Costa define três prioridades para a próxima legislatura (e os impostos não são uma delas)

Mário Cruz / Lusa

O secretário-geral do PS, António Costa

Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o primeiro-ministro apontou as prioridades para a próxima legislatura, adiantando que baixar os impostos não é uma delas.

António Costa defendeu que as maiores receitas do Estado com impostos, nos últimos anos, são resultado da aceleração da economia e não de um aumento de carga fiscal.

Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o primeiro-ministro traçou as três prioridades para a próxima legislatura que considera serem mais urgentes do que a redução dos impostos: melhorar os serviços públicos, nomeadamente o Serviço Nacional de Saúde (SNS), cortar a dívida pública e reforçar o investimento.

“Penso que temos tido uma política equilibrada. A receita do Estado, relativamente ao conjunto da riqueza nacional, é hoje superior. Mas é superior porquê? Porque temos aumentado os impostos ou porque a atividade económica gerou maior receita? Ora nós não aumentámos nem o IRS, nem o IVA, pelo contrário, baixámos estes dois impostos. E a receita tem estado a subir”, afirmou Costa sobre as receitas e despesas públicas.

Em 2018, a carga fiscal atingiu 35,4% do Produto Interno Bruto (PIB), depois de no ano anterior ter chegado a 34,4%, o valor mais alto de sempre a par do ano de 2015.

O aumento face a 2017 aconteceu apesar do abrandamento da travagem no PIB em 2018 face ao ano anterior. Costa defendeu que o aumento da carga fiscal “não resulta de uma ação do Governo para aumentar impostos”, mas sim de o facto de os portugueses terem emprego e contribuírem para a segurança social – “o que é positivo”.

António Costa foi questionado sobre se considera que os impostos em Portugal ainda são muito altos. Nesta questão, o governante começou por afirmar que “temos que, simultaneamente, prosseguir a trajetória de libertar o país da enorme dívida pública que ainda tem. Temos que conseguir repor a capacidade e qualidade dos serviços públicos”.

Neste sentido, “isto significa que temos que manter os níveis de financiamento do Estado a estes níveis, para ser possível, simultaneamente, continuarmos a ter uma boa consolidação das nossas finanças públicas, o que é uma dádiva para o futuro, mas também é uma dádiva para o presente, porque o dinheiro que estamos a poupar nos juros estamos a afetar noutros setores. Mas, ao mesmo tempo, ir fazendo os investimentos que são necessários fazer”.

Ainda assim, e apesar de defender a necessidade dos impostos para prosseguir com estes objetivos, admite que o nível de impostos pagos pelos portugueses não é “aceitável” ou não teria “adotado a política fiscal” do Governo de eliminar a sobretaxa do IRS e de reposição de dois escalões do IRS.

“Onde temos podido aliviar esse esforço fiscal, temo-lo feito”, rematou o primeiro-ministro.

Desta forma, a prioridade, de Costa caso o PS ganhe as eleições, não é a baixa de impostos, mas antes os “serviços públicos, a dívida e o investimento”.

“A minha prioridade, sou-lhe muito sincero, é prosseguir a trajetória de repor a qualidade dos serviços públicos e em particular do Serviço Nacional de Saúde (SNS), continuar esta trajetória de redução sustentada do défice e da dívida, porque acho que nós temos que nos propor chegar ao final da próxima legislatura com uma dívida pública que esteja próxima dos 100%” do PIB, afirmou.

António Costa admitiu querer ter um “nível de maior segurança perante as incertezas que inevitavelmente, no médio longo prazo, o país enfrentará face à economia internacional”.

Continuação de Centeno nas Finanças? “Sim”

Sobre a continuação de Mário Centeno como ministro das Finanças, num futuro Governo, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro responde com um “sim” à pergunta sobre se está a contar com ele no Executivo.

“Acho que tem mesmo a oportunidade de poder, se os portugueses nos permitirem voltar a formar um novo Governo, de ser não só aquele ministro das Finanças que fez uma legislatura completa, mas também fazer uma segunda legislatura“, afirmou durante a entrevista.

Centeno quis manter o tabu numa entrevista à SIC-Notícias, mas o primeiro-ministro foi claro e não deixou margem para dúvidas. “No ponto de vista interno não há razões para que não prossiga as suas funções e também do ponto de vista externo, sendo presidente do Eurogrupo, cessar essas funções prematuramente”.

Centeno foi eleito há dois anos para presidir ao grupo informal de ministros das finanças da área do euro e estará em funções até meio de 2020. É condição, para se manter nesse cargo, ser ministro das Finanças e Costa aponta agora essa como uma das razões para manter Centeno num futuro Governo.

Pedro Marques “daria um bom comissário europeu”

Questionado sobre se Pedro Marques daria um bom comissário europeu, Costa responde que sim, “mas essa escola será feita em momento próprio”.  O que “é importante é que Portugal possa estar nessa negociação [sobre a composição do futuro executivo europeu] com mais força possível e, por isso, ter mais força dentro do grupo socialista europeu”.

Como tem acontecido noutras entrevistas, Costa não coloca a meta eleitoral na maioria absoluta. Desta forma, para as eleições europeias, o líder socialista pede “o melhor resultado possível”.

LM, ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. … será que o povo português ainda não aprendeu a ver os parasitas ? este ainda fala em ganhar ?que ganhe mas é juízo que é o que ele precisa.

  2. (e os impostos não são uma delas) …. !!!
    Comentário ingénuo dos articulista.
    Então se os impostos fossem para baixar, como poderia Costa fazer mais alguma coisa ?
    Não sabemos todos que a única coisa que os socialistas sabem, é gastar o dinheiros dos contribuintes, e quando estes já estão bem espremidos, vão aos mercados endividar o país.
    Não há uma única medida para fazer crescer o país. É que isso passa pelas empresas privadas, investimento externo e pela exportação, e os socialistas não têm essa prioridade. Não dá tantos votos como espalhar uns cêntimos e fazer promessas aos tolinhos.

  3. Conforme está o País ninguém vai querer Governar este Pobre País.
    O costa a falar assim e o rio sem se ouvir, querem todos dar á soleta. A próxima legislatura será de porca miséria para todos excluindo Politicos e publicos.
    A ver vamos.

    • Ninguém vai querer governar este pobre país. Mas para o poleiro há muito quem queira ir. Para se governarem e encherem!!

  4. O aumento de impostos não é a prioridade do costa? Até fico admirado e mais descansado porque a prioridade dele e da sua geringonça foi sempre aumentar impostos…!

  5. Já nesta Legislativas ele acionou prioridades: a saúde, a educação e o rendimento disponível dos portugueses. Só que para cortar.

RESPONDER

Veneza com "centenas de milhões" de euros de prejuízo por causa das cheias

A cidade de Veneza, com inundações nos últimos dias, voltou este domingo a registar uma maré alta, mas de menor magnitude, tendo as chuvas intensas que afetam Itália levado a alertas para as cidades de …

Vila Galé abandona projeto que ameaçava reserva indígena no Brasil

O Vila Galé anunciou que vai abandonar o projeto para a instalação de um resort na região da Bahia, que tem estado debaixo de críticas por estar previsto para um local de potencial reserva indígena. Em …

Depois de ter sido expulsa da Hungria, universidade criada por George Soros reabre na Áustria

A Universidade da Europa Central, criada pelo bilionário George Soros em Budapeste, na Hungria, em 1991, foi expulsa do país depois que o primeiro-ministro Viktor Orbán a acusou de promover valores liberais no país, incluindo …

Bloco defende fim de portagens nas ex-Scut do interior

A coordenadora do BE defendeu esta segunda-feira, no Porto, o fim das portagens nas ex-Scut do interior do país e a necessidade de "rever" as parcerias público-privadas rodoviárias por serem "absolutamente lesivas para os cofres …

Jovem muçulmana de Tavira já tem equipamento para jogar basquetebol

A jovem atleta do Clube de Basquetebol de Tavira, impedida de alinhar num jogo no passado domingo, já possui o equipamento que lhe permite jogar segundo as regras da modalidade e da religião muçulmana. Fátima Habib …

Presidente da Catalunha começa a ser julgado por desobediência

O presidente do Governo regional da Catalunha reconheceu, esta segunda-feira, que não cumpriu a ordem da comissão nacional de eleições espanhola de remover os símbolos separatistas alegando ser "ilegal" e de cumprimento "impossível". "Sim, eu desobedeci", …

Um restaurante acabou de abrir a um quarteirão da Casa Branca. Chama-se "Comida de Imigrante"

Um restaurante chamado "Immigrant Food" ("Comida de Imigrante") abriu a um quarteirão da Casa Branca. O local quer fazer com que ajudar imigrantes seja tão fácil como pedir comida de um menu. Assim, além de comida, …

Trump admite testemunhar no inquérito para a sua destituição

O Presidente dos EUA admitiu, esta segunda-feira, "considerar seriamente" a possibilidade de testemunhar por escrito no inquérito para a sua destituição, que decorre no Congresso. "Embora não tenha feito nada de errado e não goste de …

INE espanhol está a "espiar" telemóveis para estudo estatístico

Um estudo do INE espanhol está a receber duras críticas por alegadamente infringir a privacidade de dados dos cidadãos. O gabinete irá monitorizar os telemóveis dos espanhóis. O Instituto Nacional de Estatística (INE) de Espanha deu …

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …