“Vamos lembrar-nos deste dia”. 128 países condenam EUA na ONU

Justin Lane / EPA

O reconhecimento dos EUA de Jerusalém como capital de Israel foi declarado “nulo e sem efeito” por 128 países-membros da Assembleia-geral da ONU numa votação que decorreu, esta quinta-feira, na sede em Nova Iorque.

Os 128 países votaram a favor de uma resolução, sem caráter vinculativo, que foi proposta pelo Iémen e pela Turquia, em nome de um grupo de países árabes e da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI), e que é contra o reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel.

Entre os 193 países-membros da Assembleia-geral das Nações Unidas, nove votaram contra a resolução e 35 optaram pela abstenção.

Esta quarta-feira, o Presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que ia anotar os países que votassem a favor do projeto de resolução e ameaçou cortar a ajuda financeira atribuída por Washington.

“Vamos tomar nota dos votos”, disse, em declarações na Casa Branca. “Recebem centenas de milhões de dólares e até milhares de milhões de dólares (…) Deixe-os votar contra nós. Vamos poupar muito. Não nos importamos“, reforçou ainda.

Antes disso, o aviso já tinha sido feito também por Nikki Haley, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, que enviou uma carta a todas as delegações da ONU.

Depois da votação, a representante norte-americana classificou como “uma vergonha” a postura da ONU, que disse ter-se tornado “um lugar hostil para Israel”, cita o Observador.

Os EUA irão lembrar-se deste dia como o dia em que foram castigados na Assembleia Geral por terem exercido o seu direito como nação soberana”, disse. “Vamos lembrar-nos disto quando formos chamados de novo a fazer a maior contribuição mundial para a ONU”.

Esta votação acontece depois de Washington ter recorrido, na segunda-feira, ao seu direito de veto no Conselho de Segurança para impedir a adoção de uma resolução que também condenava a decisão norte-americana.

Ao contrário do que se passa no Conselho de Segurança (os cinco membros permanentes do órgão têm direito de veto), na Assembleia-geral da ONU não há direito de veto e os textos adotados não são vinculativos.

Trump anunciou a 6 de dezembro que os EUA reconheciam Jerusalém como capital de Israel e que vão transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida por Washington ao longo de décadas.

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

Israel ocupa Jerusalém oriental desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade como a sua capital indivisa. Os palestinianos também querem fazer de Jerusalém oriental a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. O únicos que votaram favor dos EUA (além dos óbvios EUA e Israel) foram: Guatemala, Honduras, Ilhas Marshall, Micronésia, Nauru, Palau e Togo!!
    Não é preciso dizer mais nada…
    E oposto que o Trump nem sequer sabia que metade desses países existia!…

  2. Se a decisão de Trump fosse aceite, então seria aberto um precedente e talvez o “homem” passa-se e deliberar qual seria a Capital em todos os Países!
    É um menino” birrento” e perigoso.

  3. mais um “jornalista” com falta de escolaridade. Com dão trabalho nesta área a quem não sabe escrever português?
    ele escreveu assim a noticia:
    “O reconhecimento dos EUA de Jerusalém como capital de Israel foi declarado “nulo e sem efeito” por 128 países-membros da Assembleia-geral da ONU numa votação que decorreu, esta quinta-feira, na sede em Nova Iorque.”
    Dá a entender que alguém aceitou que “OS ESTADOS UNIDOS DE JERUSALÉM” passassem a capital de Israel.
    Teria que ser assim:
    O reconhecimento de Jerusalém, pelos Estados Unidos da América, como capital de Israel foi declarado nulo…
    Já nem se usa pontuação.
    Isto não é jornalismo. É um crime dar trabalho a quem não sabe escrever. Uma noticia mal escrita pode dar lugar interpretações erradas.

    • Há o nível jornalístico e há o nível de Português em termos de gramática, síntase, vocabulário ou ortografia. São tudo coisas diferentes e pode fazer-se mau jornalismo, mesmo tendo um Português perfeito. Neste caso, a haver algum problema, é de síntase, e não de mau jornalismo.

      Dizer “O reconhecimento dos EUA de Jerusalém”, não é o mesmo que dizer “Os Estados Unidos de Jerusalém”. Quando muito sería o mesmo que dizer “Os Estados Unidos da América de Jerusalém”. Se quer melhor ainda do que você sugeriu, o ideal mesmo sería “O reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, por parte dos EUA, foi declarado nulo…”

      Mas como se costuma dizer, isto para mim já é estar a ver mosquitos na outra banda. Acho que há coisas mais graves e acho que esta notícia se percebe bem. Estes comentadores de internet… É só “eruditos”.

  4. Eu também não me vou esquecer de quando “vocês” (americanos) votaram no Trump! Eu também não me vou esquecer quando vocês rasgaram o tratado de Quioto. Também não me vou esquecer quando vocês, de forma unilateral, invadiram o Iraque (sob falsos pretextos). Também não me vou esquecer quando vocês, de forma unilateral, (como o costume) decidiram colocar a embaixada dos americana (de Israel) em Jerusalém. Não me vou esquecer quando decidiram provocar a terceira Guerra Mundial. Não… Não me vou esquecer… Se sobreviver… Não, não me vou esquecer do maior terrorista na face do planeta: Donald Trump!

  5. Pois eu acho mesmo bem que os EUA se lembrem deste dia. Façam-me um favor… Lembrem-se deste dia!

    Os EUA e Trump em particular como seu comandante em chefe… Não são donos do mundo, apesar de se verem como tal! Este burgesso do Trump ainda tem a distinta lata de nos lembrar, que os EUA só emprestam dinheiro a troco de “lealdade” ideológica.

    • A “lealdade” também se conta assim:
      1.ª Guerra mundial: 4 milhões de homens mobilizados (320,518 mortos),
      2.ª Guerra mundial: 12 milhões de homens mobilizados (1,076,245 mortos),
      Guerra da Coreia: 5 milhões de homens mobilizados (36,574 mortos).
      Talvez preferisse estar sob o jugo nazi ou soviético?

  6. Os EUA vão poupar muito dinheiro.
    Vão começar a retirar as suas forças armadas das “missões” de policiamento e de manutenção de paz internacionais.
    Vão começar a isolar-se ainda mais e a virar-se para a resolução dos seus problemas internos.
    E quando o “mundo” precisar de alguém com músculo, para meter algum ditador na ordem…agarrem-se ao pau…que os EUA vão-se lembrar que andaram a mandar jovens para a morte em várias guerras, para depois…
    Não se trata de “comprar” lealdades com dólares senhores…trata-se tão somente de reconhecerem que as democracias ocidentais devem a sua liberdade aos EUA.

RESPONDER

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida …

Rússia ameaça retaliar face às sanções "hostis" do Reino Unido

A Rússia ameaçou responder às sanções "hostis" anunciadas por Londres contra 59 pessoas e entidades, 25 delas russas. A Rússia vai responder às sanções "hostis" anunciadas pelo Governo britânico contra 49 pessoas e organizações, 25 das …

Ministério dispensa quase todos os alunos da renovação de matrículas (após ataques informáticos e o desespero dos pais)

As matrículas online são agora obrigatórias apenas para os alunos que no próximo ano lectivo vão iniciar os 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade. O anúncio é feito pelo Ministério da Educação depois das …

"Estavam prontos para bater". Atleta Ricardo dos Santos vai processar polícia londrina

O atleta português Ricardo dos Santos disse na segunda-feira que não demorou mais de 20 segundos a parar o carro, quando lhe foi pedido pelas autoridades em Londres, e garantiu que vai processar a polícia …

Motorista de autocarro em morte cerebral depois de agressões de passageiros em França

Um motorista de autocarro foi declarado em morte cerebral esta segunda-feira, em França, depois de ter sido agredido no domingo por passageiros a quem recusou a entrada no transporte público. No domingo à noite, um motorista …

Erro de laboratório origina 20 casos em dois clubes da Liga búlgara

Vinte pessoas estão infetadas com o novo coronavírus, após um futebolista com covid-19 ter participado no duelo entre o Cherno More e o Tsarko Selo, da Liga búlgara, devido ao erro de um laboratório, foi …

Soleimani foi assassinado de forma "ilegal e arbitrária", considera perita da ONU

A relatora especial da ONU, Agnes Callamard, considera que os Estados Unidos não apresentaram provas suficientes para justificar o ataque. Uma especialista da ONU concluiu que o general iraniano Qasem Soleimani, morto num raide norte-americano …

Bolsonaro infetado com covid-19

A imprensa brasileira confirmou, esta terça-feira, que o Presidente Jair Bolsonaro está infetado com covid-19. O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, testou positivo à covid-19. De acordo com a Globo, a informação foi avançada pelo próprio, …

Costa avisa que vem aí a "fase mais crítica" dos incêndios e pede prevenção

O primeiro-ministro participou numa reunião de acompanhamento e monitorização sobre prevenção e combate a fogos florestais e advertiu, esta terça-feira, que Portugal entra agora na fase mais crítica. Esta terça-feira, o primeiro-ministro advertiu que Portugal entra …

"Fracasso" no combate à covid-19. Diretora de Saúde de Israel demite-se

Siegal Sadetzki, diretora dos serviços públicos do Ministério da Saúde de Israel, denunciou o "fracasso" das autoridades em retardar a propagação da covid-19 no país, apresentando a sua demissão. Uma responsável do Ministério da Saúde de …