Residências para filhos de funcionários públicos. Ministra faz mea culpa e admite erros de comunicação

António Cotrim / Lusa

“Mea culpa, porque devia ter percebido que isto não é tão óbvio para toda a gente”. A ministra da Administração Pública, Alexandra Leitão, assumiu, em entrevista, falhas na comunicação no anúncio da criação de residências para filhos de funcionários públicos.

Numa entrevista ao jornal Público, divulgada esta terça-feira, a ministra da Administração Pública, Alexandra Leitão, assumiu ter errado na comunicação sobre a criação de residências para filhos de funcionários públicos em situação de fragilidade financeira.

“Não antecipei essa polémica. Primeiro, por causa desta explicação em torno do conceito de SSAP [Serviços Sociais da Administração Pública]. Mas mea culpa, porque devia ter percebido que isto não é tão óbvio para toda a gente”, afirmou a governante.



Na mesma entrevista, Alexandra Leitão explicou que os edifícios em causa decorrem de receitas próprias dos serviços sociais do Estado ou de doações especificamente para essa finalidade.

“Os Serviços Sociais da Administração Pública (SSAP) são uma forma de proteção complementar dos trabalhadores da administração pública, que tem 75% de receitas próprias”, decorrentes nomeadamente da exploração de refeitórios, explicou.

“Há vários imóveis que são só dos serviços sociais e que servem, por exemplo, para alojar trabalhadores da Administração Pública que venham a Lisboa fazer tratamentos médicos. Nós tínhamos este imóvel praticamente devoluto e pensámos em fazer com ele algo que estivesse em linha com as necessidades da sociedade. Ora, uma das necessidades mais sentidas tem exatamente a ver com a questão das residências de estudantes”, justificou a governante.

Com 47 camas disponíveis, Alexandra Leitão considera que o Governo contribui “para aliviar alguma pressão que é sentida na cidade de Lisboa ao nível do alojamento estudantil”.

“Eu queria lembrar que há imensas empresas privadas que têm uma política de recursos humanos nesta linha — que oferecem creches, campos de férias, descontos em escolas privadas, comparticipação nas propinas. O Estado enquanto empregador também tem responsabilidades”, defende a ministra, estabelecendo uma comparação com o setor privado.

Em causa está, segundo a governante, “um alojamento temporário, que será usado enquanto persistam dificuldades financeiras no agregado familiar” do funcionário público.

“O regulamento ainda não está fechado, mas a nossa ideia é não tirar ninguém a meio de um ano – vamos rever a situação no final de cada ano letivo”, adiantou.

Alexandra Leitão disse ainda que estas residências podem servir outros níveis de ensino que não o Ensino Superior.

Na semana passada, Alexandra Leitão anunciou que filhos de trabalhadores da administração pública que tenham de se deslocar para estudar em Lisboa terão uma residência com 47 camas no próximo ano, e realçou que o apoio “é essencial para os estudantes que dele necessitem e vai facilitar a frequência do Ensino Superior numa instituição localizada fora da área de residência”.

A residência estudantil destinada a filhos de funcionários públicos vai acolher apenas alunos até aos 25 anos de famílias com baixos rendimentos e que vivam a mais de 100 quilómetros da capital.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

17 COMENTÁRIOS

  1. Estado não é sinónimo de governo.
    Estado não é sinónimo de função pública.
    Estado somos todos nós, todos os portugueses.
    Esta geringonça de esquerda, estes socialistas repugnantes, ainda não perceberam isto.
    Se dizem em público tamanha alarvidade, o que dirão em privado e o que farão atrás do pano?!

    Portugal a caminhar a passos largos para uma Venezualização…

    • “Portugal a caminhar a passos largos para uma Venezualização…”
      Mais um “Ventura” com a cassete típica das “ovelhas”!…

      • Deve ser mais um funcionário público…. Porque tenho de pagar para as mordomias já inúmeras dos funcionários públicos??? E porque não alargar esta medida para todos???

        • Ou não!…
          Por acaso até discordo completamente desta medida e, obviamente que só faz sentido se for para TODOS!!
          .
          Mas, não é a repetir as ‘cassetes’ do pastores Ventura/Trump/Bolsonaro/etc que se resolvem os problemas; antes pelo contrário!…

      • Caro troll, quando fala está de frente ao espelho, ou será que se limita a tentar enfiar a sua carapuça na cabeça dos outros?
        Tentar virar o bico ao prego, de modo sistemático, é bem elucidativo do nível dos seus argumentos e do seu nível intelectual (ou falta dele…).

        • Caro “repetidor de Ventura”s”, não há argumentos nem nível intelectual que alcance estas pérolas:
          “Portugal a caminhar a passos largos para uma Venezualização…”

    • ! Estou totalmente de acordo com o seu texto. Mais uma discriminação deste governo, em relação aos restantes cidadãos não filhos de funcionários públicos. É, também, mais uma forma de caça ao voto para as próximas eleições, com o dinheiro dos impostos dos portugueses pagantes.
      Quem não é do partido, ou funcionário público, não é “filho de gente”, para esta “tropa” que governa e se governam à nossa custa.

  2. Mais uma tontinha que anda totalmente perdida…
    Este é o governo com maior número de incompetentes que alguma vez esteve a governar Portugal.

  3. Até os serviços sociais são especiais para a administração publica.
    Eu ainda gostava de perceber porque é que a administração publica tem que ser tratada de forma diferente de outro qualquer trabalhador. A única diferença que deveria existir era a entidade empregadora. O resto TEM que ser igual, seja publico ou privado.
    Aparentemente o 25 de Abril ainda não chegou a esta questão.

      • Mais uma vez: errado!!
        Tal como o Desconfiado refere, o problema é anterior ao 25 de Abril, e a democracia ainda não se conseguiu limpar os vícios do anterior regime em que os funcionários públicos eram uma autêntica “elite”, com regalias e direitos MUITO acima do restante “povo” miserável e ignorante!…

        • Nesse caso por que razão teimam os partidos naquilo que fingem condenar? É que são agora vários cães ao mesmo tacho, muda-se de governo, mudam-se os poderes nos serviços públicos, portanto a ladroagem tem tendência a aumentar e cai por terra toda a propaganda de santos imaculados e de democracia transparente.

  4. Estado enquanto empregador. Tudo certo , mas quando uma empresa privada investe no empregado os custos são suportados por ela própria. No Estado são todos os contribuintes que pagam e neste caso, apenas para uns quantos filhos dos amigos, primos, enteados etc . Ainda se fossem para todos …

  5. O Socialismo está em todo lado, caros amigos um dia destes não precisamos de trabalhar o Socialismo vai nos dár um cheque todos os meses, vai dar 3 cheques aos empregados publicos, assim estarão para sempre no poder, Viva a Venezuela Europeia.

  6. Ela tem que admitir que ela e o seu governo tratam os portugueses diferentemente, os funcionários públicos são de primeira, restituiram-lhes as 7 horas de trabalho além de outras mordomias, os outros trabalham 8 horas, agora vem mais esta para confirmar as preferências governativas, a culpa não é apenas da senhora ministra!

    • Concordo.
      O horário de trabalho TEM que ser igual para todos, mas o problema foi criado pelo Cavaco e agora é difícil voltar atrás… foi das poucas coisas em que concordei com o Passos (voltar às 40h), mas foi tudo feito “às 3 pancadas” para remediar e, no fim, os funcionários acabaram por fazer o mesmo (ou menos), mesmo estando no serviço mais 1h/dia…

RESPONDER

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …