Diploma que pode “salvar” a ADSE está parado no Parlamento

A entrada de 100 mil novos beneficiários na ADSE, que poderia “salvar” o sistema de saúde da falência a curto prazo, depende de um diploma que está para aprovação no Parlamento desde o início do mês de janeiro.

A notícia é avançada pelo jornal Público nesta quinta-feira, que explica que o diploma em questão que altera o Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE), não tem relação direta com a abertura da ADSE a novos beneficiários, mas é dele que depende um estudo que o conselho diretivo da ADSE exige fazer antes de tomar a decisão.

Recentemente, e em declarações no Parlamento, a presidente da ADSE, Sofia Portela, disse que o alargamento do sistema da ADSE, em especial aos trabalhadores do Estado com contrato individual, não avançará no imediato.

A presidente do sistema de saúde disse que esta entrada depende de um estudo “que carece de alguns elementos que estão a ser recolhidos por um sistema de informação que está a ser desenvolvido”, referindo-se ao SIOE, que passará disponibilizar dados detalhados e individualizados sobre salários, idade, horário de trabalho, tipo de vínculo, entre outros, enumera o matutino.

Assim que a ADSE tiver acesso a esses dados, justificou a responsável, “estará em condições de terminar este estudo com pressupostos mais alinhados com o real” e permitindo tomar decisões “mais bem fundamentadas”.

Resta saber quando é que estes dados estarão disponíveis. Tal como observa o Público, atualmente, o diploma do SIOE está na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças e ainda não agendada a sua discussão, nem a votação final.

A entrada de novos beneficiários assume-se cada vez mais como uma estratégia fundamental para evitar a falência da ADSE. Um estudo encomendado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS), esta semana publicado, revelou que se nada mudar, a ADSE pode estar falida dentro de cinco anos.

O documento mostra que o sistema não será sustentável a curto prazo se se mantiver fechado, ou seja, sem a previsão de entrada de novos beneficiários. Se o cenário se mantiver, com cada vez menos contribuintes, mais velhos e a gastarem mais em cuidados de saúde, em 2023 a ADSE terá um défice estimado na ordem dos 20 milhões de euros.

Apesar do cenário negativo, o estudo elenca uma série de medidas que poderão “salvar” este sistema da falência. Uma destas medidas prevê exatamente a entrada de 100 mil novos contribuintes trabalhadores do Estado com contrato individual de trabalho, que terão um universo estimado em 87 mil familiares dependentes que também usufruiriam deste subsistema (teriam os mesmos direitos mas sem contribuir com receita).

Estima-se que “no período de 5 anos, com o alargamento a 100 mil trabalhadores com contratos individuais de trabalho, a ADSE obteria com estes trabalhadores um excedente estimado em 80 milhões de euros (soma dos excedentes de todos os anos do período) a preços correntes”. E, além disso, “haveria ainda a acrescentar os excedentes resultantes do aumento da entrada de novos trabalhadores todos os anos”.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Esta história da ADSE está muito mal contada.
    Com a última subida da percentagem de desconto para a ADSE, todos ficámos a saber que cobria folgadamente as despesas.
    Este novo conjunto de notícias trás água no bico. Será que Centeno vai à ADSE colectar milhões para o orçamento de estado e desequilibra as contas da instituição ?!

  2. Eu- já aposentada da Função Pública e com 42 anos de serviço continuo a descontar para a ADSE , CGA, IRS todos os meses! Não entendo como a ADSE não tem dinheiro já que todos os aposentados continuam a descontar!

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …