Portugal alarga AstraZeneca a maiores de 65. Professores e funcionários incluídos na 1.ª fase

Luong Thai Linh / EPA

A Direção-Geral da Saúde atualizou as recomendações de utilização da vacina da Astrazeneca esta quarta-feira, que passa agora a poder ser administrada a maiores de 65 anos. 

O Público avança, esta quarta-feira, que a vacina da AstraZeneca-Oxford vai passar a ser administrada em Portugal também a maiores de 65 anos.

A meio da manhã, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou a norma relativa à vacina “de forma a permitir a sua utilização sem reservas a partir dos 18 anos, dada a sua segurança, qualidade e eficácia comprovadas, tal como foi aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos”.

“Esta decisão tem suporte na divulgação de dados conhecidos nos últimos dias, que indicam que a vacina da AstraZeneca é eficaz em pessoas com mais de 65 anos”, lê-se no comunicado da DGS.

Os novos estudos, “com base em metodologias científicas robustas”, demonstram que a vacina “é eficaz em indivíduos com 70 ou mais anos, quer na prevenção da covid-19, quer na redução das hospitalizações por esta doença, reforçando os dados iniciais de que esta vacina é capaz de produzir anticorpos eficazes no combate à infeção por SARS-CoV-2, mesmo em pessoas mais velhas”.

Nos últimos dias, outros países da União Europeia têm vindo a alterar a recomendação sobre a vacina da AstraZeneca, tendo por base estudos divulgados no Reino Unido e depois de os peritos da comissão técnica de vacinação e de outros especialistas, além do gabinete de crise da covid-19 da Ordem dos Médicos, terem proposto a alteração da recomendação.

Depois de França, também a Alemanha, Dinamarca e Suécia deram luz verde à utilização da vacina nos idosos. Esta semana, Itália seguiu o mesmo caminho.

Professores e funcionários incluídos na 1.ª fase

O mesmo comunicado divulgado pela Direção-Geral da Saúde revela que os professores e os funcionários das escolas vão ser incluídos no grupo prioritário a ser vacinado durante a primeira fase.

“No âmbito da resiliência do Estado, serão também vacinados o pessoal docente e não docente dos estabelecimentos de ensino e educação e das respostas sociais de apoio à infância dos setores público, privado e social e cooperativo, de acordo com o plano logístico que será implementado”, lê-se na nota, citada pelo Observador.

A DGS atualizou também os grupos prioritários, incluindo na primeira fase as pessoas com trissomia 21, “pelo risco acrescido de evolução para covid-19 grave”.

No início do mês, em entrevista à SIC, a ministra da Saúde já tinha revelado que o Governo estava a equacionar a hipótese de incluir professores e funcionários de escolas na primeira fase do processo de vacinação, ao abrigo do processo de desconfinamento.

“É uma hipótese que está a ser analisada, e não só em Portugal mas noutros países também”, disse, na altura, Marta Temido.

Balanço da vacinação em Portugal

Na terça-feira, a DGS divulgou o relatório semanal sobre a operação de vacinação em Portugal Continental, que indica que quase metade (47%) dos idosos com 80 ou mais anos já receberam a primeira dose da vacina e 10% já têm a vacinação completa.

Portugal aproxima-se, assim, da meta traçada pela Comissão Europeia para o final de março: ter, pelo menos, 80% da população mais idosa inoculada com a primeira dose.

O ritmo da vacinação desacelerou na última semana em Portugal, em comparação com a semana anterior (160 mil vacinas, menos 24 mil).​ Ainda assim, em todo o Continente, e até domingo, 293.245 pessoas já tinham recebido as duas doses das vacinas, mais 26.059 do que na semana passada.

Nos últimos sete dias, foram vacinadas com a primeira dose mais 133.974 pessoas. No total, mais de 7% da população (739.662 pessoas) já recebeu a primeira dose das vacinas desde que a operação começou.

A Renascença adianta, esta quarta-feira, que cerca de vinte mil elementos das forças de segurança que fiscalizam as regras do estado de emergência já estão vacinados.

“Neste momento, estão cerca de 20 mil efetivos [da GNR e da PSP] vacinados, correspondendo à disponibilidade de vacinas no quadro daquilo que são funções essenciais do Estado”, disse Eduardo Cabrita aos jornalistas.

  Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

    • Que miséria de governo. Determinaram há cerca de um mês que não iam utilizar a vacina da AstraZeneca para maiores de 65 anos e agora, que 7 países europeus a rejeitaram, vêm dizer que a vão administrar. Como se pode confiar nestes gajos? Os meus pais disseram-me que não a vão tomar, uma vez que se confirmam efeitos colaterais graves.

RESPONDER

Novo ano letivo marcado pelo recorde de pedidos de bolsas de estudo no superior

Número crescente de alunos e perda de rendimentos das famílias são duas das razões apontadas para os pedidos recorde. O ano letivo 2021/22 ainda agora arrancou, mas já está a bater recordes no que respeita aos …

Urgências em Lisboa estão cheias. Situação pode piorar nas próximas semanas

As urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, estão em situação crítica, com tempos de espera elevados. A situação de calamidade multiplica-se em vários hospitais do país, de …

Portugal já tem 86% da população totalmente vacinada contra a covid-19

A vacinação completa contra a covid-19 abrange já 86% da população portuguesa e são já mais de nove milhões de pessoas as que têm pelo menos uma dose da vacina, de acordo com os dados …

Direção do CDS desautoriza Telmo Correia e defende eleições "o mais brevemente possível"

A direção do CDS-PP não gostou de ouvir o líder parlamentar dizer que a melhor altura para realizar eleições legislativas seria no final de janeiro ou fevereiro. Depois de uma reunião com o presidente da Assembleia …

Órban e Le Pen apoiam a Polónia e criticam "imperialismo" da UE

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e a líder da União Nacional (RN, na sigla em francês), Marine Le Pen, manifestaram esta terça-feira apoio à Polónia no conflito que mantém com a UE, a qual acusam …

Após goleada frente ao Bodø/Glimt, Mourinho põe de lado quatro jogadores

Em duas convocatórias consecutivas, José Mourinho deixou de fora quatro futebolistas que participaram na derrota por 6-1 frente ao Bodø/Glimt. Naquela que foi a maior derrota de sempre da carreira de José Mourinho, o Tottenham perdeu …

O que cai e o que fica: as medidas que o chumbo do OE deita por terra e as que permanecem

O grosso das medidas previstas na proposta de Orçamento do Estado para 2022 não deverá sair do papel. As aprovadas em Conselho de Ministros, por sua vez, manter-se-ão viáveis, já foram discutidas fora da sede …

Truque permite que o Orçamento não seja votado esta quarta-feira

Há um mecanismo que, se for acionado, permite que o Orçamento do Estado para 2022 sobreviva mesmo que não seja votado. O Orçamento do Estado para 2022 pode baixar à comissão sem votação. Este mecanismo, nunca …

Conceição reconhece supremacia do Santa Clara e admite culpa na derrota

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, reconheceu que o Santa Clara foi superior e diz-se culpado pela derrota pesada que deixa o clube fora da Taça da Liga. O FC Porto está fora da Taça …

"Vechtpartij", quadro de Jan Steen.

Antigos jogos de bebida acabavam em vinho derramado e esfaqueamentos

Hoje vistos como jogos de diversão para jovens, na antiguidade, os drinking games (jogos de bebida) eram comuns em toda a sociedade — e, por vezes, terminavam mal. O kottabos era um antigo jogo de bebida …