6 meses depois, ainda há quem pergunte pela “estrada da morte”

Miguel A. Lopes / Lusa

O chamado “turismo da desgraça” ainda persiste pela zona de Pedrógão Grande, mas com muito menos frequência do que nas primeiras semanas e meses após o incêndio de 17 de junho.

Na estrada 236-1, seis meses depois daqueles fogos que mataram 66 pessoas, já não há imagens de carros calcinados na estrada ou à beira dela, antes um tapete novo de alcatrão nos locais onde os veículos arderam. Apesar disso, nas bombas de gasolina de Castanheira de Pera, ainda se ouve a pergunta: “Onde fica a estrada 236-1?”.

“Todas as semanas perguntam pela estrada”, conta Francisco Calado, que trabalha no posto de abastecimento.

A uns bons quilómetros dali, já em Figueiró dos Vinhos, no café Retiro IC8, o movimento é pouco e as perguntas de pessoas de fora em torno da estrada e do incêndio já quase que não se ouvem, conta Manuela da Conceição.

No entanto, pelo café que as chamas rodearam, as conversas dos locais ainda giram em torno dos fogos. “Falam do que aconteceu e de como as coisas ficaram”, disse Manuela à agência Lusa.

As perguntas em torno dos fogos ainda surgem, mas “de forma mais residual”, explica Renato Antunes, gerente do restaurante da aldeia de xisto de Casal de São Simão.

Sempre que “há espaço para conversa”, o primeiro assunto é em torno do fogo.

“Ainda temos gente que vem e é a primeira coisa que pergunta. Querem ouvir a história”, afirma Renato, que admite que muitas vezes tenta “cortar a conversa e dizer que isso já passou, que agora é para ir para a frente”.

Para o gerente do restaurante, “é cansativo estar a repetir” a história e voltar a ver uma espécie de “minifilme” do que se passou.

No verão, era mais frequente. Iam à praia e a outros locais e era mais comum passarem pela estrada”, refere o ex-administrador da Praia das Rocas, em Castanheira de Pera, José Pais, sublinhando que a dimensão do que ardeu para quem entra no IC8 em direção a Pedrógão Grande “impressiona”.

Também em Vila Facaia, num café ao lado da igreja, perguntas pela estrada 236-1 continuam a ser ouvidas, assim como indicações para Nodeirinho, uma das aldeias mais mediatizadas aquando do incêndio, onde várias pessoas se salvaram dentro de um tanque de água.

“Ainda hoje perguntam pela estrada e por Nodeirinho e Pobrais”, conta à Lusa Vanessa Varejão, que trabalha no café.

Normalmente, explica, quem pergunta traz ajuda para as pessoas. Se no início, vinham carrinhas carregadas de bens materiais, hoje vêm oferecer a sua mão-de-obra para pequenas replantações ou reconstruções.

Já não é com a mesma regularidade. Na primeira semana após o incêndio foi desgastante. Estavam constantemente a perguntar pela estrada”, sublinha Vanessa.

Apesar de agora o ambiente ser mais calmo, também Vanessa diz que já chega de perguntas.

“Sinceramente, cansa. Isto nunca se vai esquecer, mas estão sempre a falar da mesma coisa, sempre a relembrar o que se passou e as pessoas não precisam de perguntas para se relembrarem. É impossível esquecer“, sublinha a jovem de 27 anos.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Outra vez….? Mas quando é que acaba Pedrógão? O Jornalista não tem que fazer? O País tem tanta falta de estivadores……

RESPONDER

Descoberta enguia que tem a maior descarga elétrica alguma vez vista

Foram descobertas duas novas espécies de enguias elétricas (Electrophorus electricus), sendo que uma delas tem a maior descarga elétrica alguma vez vista num animal, com uma potência de 850 volts. Podendo chegar a 2,5 metros de …

Nova tecnologia consegue gerar eletricidade através das noites frias

Cientistas da Universidade de Stanford e da Universidade da Califórnia em Los Angeles construíram um dispositivo que consegue gerar eletricidade através do frio sentido durante a noite. Há dois anos, numa noite gelada de dezembro, num telhado da Califórnia, …

Descoberto um mundo subterrâneo perdido no meio da Antártida

Durante as primeiras expedições na Antártida, exploradores polares descobriram uma caverna de gelo "perdida" com três andares, vários lagos e um rio. A formação geológica foi encontrada na ilha Galindez, onde estão baseados os exploradores da …

Boavista 1-1 Sporting | Duelo felino de portas fechadas

O Sporting foi ao Estádio do Bessa perder mais dois pontos. Após a derrota em casa com o Rio Ave na ronda anterior, que valeu o despedimento a Marcel Keizer, Leonel Pontes estreou-se no banco …

Durante a Guerra Fria, os melhores agentes da CIA não eram humanos

A CIA desclassificou dezenas de documentos da época da Guerra Fria, que revelam detalhes das suas missões. A agência de inteligência norte-americana não apostava só em humanos. De acordo com a agência France-Press, os documentos revelam …

Israel vai (outra vez) a votos e Netanyahu enfrenta novo teste à sobrevivência política

Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro há mais tempo em funções em Israel, enfrenta um novo teste à sua capacidade de sobrevivência nas legislativas de terça-feira e não tem desperdiçado oportunidades para atrair eleitores. As questões de segurança …

Hugo Soares na campanha, "para que o resultado do PSD possa ser o melhor possível"

O deputado e ex-líder parlamentar do PSD Hugo Soares manifestou-se disponível para fazer campanha pelo partido "sempre que for convidado", como aconteceu este sábado, em Pombal, a convite da cabeça-de-lista por Leiria Margarida Balseiro Lopes. O …

Portimonense 2-3 Porto | Susto resolvido nos descontos

O FC Porto sofreu a bom sofrer para somar os três pontos no Algarve. Os dragões acabaram por chegar à vitória aos 98 minutos, por Iván Marcano, colocando lógica no marcador, se tivermos em conta …

Astrónomos viram "bolhas" gigantes no buraco negro da Via Láctea

Uma equipa internacional de astrónomos descobriu um dos maiores fenómenos já observados no centro da Via Láctea: duas "bolhas" gigantes, emissoras de ondas de rádio, acima e abaixo da região central da nossa galáxia. Segundo o …

Aveiro. Há 170 casos de violência doméstica parados por falta de magistrados

Uma procuradora com 170 casos de violência doméstica em mãos entrou de baixa e o Ministério Público de Aveiro não tinha magistrados para a substituir. Segundo o Jornal de Notícias, mais de 170 inquéritos sobre violência …