Vacina da AstraZeneca em “pausa” não demove governantes europeus. Parecer da EMA é conhecido hoje

Fred Tanneau / AFP

A suspensão da vacina da AstraZeneca não assustou alguns governantes europeus, que querem receber o fármaco e passar confiança aos cidadãos.

A vacina da AstraZeneca está suspensa em vários países europeus, mas não é por isso que os respetivos governantes deixam de defender o fármaco.

António Costa é exemplo disso mesmo. Na terça-feira, o primeiro-ministro português disse que a decisão de suspender a administração da vacina em Portugal foi tomada por mera precaução e pediu aos portugueses para permanecerem tranquilos.

“Estou convosco, também tomei a primeira dose da vacina. Anseio pela segunda”, afirmou o governante. “Toda a evidência científica demonstra que a vacina é segura e efetiva. Digo isto com a tranquilidade de eu estar a ser vacinado com a vacina da AstraZeneca. Já tomei a minha primeira dose e aguardo a segunda em maio.”

Graça Freitas realçou que apesar de as reações serem “extremamente graves”, são também “extremamente raras”. A diretora-geral da Saúde apelou a quem já foi vacinado com a AstraZeneca em Portugal que fique tranquilo, já que “no nosso país não foram reportados casos semelhantes ao encontrado nos outros países”.

Tal como António Costa, o primeiro-ministro francês, Jean Castex, referiu, em declarações à emissora BFM-TV, que quer receber a primeira dose da vacina da AstraZeneca assim que “a suspensão” seja “levantada”.

Ao contrário de Portugal e França, a Lituânia interrompeu temporariamente a administração de vacinas do lote alvo de suspeitas. Segundo o ECO, Arunas Dulkys, ministro da Saúde da Lituânia, também disse que vai escolher o fármaco desenvolvido pela fabricante anglo-sueca quando chegar a sua vez de ser vacinado.

Pessoalmente, escolherei a vacina da AstraZeneca e não uma outra vacina, pois quero dissipar as preocupações”, afirmou, citado pelo Delfi.

No Reino Unido, a vacina da AstraZeneca continua a ser administrada e o Governo tem vindo a inisstir que o fármaco é seguro e eficaz. O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou que iria ser vacinado “muito em breve” e que “certamente” receberia a vacina da “Oxford/AstraZeneca”.

Os resultados do estudo da avaliação de segurança à vacina, da Agência Europeia do Medicamento (EMA), deverão ser conhecidos esta quinta-feira.

À TSF, Stella Kyriakides, comissária europeia da Saúde, espera que as dúvidas em torno da vacina da AstraZeneca se dissipem. O regulador europeu está a realizar novos estudos ao fármaco para procurar uma relação entre a administração da vacina e casos raros de coagulação do sangue.

“Uma vez que uma opinião definitiva da Agência Europeia do Medicamento esteja tomada, creio que o que precisam de fazer é comunicar isto muito claramente, porque é com comunicação e transparência que se constrói a confiança. E nós precisamos de ter confiança nas vacinas”, disse.

“Se a opinião da Agência Europeia do Medicamento for de que a utilização da vacina continua a ser segura, então teremos de abordar a questão da confiança dos cidadãos”, admitiu a responsável, admitindo que tal possa ser feito de “forma muito eficaz, se os profissionais de saúde, os especialistas, em conjunto com a Agência Europeia do Medicamento, falarem a uma só voz sobre isto”.

Documento alemão explica decisão

Segundo o Observador, o Instituto Federal para as Vacinas e os Medicamentos da Alemanha publicou recentemente um documento destinado a guiar os cidadãos pelo processo que levou à suspensão da vacina da AstraZeneca.

“Uma forma específica de trombose venosa cerebral grave associada à deficiência de plaquetas (trombocitopenia) e a hemorragias foi identificada em sete casos (até ao dia 15 de março de 2021) em associação temporal com a vacinação com a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca”, lê-se no texto. “Todos os casos ocorreram entre quatro e 16 dias depois da vacina.”

Ao contrário do que tem sido reiterado pela EMA, o documento avança que “o número destes casos depois da vacinação com a AstraZeneca é mais elevado, com significado estatístico, do que o número de tromboses venosas que ocorrem normalmente na população não vacinada”.

Os cientistas alemães avisam que “se a reação adversa observada ocorrer estatisticamente mais frequentemente no grupo de indivíduos vacinados, isto é um sinal de risco, ou seja, um indicador de uma possível relação causal com a vacinação”.

Outro fator de preocupação é o facto de as idades dos mais afetados não baterem certo com a população que, naturalmente, está em maior risco de sofrer uma trombose venal com desfecho fatal.

“Todos os especialistas concordaram, unanimemente, que poderia ser discernido aqui um padrão e que uma ligação entre as doenças mencionadas e a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca não era implausível”, sublinha o documento, citado pelo jornal online.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Vídeo mostra salmões feridos devido ao sobreaquecimento das águas

O vídeo foi gravado por um grupo de conservação ambiental depois de uma onda de calor no Noroeste Pacífico que fez as temperaturas da água atingirem os 21 graus Celsius. De acordo com o jornal The …

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …