BCP e Novo Banco disponíveis para retribuir ajuda aos contribuintes portugueses

António Cotrim / Lusa

O Novo Banco e o Millennium BCP estão disponíveis para retribuir a ajuda aos contribuintes portugueses para que a economia e as famílias possam enfrentar a crise desencadeada pela pandemia da covid-19 e as suas consequências.

Em entrevista à SIC Notícias, o presidente do BCP, Miguel Maya, e o presidente do Novo Banco, António Ramalho, reconhecem que, depois de serem ajudados pelas contribuições dos portugueses, é tempo agora de retribuir a ajuda.

“O Millennium BCP sabe muito bem o que é ser ajudado e a importância da ajuda, porque nós tivemos num momento crítico da vida do banco uma ajuda dos contribuintes portugueses e sem essa ajuda não teríamos sobrevivido. Fomos capazes de devolver essa ajuda aos contribuintes portugueses e pagar mais mil milhões”, disse Miguel Maya.

António Ramalho, cuja instituição bancária ainda está a ser ajudada pelo Estado, concorda com Miguel Maya: “Seguramente é o momento de ajudar”, começou por dizer.

E é o momento de ajudar para todos os bancos. Não fiquemos apenas pelos dois bancos que aqui estão [na entrevista da SIC]. Todos os bancos vão seguramente ajudar. Não há uma sociedade que possa funcionar numa crise como esta sem toda uma colaboração de todos os intervenientes”, considerou.

Na mesma entrevista, Miguel Maya explica que o BCP tem preparado um pacote de medidas que ascendem a 4,7 mil milhões de euros. Questionado sobre a implementação de moratórias, o líder bancário alerta que só falta o “diploma legal”, da Autoridade Europeia Bancária, para fazer as reestruturações que vierem a ser solicitadas.

Temos as medidas todas preparadas. Falta diploma legal que permita que essas reestruturações se enquadrem numa moratória e que essa moratória”, sublinha.

Neste aspeto, o presidente do BCP voltou a concordar com Miguel Maya. António Ramalho defendeu que “o fundamental é assegurar a liquidez”, alertando que vem aí, nos próximos meses, “um outro vírus”. “Daqui a uns meses temos de ter os bancos em boas condições para financiar a economia. É fundamental que esta moratória se concretize”, disse.

O mesmo responsável recordou que o Novo Banco já reduziu, quase na totalidade, várias comissões bancárias nas transferências online, pagamentos de serviços, entre outros.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O Governo vem anunciar e bem medidas de apoio nomeadamente as moratórias aos desempregados, mas não pudemos esquecer aqueles que apesar de não estarem no desemprego, muitos tem vencimentos quase idênticos aos que estão no desemprego, com a agravante que tem monte de coisas para pagar e sem ajudas.
    Vemos os bancos pomposamente nas Tvs, dizerem vão ajudar, vão fazer, na pratica, só burocracias, dificuldades e no fim montanha pariu um rato, anunciam medidas em que nada aliviam a carga das famílias, como por ex; isenção de comissões nas transferências e pagamentos…mas para estas operações as famílias tem que ter dinheiro na conta e muitas mal tem para o pão.
    Bancos que foram ajudados até a exaustão de todas as famílias e todos os Portugueses e agora aperaltam-se para vir anunciar medidas de isenção em que pouco ou nada aliviam, outros com rendimentos baixos desde que não tenham sido despedidos ficam de fora,
    A que repensar muito acerca desta banca…

RESPONDER

Governador do Rio de Janeiro acusado de fraude com hospitais de campanha

O Ministério Público brasileiro indicou ter reunido provas de que o governador do Rio de Janeiro comandou uma organização que defraudou a construção de hospitais de campanha, no âmbito do combate à covid-19. De acordo com …

Centeno já cativou mais de 1025 milhões de euros no Orçamento de 2020

As cativações no Orçamento do Estado (OE) para 2020 ascendem a 1025,5 milhões de euros, revelou o boletim da Direção-Geral do Orçamento relativo a abril, montante inferior ao do OE 2019. Segundo avançou o Expresso esta …

Supremo Tribunal anula presidência parlamentar de Juan Guaidó

Esta terça-feira, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela reconheceu como presidente do parlamento Luís Parra, um dissidente da oposição. O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) declarou nula a junta de direção da Assembleia …

Há 285 novos casos de covid-19. São quase todos na Grande Lisboa

A região de Lisboa continua a registar o maior número de novos casos de covid-19 registados no país. A Direcção Geral de Saúde (DGS) anuncia hoje 31.292 infectados com o coronavírus, mais 285 do que …

Com bens arrestados e a filha a pagar contas, é quase impossível cobrar multa de 3,7 milhões a Ricardo Salgado

O Tribunal Constitucional confirmou a multa de 3,7 milhões de euros que foi aplicada pelo Banco de Portugal ao banqueiro Ricardo Salgado, mas é quase impossível cobrar esse valor. O ex-presidente do BES tem os …

França suspende tratamentos com hidroxicloroquina

O Governo francês decidiu esta quarta-feira suspender os tratamentos à base de hidroxicloroquina para pacientes infetados com a covid-19. O Executivo revogou o decreto de 11 de maio que autorizava a prescrição e a administração …

Decisão unânime. Deputados vão pedir para ver contrato de venda do Novo Banco (e para ouvir Carlos Costa)

Os deputados da comissão de orçamento e Finanças aprovaram esta quarta-feira por unanimidade o requerimento do Bloco de Esquerda para que seja entregue ao parlamento o contrato de venda do Novo Banco ao Lone Star. Segundo …

Portugal poderá receber 26,3 mil milhões de Bruxelas. 15,5 mil milhões a fundo perdido

Portugal poderá receber 26,3 mil milhões de euros em subvenções e empréstimos no âmbito do Fundo de Recuperação da União Europeia (UE), após a crise da covid-19, que ascende a um total de 750 mil …

"Taxa covid" cobrada por clínicas e hospitais privados não é ilegal (e pode alastrar ao comércio)

Aumentaram, nos últimos dias, as queixas à DECO, a Associação de Defesa do Consumidor, relacionadas com o pagamento de taxas adicionais no acesso a hospitais e clínicas privadas. Taxas que se destinam a pagar os …

O Banif deixou de ser um banco em 2015, mas continua sem haver relatório obrigatório por lei

Os credores aguardam há quatro anos e meio que seja divulgado o relatório que diga qual a percentagem de recuperação a que têm direito por lei. A 20 de dezembro, completaram-se quatro anos desde que o …