Com um atraso de cinco meses, nova tabela de preços da ADSE passa para a próxima legislatura

Falta de pessoal, tarefa de enorme complexidade, recolha de informação junto de diversas fontes, têm sido algumas das explicações avançadas ao longo de cinco meses para o atraso na finalização das novas tabelas de preços para o regime convencionado da ADSE.

Segundo um artigo do Expresso, divulgado na quarta-feira, embora a sua conclusão já tinha sido dada como certa, foi agora avançado um novo prazo: meados de agosto. Eugénio Rosa, membro do Conselho Diretivo da ADSE, disse que em meados deste mês as tabelas têm que estar prontas e serão depois apresentadas aos prestadores, para serem ouvidos e se pronunciarem sobre as propostas.

Porém, não seria a primeira vez que o economista falha a previsão. Este, no entanto, garantiu: “Agora há memorandos de entendimento, recentes, assinados com os prestadores privados, que fixam o meio do mês como prazo”.

Questionado sobre se as tabelas estarão prontas em agosto, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, respondeu: “Espero bem que sim!”, referindo que, devido a demora, esta deve ser uma “tarefa difícil”.

Já o presidente do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE, João Proença, quando questionado pelo Expresso sobre as tabelas, indicou: “Não há ainda”. A necessidade de a ADSE ter preços aprovados tem sido uma das recomendações recorrentes do CGS, que deve receber as novas tabelas antes de estas serem enviadas para os privados.

Depois da proposta da ADSE ser entregue aos grupos hospitalares privados, estes têm 90 dias para se pronunciar sobre os preços sugeridos e propor alterações. A forma como as negociações irão decorrer também está vertida nos memorandos de entendimento mencionados por Eugénio Rosa. Só quando houver um documento final é que será sujeito a apreciação e aprovação pelos ministérios da Saúde e das Finanças, que tutelam a ADSE.

Manuel De Almeida / EPA

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença

Não é difícil antever que a “batata quente irá passar para a próxima legislatura”, lê-se no artigo do Expresso.

Sem preços definidos e aprovados para todos os atos médicos, procedimentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos, entre outros, a regra das regularizações – um acerto de contas feito entre a ADSE e os privados – não vai acabar.

Neste momento, só estão em aberto os preços de medicamentos – exceto oncológicos -, dispositivos médicos – exceto lentes intraoculares -, e os consumos em sala cirúrgica, no caso em que o respetivo procedimento não esteja em pacote.

Processo das regularizações segue caminho

De acordo com o Expresso, as tentativas de fixar preços não são de agora e tem havido progressos. Isto implica que os diferentes prestadores cobrem preços, muitas vezes distintos e, também não raras vezes, muito assimétricos, cabendo à ADSE encontrar o custo adequado. Para isso, assume o montante mais baixo como o valor de mercado. Quem faturou acima desse montante deve reembolsar a ADSE pelo excedente.

De uma forma resumida e simples, é este princípio que subjaz à regra das regularizações, que, em 2015 e 2016, garantiu a ADSE, somaram cerca de 38 milhões de euros, exigidos aos privados no final do ano passado. Cerca de dois terços deste valor terão a ver com a regra dos preços mínimos aplicados a próteses e a medicamentos oncológicos.

Esta exigência da ADSE desagradou os prestadores convencionados, sobretudo dos grandes grupos de saúde, que a contestaram (inclusivamente recorrendo à Justiça) e ameaçaram romper os acordos com o subsistema de saúde dos funcionários públicos.

Mário Cruz / Lusa

A presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Sofia Portela

Os ânimos acalmaram com a promessa das novas tabelas de preços, cujas primeiras garantias de conclusão foram dadas pela presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Sofia Portela, em sede de comissão parlamentar, em fevereiro.

“A nossa expectativa é, dentro de muito pouco tempo, podermos apresentar uma tabela com preços fechados. E com preços fechados a regra das regularizações deixa de fazer sentido”, afirmou na altura Sofia Portela.

Além disso, sublinhou que a tentativa de acabar com os preços abertos é um caminho que se está a fazer “há mais de dois anos” e que permitiu fixar limites em alguns medicamentos oncológicos, exames de gastro e num conjunto de procedimentos cirúrgicos mais frequentes.

Em 2009, as tabelas gerais dos custos com cirurgias (em ambulatório e com internamento) acabaram e os preços para estes procedimentos passaram a ser abertos, com os privados a definir os valores. Ficou também estabelecido que, anualmente, haveria um acerto de contas, em que os privados devolviam dinheiro à ADSE sempre que cobrassem acima do preço médio acrescido de 10%.

Ou seja, as regularizações não são uma novidade para os privados que, com mais ou menos acertos e com mais ou menos contestação, sempre as acataram, frisou o Expresso.

Em 2014, houve uma nova mudança e as regularizações passaram a incluir os medicamentos oncológicos e as próteses intraoperatórias, os chamados dispositivos médicos (pacemakers, lentes oculares ou implantes auditivos). A regra passou a ser a ADSE a aplicar e a fixar o preço mínimo.

Acerto de contas com os privados é dado como certo

A prioridade da ADSE são as tabelas de preços, mas o processo de regularizações tem seguido os seus trâmites, asseguraram Eugénio Rosa, Francisco Ramos e João Proença. Além das contas de 2015 e de 2016, há que fechar, depois, as de 2017, 2018 e 2019.

“As regularizações vão acontecer”, garantiu o secretário de Estado Francisco Ramos, lembrando que há um parecer da Procuradoria-geral da República que legitima as regularizações das faturas, o que obriga a ADSE a exigir os montantes que terão sido faturados a mais pelos prestadores privados.

As regularizações de 2015 e 2016 levaram a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) a colocar uma providência cautelar sobre a irregularidade destas regras, mas o juiz não lhe deu razão. Depois, o então ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes pediu um parecer ao conselho consultivo da Procuradoria-geral da República, que sustenta a legalidade das regularizações.

Este parecer foi homologado pelos ministérios da Saúde e das Finanças e foi publicado em Diário da República, o que, segundo a presidente Sofia Portela, obriga a ADSE a executá-lo.

Para já, os grupos hospitalares foram ouvidos e exerceram as contestações que acharam legítimas. A existência de acertos é consensual entre os vários intervenientes deste processo, até porque haverá situações de faturas com erros.

O Expresso tem contactado Sofia Portela, por diversas vezes, mas sem sucesso.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Câmara do Porto encerra cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro

O presidente da Câmara do Porto anunciou o encerramento dos cemitérios em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, justificando a decisão com a necessidade de desviar meios para cumprir a proibição de …

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …

Cercas sanitárias e recolher obrigatório. Governo avalia novas medidas na próxima semana

O Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, vai voltar a reunir na próxima semana com o Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP), num encontro em que serão discutidas novas medidas para travar a propagação …

Presidenciais EUA. Biden promete vacina gratuita para todos, Trump apela ao voto latino

Joe Biden e Donald Trump continuam em campanha eleitoral para a corrida à Casa Branca, numas eleições que estão agendadas para 3 de novembro. O candidato presidencial democrata Joe Biden prometeu esta sexta-feira que a vacina …

Há 72 concelhos com risco "muito elevado" de contágio. Governo esconde mapas de perigo

O Governo insiste em não divulgar os mapas de perigo com o risco de contágio por coronavírus que foram feitos por peritos da Direcção Geral de Saíde (DGS). Isto numa altura em que o Expresso …

Nuno Melo estuda candidatura à liderança do CDS

O eurodeputado Nuno Melo não excluiu uma candidatura à liderança do CDS, avança este sábado o semanário Expresso. Confrontado pelo jornal, o eurodeputado não excluiu uma eventual candidatura à liderança dos centristas, dizendo apenas que "não …