//

Amber Heard vs Johnny Depp: um julgamento milionário sob os olhares do mundo

5

ZAP // Jonathan Ernst / POOL / EPA

Em três semanas de julgamento do processo de difamação movido pelo ator Johnny Depp contra Amber Heard, os jurados ouviram diversas versões da história, relatadas por diferentes testemunhas — de agentes da polícia a psicólogos, e o próprio Depp.

O que transpareceu até agora deste julgamento milionário são duas imagens completamente opostas dos quatro anos em que o casal viveu junto.

O julgamento resulta de um processo movido por Johnny Depp contra Amber Heard, no valor de 50 milhões de dólares, por um artigo em que a atriz afirmava ser vítima de violência doméstica.

Heard, por seu turno, moveu um processo contra o ator no valor de 100 milhões de dólares.

A relação de Johnny Depp e Amber Heard teve início em 2012, e, três anos mais tarde, os dois atores casaram-se.

O casamento durou 15 meses. Heard pediu o divórcio e apresentou um pedido de ordem de restrição contra Depp, alegando que o ator a tinha atacado “violentamente”, atirando-lhe um telemóvel contra a cara com “força extrema”.

O processo atualmente em curso é de difamação. Depp diz ter sido difamado num artigo de opinião escrito por Heard e publicado no jornal norte-americano The Washington Post em dezembro de 2018, no qual a atriz se apresenta como uma “figura pública que representa a violência doméstica“.

Em 2018, antes da publicação do artigo de Heard, a vida privada do casal também já tinha sido motivo de outro julgamento. Na altura, Depp processou em Londres a News Group Newspapers Ltd, editora do tabloide britânico The Sun, por difamação.

No artigo em causa, o The Sun refere-se a Depp como um “espancador de esposas”. A batalha legal era entre Depp e o The Sun, mas o julgamento de três semanas pareceu mais uma disputa entre o casal, com vários detalhes da sua vida privada revelados no processo.

Depp perdeu o processo. Um juiz britânico decidiu que a “grande maioria” das alegações de abuso de Heard poderia ser provada pela lei, o que significa que era mais provável que tivesse ocorrido abuso. No ano passado, o recurso entretanto interposto por Depp foi rejeitado.

Durante o atual julgamento, que decorre em Fairfax, na Virgínia, ambos os lados relataram episódios de agressões verbais e físicas — e ambos negam a versão do outro.

Mas até agora, uma das partes — Johnny Depp — foi mais enérgica, considera Ryan Baker, advogado de Los Angeles especializado em casos de difamação. E isso faz parte de uma estratégia, diz o advogado, citado pela BBC.

“Depp foi o primeiro a testemunhar, pelo que não é surpreendente que até agora as coisas pareçam estar a pender a seu favor”, diz Baker. Os jurados provavelmente ouvirão uma história diferente nos próximos dias, quando a equipa de advogados de Heard entrar em ação.

É uma vantagem muito grande para o lado dela — eles vão ter a última palavra”, considera o advogado.

Sinais de transtornos de personalidade

Na terça-feira, a psicóloga forense Shannon Curry disse aos jurados que acreditava que Amber Heard sofria de dois transtornos: transtorno de personalidade borderline e  transtorno de personalidade histriónica.

Curry, contratada pela equipa de Depp para realizar uma avaliação psicológica da sua ex-mulher, diz ter chegado a essa conclusão depois de passar cerca de 12 horas com Heard, em dezembro de 2021, durante as quais realizou testes de saúde mental e analisou os registos médicos da atriz.

O transtorno de personalidade borderline é uma doença de instabilidade, explica Curry, marcada por “muita raiva, crueldade para com pessoas menos poderosas e procura de atenção”.

Os comportamentos associados a este transtorno, explica a psicóloga, são “impulsionados por um medo subjacente de abandono, e as pessoas afetadas fazem tentativas desesperadas para impedir que isso aconteça”.

As provas apresentadas em tribunal incluem vários ficheiros de áudio nos quais Amber Heard implora a Depp que não a deixe.

O transtorno de personalidade borderline, diz Curry, está associado a mulheres que incitam a violência contra os seus parceiros.

O transtorno de personalidade histriónica, explica também a psicóloga, está ligado ao “drama, superficialidade e necessidade de ser o centro das atenções.

Os advogados de Heard questionaram a parcialidade da médica, realçando que Curry havia sido convidada para jantar em casa de Depp antes de ser contratada — jantar que, diz a psicóloga, era apenas parte do processo de entrevista.

O testemunho de Curry foi criticado por defensores dos direitos da mulher, segundo os quais estes diagnósticos podem ser usados para minimizar relatos de agressão.

“Não fiquei surpreendida por ver isso acontecer, pois era previsível”, disse a psicóloga Jessica Taylor. “Milhares de mulheres como Amber vão agora ser obrigadas a fazer avaliações psiquiátricas e, na maioria das vezes, serão diagnosticadas com algum transtorno de personalidade apenas para desacreditar o seu relato.”

O uso de drogas e álcool por Depp tem sido tema central do julgamento até agora. Depp afirma ter-se mantido sóbrio durante grande parte do seu relacionamento com Heard, depois de se ter submetido a um tratamento de desintoxicação de oxicodona em 2014.

Mas a equipa de Heard descreve um Depp diferente — propenso ao uso de álcool e drogas, apesar dos repetidos protestos da atriz.

Na quarta-feira, a advogada de Heard, Elaine Bredehoft, perguntou à gestora da ilha particular de Johnny Depp nas Bahamas, Tara Roberts, se se lembrava de ter visto o ator “desmaiado, com a cara na areia”.

Lembro-me de que ele desmaiou na praia“, respondeu Roberts. Quando questionada sobre se o filho de Depp tinha assistido à cena, Roberts disse que sim.

PUBLICIDADE

“Diz ao mundo, Johnny”

O ex-agente de Johnny Depp depôs esta semana, tendo afirmado em tribunal que as alegações de Heard contra o ator tiveram um “impacto traumático” na imagem de Depp, fazendo com que perdesse o papel na lucrativa série Piratas das Caraíbas.

Christian Carino, agente de talentos da prolífica Creative Artists Agency, disse aos jurados que ficou claro, em conversas com outros executivos da indústria do cinema, que a Disney — distribuidora da saga Piratas das Caraíbas — não poderia continuar a contratar Johnny Depp.

As alegações de abuso nunca foram discutidas explicitamente, disse Carino, mas foram “compreendidas” na indústria cinematográfica.

Este testemunho pode ser crucial para o caso de Depp, que pretende provar que o artigo de 2018 de Amber Heard prejudicou a sua carreira de forma irremediável.

O depoimento de Depp, na segunda-feira, foi acompanhado de ficheiros de áudio gravados durante o relacionamento com Heard e reproduzidos no tribunal.

“Isto foi muito perturbador”, disse o jornalista e autor Cooper Lawrence. “Estes são aspectos das suas vidas que estavam a tentar manter fora dos olhos do público.”

Os jurados ouviram insultos de ambos os lados. As gravações mostram a atriz a admitir ter agredido Depp e ter-lhe chamando “bebé”. Johnny Depp, por sua vez, foi gravado a gritar insultos e a ridicularizar Heard por causa do seu peso.

Num dos ficheiros áudio, Heard é ouvida a desafiar Depp a vir a público com a sua alegação de que é também vítima de vio abuso.

Diz ao mundo, Johnny“, ouve-se Amber Heard dizer. “Diz ao mundo que eu, Johnny Depp — um homem — também sou vítima de violência doméstica.”

No seu depoimento, Depp diz que respondeu: “Sim, sou“.

  ZAP // BBC

5 Comments

  1. Estados Unidos= país dos advogados, reféns do lobby das armas e dos hospitais privados caríssimo. Os atores são vítimas, assim como toda a população dividida em masoquistas, sádicos, cínicos e psicóticos. Não sei como que eles ainda conseguem produzir cinema [a maioria ruins], tecnologia, e atrair gente em busca do “sonho americano”, que revelará ser pesadelo.

  2. O Depp estava tão bem com a Vanessa. Foi filmar um filme com esta, com metade da idade dele e deu nesta porra.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.