Costa define três prioridades para a próxima legislatura (e os impostos não são uma delas)

Mário Cruz / Lusa

O secretário-geral do PS, António Costa

Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o primeiro-ministro apontou as prioridades para a próxima legislatura, adiantando que baixar os impostos não é uma delas.

António Costa defendeu que as maiores receitas do Estado com impostos, nos últimos anos, são resultado da aceleração da economia e não de um aumento de carga fiscal.

Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o primeiro-ministro traçou as três prioridades para a próxima legislatura que considera serem mais urgentes do que a redução dos impostos: melhorar os serviços públicos, nomeadamente o Serviço Nacional de Saúde (SNS), cortar a dívida pública e reforçar o investimento.

“Penso que temos tido uma política equilibrada. A receita do Estado, relativamente ao conjunto da riqueza nacional, é hoje superior. Mas é superior porquê? Porque temos aumentado os impostos ou porque a atividade económica gerou maior receita? Ora nós não aumentámos nem o IRS, nem o IVA, pelo contrário, baixámos estes dois impostos. E a receita tem estado a subir”, afirmou Costa sobre as receitas e despesas públicas.

Em 2018, a carga fiscal atingiu 35,4% do Produto Interno Bruto (PIB), depois de no ano anterior ter chegado a 34,4%, o valor mais alto de sempre a par do ano de 2015.

O aumento face a 2017 aconteceu apesar do abrandamento da travagem no PIB em 2018 face ao ano anterior. Costa defendeu que o aumento da carga fiscal “não resulta de uma ação do Governo para aumentar impostos”, mas sim de o facto de os portugueses terem emprego e contribuírem para a segurança social – “o que é positivo”.

António Costa foi questionado sobre se considera que os impostos em Portugal ainda são muito altos. Nesta questão, o governante começou por afirmar que “temos que, simultaneamente, prosseguir a trajetória de libertar o país da enorme dívida pública que ainda tem. Temos que conseguir repor a capacidade e qualidade dos serviços públicos”.

Neste sentido, “isto significa que temos que manter os níveis de financiamento do Estado a estes níveis, para ser possível, simultaneamente, continuarmos a ter uma boa consolidação das nossas finanças públicas, o que é uma dádiva para o futuro, mas também é uma dádiva para o presente, porque o dinheiro que estamos a poupar nos juros estamos a afetar noutros setores. Mas, ao mesmo tempo, ir fazendo os investimentos que são necessários fazer”.

Ainda assim, e apesar de defender a necessidade dos impostos para prosseguir com estes objetivos, admite que o nível de impostos pagos pelos portugueses não é “aceitável” ou não teria “adotado a política fiscal” do Governo de eliminar a sobretaxa do IRS e de reposição de dois escalões do IRS.

“Onde temos podido aliviar esse esforço fiscal, temo-lo feito”, rematou o primeiro-ministro.

Desta forma, a prioridade, de Costa caso o PS ganhe as eleições, não é a baixa de impostos, mas antes os “serviços públicos, a dívida e o investimento”.

“A minha prioridade, sou-lhe muito sincero, é prosseguir a trajetória de repor a qualidade dos serviços públicos e em particular do Serviço Nacional de Saúde (SNS), continuar esta trajetória de redução sustentada do défice e da dívida, porque acho que nós temos que nos propor chegar ao final da próxima legislatura com uma dívida pública que esteja próxima dos 100%” do PIB, afirmou.

António Costa admitiu querer ter um “nível de maior segurança perante as incertezas que inevitavelmente, no médio longo prazo, o país enfrentará face à economia internacional”.

Continuação de Centeno nas Finanças? “Sim”

Sobre a continuação de Mário Centeno como ministro das Finanças, num futuro Governo, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro responde com um “sim” à pergunta sobre se está a contar com ele no Executivo.

“Acho que tem mesmo a oportunidade de poder, se os portugueses nos permitirem voltar a formar um novo Governo, de ser não só aquele ministro das Finanças que fez uma legislatura completa, mas também fazer uma segunda legislatura“, afirmou durante a entrevista.

Centeno quis manter o tabu numa entrevista à SIC-Notícias, mas o primeiro-ministro foi claro e não deixou margem para dúvidas. “No ponto de vista interno não há razões para que não prossiga as suas funções e também do ponto de vista externo, sendo presidente do Eurogrupo, cessar essas funções prematuramente”.

Centeno foi eleito há dois anos para presidir ao grupo informal de ministros das finanças da área do euro e estará em funções até meio de 2020. É condição, para se manter nesse cargo, ser ministro das Finanças e Costa aponta agora essa como uma das razões para manter Centeno num futuro Governo.

Pedro Marques “daria um bom comissário europeu”

Questionado sobre se Pedro Marques daria um bom comissário europeu, Costa responde que sim, “mas essa escola será feita em momento próprio”.  O que “é importante é que Portugal possa estar nessa negociação [sobre a composição do futuro executivo europeu] com mais força possível e, por isso, ter mais força dentro do grupo socialista europeu”.

Como tem acontecido noutras entrevistas, Costa não coloca a meta eleitoral na maioria absoluta. Desta forma, para as eleições europeias, o líder socialista pede “o melhor resultado possível”.

LM, ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. … será que o povo português ainda não aprendeu a ver os parasitas ? este ainda fala em ganhar ?que ganhe mas é juízo que é o que ele precisa.

  2. (e os impostos não são uma delas) …. !!!
    Comentário ingénuo dos articulista.
    Então se os impostos fossem para baixar, como poderia Costa fazer mais alguma coisa ?
    Não sabemos todos que a única coisa que os socialistas sabem, é gastar o dinheiros dos contribuintes, e quando estes já estão bem espremidos, vão aos mercados endividar o país.
    Não há uma única medida para fazer crescer o país. É que isso passa pelas empresas privadas, investimento externo e pela exportação, e os socialistas não têm essa prioridade. Não dá tantos votos como espalhar uns cêntimos e fazer promessas aos tolinhos.

  3. Conforme está o País ninguém vai querer Governar este Pobre País.
    O costa a falar assim e o rio sem se ouvir, querem todos dar á soleta. A próxima legislatura será de porca miséria para todos excluindo Politicos e publicos.
    A ver vamos.

    • Ninguém vai querer governar este pobre país. Mas para o poleiro há muito quem queira ir. Para se governarem e encherem!!

  4. O aumento de impostos não é a prioridade do costa? Até fico admirado e mais descansado porque a prioridade dele e da sua geringonça foi sempre aumentar impostos…!

  5. Já nesta Legislativas ele acionou prioridades: a saúde, a educação e o rendimento disponível dos portugueses. Só que para cortar.

RESPONDER

Whitney Houston vai regressar aos palcos (em holograma)

Whitney Houston vai "regressar" aos palcos, em formato holograma. Foi anunciada uma digressão da cantora por várias salas do Reino Unido, em 2020. Os planos para uma digressão de holograma de Whitney Houston têm sido discutidos …

Victor Vescovo diz que chegou ao ponto mais profundo dos oceanos. James Cameron não concorda

James Cameron levantou dúvidas sobre as recentes declarações de Victor Vescovo sobre ter quebrado o recorde do mergulho mais profundo no oceano, dizendo que o empresário não pode ter descido mais, uma vez que não …

Par de patinadores no gelo mais medalhado de sempre anuncia fim da carreira

Os canadianos Tessa Virtue e Scott Moir, o par de patinadores no gelo mais medalhado da história do olimpismo, anunciaram esta quarta-feira o fim da carreira. “Olá a todos. Temos novidades para todos os que nos …

Elon Musk é o líder mais inspirador da tecnologia da atualidade

Elon Musk foi nomeado o líder mais inspirador no setor da tecnologia, de acordo com um estudo publicado pela Hired, uma plataforma para contratação de pessoal em 14 cidades em todo o mundo. O estudo, chamado …

De portas abertas para quem precisa. Frigoríficos solidários crescem em Paris

A Cantina do 18.º bairro parisiense foi o primeiro espaço deste projeto solidário, inaugurado há dois anos. Atualmente existem 38 restaurantes em França que acolhem os frigoríficos solidários. Em dois anos, o projeto dos frigoríficos solidários …

Imigrante do Bangladesh em Itália encontra e devolve carteira com 2 mil euros

Mossan Rasal, um bangladeshiano de 23 anos que vive em Roma, encontrou na rua uma carteira com dois mil euros, documentos de identificação, cartões de crédito, carta de condução. Em vez de retirar o dinheiro e …

Austrália conclui que China foi responsável por ciberataque ao parlamento

A agência de inteligência cibernética da Austrália (ASD) concluiu que a China foi a responsável por um ataque informático, no início deste ano, contra o parlamento nacional. Os serviços de inteligência australianos (Australian Signals Directorate) concluíram …

"A bola apenas bateu no peito". VAR admite erro no penálti do Portimonense-FC Porto

O vídeo-arbitro do encontro entre Portimonense e FC Porto, Vasco Santos, admitiu esta quarta-feira que não existiu razão para assinalar grande penalidade a favor do clube portista. "No momento em que o árbitro apita fiquei com …

Na Índia, usar cigarros eletrónicos já pode dar prisão

O Governo indiano anunciou esta quinta-feira a proibição de cigarros eletrónicos no país, de 1,3 mil milhões de pessoas, numa ação que pretende ser a favor da saúde e contra os vícios. "A decisão foi tomada …

Iñaki Urdangarín pode sair da prisão dois dias por semana

Detido na cadeia de Brieva, Ávila, há 15 meses, Iñaki Urdangarín, cunhado do rei de Espanha, soube esta terça-feira que poderá sair da prisão duas vezes por semana para fazer voluntariado numa instituição que ajuda …