/

Presidente do Equador acusa Assange de divulgar fotografias privadas da sua família

New Media Days / Flickr

Julian Assange, fundador da WikiLeaks

O presidente do Equador, Lenin Moreno, acusou Julian Assange de violar os termos do seu asilo e divulgar fotografias privadas de familiares e amigos de Moreno online.

Falando à Associação de Emissoras de Rádio do Equador, Moreno sugeriu que Assange terá intercetado as mensagens privadas do presidente e publicado “fotografias do meu quarto, o que como, e como a minha esposa, filhas e amigas dançam”. Lenin Moreno não terá apresentado provas.

Assange está escondido na embaixada do Equador em Londres desde que foi preso por acusações de agressão sexual da Suécia em 2012. As acusações foram abandonadas por causa de um problema técnico, mas Assange ainda se considera um prisioneiro na embaixada apesar de poder sair a qualquer momento. Assange tem dito que teme ser extraditado para os EUA, onde os promotores prepararam uma acusação criminal.

Assange também afirma que está a ser silenciado porque o seu acesso à Internet na embaixada foi abruptamente interrompido há um ano. Autoridades do Equador acusaram Assange de se intrometer na política internacional antes de o acesso à Internet ter sido bloqueado.

“Assange violou o acordo que fizemos com ele e com o advogado muitas vezes”, disse Moreno. “Não é que ele não possa falar e expressar-se livremente, mas não pode mentir, nem muito menos hackear contas privadas ou telefones.”

Em janeiro de 2018, Moreno referiu-se a Assange como um “incómodo” e um “problema herdado”. O presidente anterior do Equador, Rafael Correa, foi o primeiro a conceder asilo a Assange e Moreno parecia muito menos tolerante com o comportamento de Assange.

O WikiLeaks sugeriu que o verdadeiro problema de Moreno será que a alegada corrupção do Equador foi exposta através dos chamados Documentos da INA. Moreno está a enfrentar uma investigação de corrupção trazida por um legislador rival que sugere que recebeu dinheiro de uma empresa chinesa para um projeto de barragem hidroelétrica. O dinheiro terá sido lavado através de uma empresa-fantasma no Panamá.

Assange, um cidadão australiano, recebeu a cidadania equatoriana em janeiro de 2018, durante uma tentativa de imunidade diplomática. O Equador esperava que a medida permitisse a Assange deixar a embaixada de Londres e encontrar refúgio noutro país, mas o plano fracassou.

Assange disse que deixaria a embaixada em Londres se Chelsea Manning fosse libertada da prisão. O presidente Barack Obama comutou a sentença de Manning pouco antes de deixar o cargo em 2017, mas Assange voltou atrás na sua promessa e disse que Obama só o fez para fazer com que Assange parecesse um mentiroso.

  ZAP // Gizmodo

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.