras o tempo de serviço seria contado. Pela nossa parte é uma matéria a que não voltaremos no próximo Orçamento“, disse a líder do Bloco.

Jerónimo de Sousa também considera que o seu partido já fez o que tinha a fazer. “O Orçamento do Estado para 2018 consagrou a reivindicação dos professores”, afirmou, acrescentando que a questão dos professores não seria uma condição necessária para que o PCP aprovasse o Orçamento.

Para o líder dos comunistas, a forma como o tempo passado será considerado é uma matéria que deve ser discutida com os sindicatos. “É neste quadro [negociação entre sindicatos e Governo] que se deveria considerar esta justa reivindicação dos professores”, sustentou.

O Governo ofereceu aos docentes a restituição de apenas dois anos, nove meses e 18 dias de serviço, e anunciou, na sequência do falhanço da reunião negocial da passada sexta-feira, que será publicado em breve um decreto-lei a formalizar esta decisão.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Assunto mal gerido pelo governo.
    Primeiro não deveria ter prometido o que não podia cumprir.
    Segundo, os professores têm todo o direito de ver reconhecido o tempo integral em que trabalharam.
    Já a afectação da progressão nas carreiras pelo tempo, deveria ser reavaliado e ajustado às possibilidades orçamentais. Desconheço porque o governo não faz isso, que está nas suas mãos e é perfeitamente aceitável pelos restantes cidadãos.

RESPONDER

Ano vai ser "inevitavelmente" de contestação social, avisa CGTP

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que este ano vai ser “inevitavelmente” de contestação social se o Governo e as empresas continuarem a insistir num modelo de baixos salários. O líder da intersindical …

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …