Novo aeroporto do Montijo pode exigir um radar para pássaros

A população de aves na zona do novo aeroporto do Montijo pode obrigar a um radar extra. Os pilotos alertam que as aves podem ter implicações sérias no tráfego.

A instalação de um radar para sinalizar a presença de aves no aeroporto complementar de Lisboa, planeado para o Montijo, está a ser seriamente pensada. A Associação de Pilotos portugueses de Linha Aérea está preocupada e teme que, a presença de um elevado número de pássaros nas imediações, possa implicar o fecho do novo aeroporto com demasiada frequência.

Segundo a TSF, o primeiro estudo de impacto ambiental feito pela ANA está a ser reformulado por ordem da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), nomeadamente por falhas na análise das aves nas imediações, pedindo assim que o aeroporto tenha um radar que monitorize a movimentação das aves em tempo real.

Assim, o estudo tem como objetivo entender “o nível de risco associado no aeroporto e na zona envolvente durante todo o período de funcionamento”, explicando que “a instalação deste sistema de deteção de aves é uma importante medida preventiva, constituindo um sistema de alerta das tripulações”.

Desta forma, são propostas medidas de minimização dos riscos de colisão com os aviões, como um programa de gestão dos pássaros. Além do elevado número de espécies de aves, cerca de 45 são espécies protegidas, na Reserva Natural do Estuário do Tejo.

O relatório refere que no grupo das espécies em risco se encontram patos, gaivotas e aves de rapina, sendo todas “espécies com propensão a formar bandos e que voam a altitudes mais elevadas nas rotas migratórias”, podendo entrar em risco de colisão com a rota de aproximação à pista.

À TSF, Miguel Silveira, da Associação de Pilotos Portugueses de Linha Aérea, sublinhou que “ali nós vamos certamente ter esse sistema a avisar com frequência pois as aves estão lá, vai existir ruído, elas entram em período migratório, etc., e estamos na iminência de ter um aeroporto em que todos os dias, sistematicamente, vai estar a dar alertas“.

No aeroporto do Montijo o aparecimento de aves não será meramente pontual e tal irá implicar o uso pouco proveitoso da infraestrutura, conclui Miguel Silveira.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Há muitos aeroportos no mundo com o sistema de Avian Radar (militares e civis). Trata-se de uma ferramenta muito útil que permite gerir o risco de “birdstrike”, evitando situações como a que aconteceu nos EUA, em que o avião teve que aterrar no rio Hudson após a colisão com um bando de gansos. Em Portugal há um radar deste género que tem estado a ser utilizado para estudos de utilização de áreas por aves. Creio que foi utilizado na fase de Estudo de Impacto Ambiental deste aeroporto. O uso do radar em fase de operação do aeroporto trata-se de uma medida de mitigação que não está directamente relacionada com o facto da escolha estar acertada ou não. Isso depende do risco que foi determinado. Se o risco de colisão for muito elevado, então a melhor medida seria evitar o impacto, seleccionando outro local para o aeroporto. Este tipo de medida de minimização, ou seja, o radar, funciona caso o risco de birdstrike seja relativamente aceitável, permitindo assim reduzir esse risco para uma situação já aceitável. O radar está ligado à torre de controlo e avisa quais as áreas da pista em risco, permitindo activar sistemas dissuasores de aves e gerir o tráfego aéreo em função do risco. Se é uma medida adequada para este aeroporto, não sei, pois não vi os estudos, mas a acontecer não será caso único. Aliás, o que seria estranho era aprovar um aeroporto para o Estuário do Tejo sem instalar um sistema destes, pois esta zona é bem conhecida como sendo uma das áreas mais importantes para certas espécies de aves na Europa (zona de invernada, migração e nidificação).

  2. Muito bem visto. Qual o problema (antes pelo contrário) do uso de um radar para monitorizar aves ? Todas as tecnologias e procedimentos são sempre bem vindos ! E desde o “milagre de Hudson” têm sido prática obrigatória. Pela experiência, as aves adaptam-se ao tráfego aéreo, e no caso das salinas do Samouco já existem metade das espécies no local, que existiam. Se não fosse assim, muitos aeroportos mundiais teriam que encerrar, e no entanto nem são classificados perigosos. O “Bird Strike” é um fenómeno que nem é apontado como causa para um aeroporto ser considerado perigoso. As causas limitadoras, e mesmo assim nalguns casos nem o são: obstáculos próximos (montanhas, edifícios arranha-céus) pistas curtas, obrigação de significativas mudanças de direção para aterrar, ventos laterais fortes (p.ex. Funchal) sobrevoos a “rasar” obstáculos (p.ex St.Maarten), pistas a atravessar vias rodoviárias (p.ex. Gibraltar) ou ferroviárias. E a BA6 não tem qualquer destes inconvenientes.

Responder a Hugo Cancelar resposta

Polícias realizam manifestação conjunta em Lisboa a 21 de novembro

Elementos da PSP e da GNR realizam a 21 de novembro, em Lisboa, uma manifestação conjunta para exigirem ao novo Governo "a resolução rápida" dos problemas que ficaram por resolver na anterior legislatura. Com o lema …

Sérvia punida por racismo no jogo com Portugal

A UEFA condenou nesta segunda-feira a Sérvia a disputar o próximo jogo da fase de qualificação para o Euro 2020 à porta fechada, por manifestações racistas na partida com Portugal, disputada em Belgrado, que terminou …

Juve Leo lança críticas à direção: Um clube sem rumo e que precisa de bodes expiatórios

Depois de o Sporting rescindir os protocolos com a Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI devido à "escalada de violência" recente, a Juve Leo reagiu em comunicado com duras críticas à direção de …

Um terço dos fogos deste ano tiveram como causa queima e queimadas

Um terço dos incêndios florestais registados este ano e investigados tiveram como causa queimadas e queimas, revela o último relatório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). O relatório provisório de incêndios rurais, …

De Nova Iorque a Sydney em 19 horas. Avião da Qantas bate recorde

O primeiro voo comercial direto entre as cidades de Nova Iorque e Sydney, com mais de 19 horas, terminou, este domingo, na cidade australiana. O teste realizado pela companhia aérea Qantas faz parte do Project Sunrise, …

Marcelo ficou "muito impressionado" pela destruição do furacão Lorenzo nos Açores

O Presidente da República visitou, este domingo, o porto das Lajes das Flores, que ficou destruído após a passagem do furacão Lorenzo pelos Açores, mostrando-se "muito impressionado" pela destruição "massiva". "Muito impressionado com aquilo que foi …

Sporting é o terceiro clube com mais jogadores da formação espalhados pela Europa

O Sporting é o terceiro clube com mais jogadores da sua formação a atuarem nas ligas europeias e o emblema português mais representado nas 'big 5', segundo o observatório de futebol do Centro Internacional de …

Norueguês empregou 70 imigrantes ilegais e foi a tribunal "muito, muito feliz"

Aharne Viste acha que a Constituição norueguesa reconhece o direito mesmo a quem não consegue obter asilo e tenciona ir em frente com a sua campanha. Aharne Viste contratou cerca de 70 imigrantes legalmente impedidos de …

Netanyahu não consegue formar Governo e devolve mandato ao presidente israelita

O primeiro-ministro israelita em funções, Benjamin Netanyahu, admitiu hoje ao Presidente de Israel, Reuven Rivlin, não ter reunido as condições necessárias para formar Governo e devolveu o processo ao chefe de Estado. Numa nota informativa, a …

Ronaldo, Bernardo e Félix estão entre os finalistas para a Bola de Ouro

Cristiano Ronaldo, Bernardo Silva e João Félix estão entre os 30 finalistas para vencer a Bola de Ouro de 2019. Esta é a primeira vez que Bernardo e Félix são nomeados para o prémio da …