50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia “matou” a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país.

Hutt River, um principado autodeclarado em 1970, que nunca foi reconhecido como um estado soberano, rendeu-se à Austrália devido ao impacto económico da pandemia de covid-19.

As origens de Hutt River como micronação datam de 1970, quando o falecido príncipe Leonard Casley afirmou que explorou um “loophole” legal para criar o principado numa parte isolada da Austrália Ocidental, a 500 quilómetros ao norte da capital do estado, Perth.



Situado em 75 quilómetros quadrados de terras agrícolas, tinha mais do que o dobro do tamanho de Macau, mas era habitado por menos de 30 pessoas.

O principado agiu como uma nação independente. O seu governo concedeu vistos e cartas de condução, emitiu passaportes e moeda, produziu os seus próprios selos, criou a própria bandeira e, segundo consta, operou 13 escritórios no exterior em 10 países diferentes, incluindo os Estados Unidos e França.

Em 1977, quando souve que o Governo australiano estava a perseguir o princiopado por impostos por pagar, o príncipe Leonard decidiu declarar guerra à Austrália. No entanto, a Royal Hutt River Defence Force só foi estabelecida 11 anos depois e incluía exército,  marinha e uma faculdade militar, que desenvolveu manuais de artilharia e programas de treino que foram adotados por afiliados do Exército dos Estados Unidos.

A guerra do príncipe Leonard contra a Austrália durou apenas alguns dias.

Quando o príncipe Leonard morreu em fevereiro do ano passado, deixou para trás uma conta de impostos de 2,15 milhões de dólares, o que obrigou o seu filho e sucessor, o príncipe Graeme Casley, a anunciar na semana passada que o principado venderia as suas terras para pagar a dívida.

“É muito triste ver o seu pai a construir algo durante 50 anos e depois ter de acabar com ele”, disse Casley, em declarações à CNN. “Estamos a viver tempos muito difíceis economicamente e em termos de saúde em todo o mundo devido à covid-19 e estamos a sentir isso também.”

Embora desapontado, Casley diz estar “muito orgulhoso” do que seu pai realizou e espera que a sua história seja lembrada por gerações futuras. “Tenho tantas memórias maravilhosas de viver aqui”, disse. “Depois de a minha mãe falecer (em 2013), passei cinco anos a trabalhar em tempo integral com o meu pai e era mais do que apenas uma relação pai-filho, tínhamos uma relação de trabalho muito profunda. O que ele criou aqui nos últimos 50 anos é incrível, é realmente uma história única sobre a qual as pessoas ao redor do mundo leram e que não será esquecida”.

Micronações são entidades que afirmam ser Estados soberanos, mas não são legalmente consideradas independentes, ao contrário de microestados como a Cidade do Vaticano, que têm soberania reconhecida internacionalmente.

O peculiar principado de Hutt River

A Austrália gerou muito mais micronações do que a maioria dos países. Nas últimas décadas, dezenas dos seus cidadãos declararam independência da Austrália e estabeleceram a sua própria nação dentro de uma nação.

No entanto, nenhuma é tão conhecida como o principado de Hutt River. Enquanto o Príncipe Leonard decidiu separar-se da Austrália por causa do seu desacordo com os regulamentos agrícolas, transformou o principado numa atração turística única, com visitantes a chegar para comprar passaportes, moedas e selos.

A autoproclamada “Família Real” de Hutt River fez um grande esforço para tornar a sua micronação intrigante para os turistas. Os visitantes que chegavam à propriedade eram recebidos por um membro da família, que os ajudava a conseguir o visto de entrada, que custava 2,50 dólares.

Os turistas eram acompanhados pelos edifícios principais do principado por um membro da equipa que explicava a história local. Os viajantes podiam visitar os Correios do principado para enviar uma carta ou comprar selos do Hutt River, ver o Departamento de Memorabilia e na Sociedade Histórica e desfrutar de uma refeição leve nos salões de chá.

Outras atrações incluíram uma capela não denominacional e o Santuário Educacional Sagrado da Princesa Shirley. Com o nome da esposa do Príncipe Leonard, exibia descobertas relacionadas com a religião e a física e foi estabelecido com a ajuda de académicos do Royal College of Advanced Research do principado.

Os visitantes também podiam comprar e gastar o dólar do Hutt River.

Como os destinos turísticos em todo o mundo, o principado ficou vulnerável devido ao impacto económico da pandemia. O turismo foi uma das principais fontes de receita de Hutt River, principalmente nos últimos 15 anos, à medida que a Internet ajudava a espalhar a sua estranha história pelo mundo. O principado está fechado a viajantes desde janeiro.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Relatório alerta que parte da produção de painéis solares depende da exploração de uigures

A região de Xinjiang, na China, evoluiu nas últimas duas décadas e tornou-se num importante centro de produção para muitas das empresas que fornecem ao mundo as peças necessárias para a construção de painéis solares. No …

Morreu a atriz brasileira Eva Wilma. Tinha 87 anos

A atriz de brasileira Eva Wilma morreu este sábado aos 87 anos no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde estava internada desde abril devido a um cancro de ovário. A artista tinha sido internada a …

Marcelo quer descentralizar poder para regionalizar bazuca europeia

Marcelo Rebelo de Sousa quer desconcentrar poderes do Estado central para as comissões de coordenação e desenvolvimento regio­nal (CCDR), já a pensar na execução dos milhões que vão chegar de Bruxelas. A perspetiva do Chefe de …

Humanos mudam os ecossistemas com fogo há quase 100 mil anos

Um novo estudo mostra que os humanos têm mudado o ambiente em que vivem recorrendo ao fogo há pelo menos 92 mil anos. Ao chegar a novas terras, os humanos usaram o fogo para as mudar …

Catarina Martins considera “absurda” proposta de reforma das Forças Armadas

A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou a proposta de reforma das Forças Armadas feita pelo Governo “absurda” e de “absoluta submissão à NATO”. “A proposta do Governo é absurda, é uma proposta que centraliza decisões, …

Egito abre fronteira com Gaza. EUA deixam aviso a Israel (e UE reúne de emergência)

O Egito abriu este sábado a fronteira terrestre com Gaza e enviou 10 ambulâncias para o enclave palestiniano para transportar para os hospitais egípcios palestinianos que ficaram feridos nos bombardeamentos israelitas, indicaram responsáveis médicos. Segundo o …

Cientistas identificam novo tipo de resposta ao stress desencadeada pela condução

Toda a gente conhece a sensação física de quando estamos num carro a acelerar. Mas poucos sabem o que isso pode estar a fazer ao nosso corpo. De acordo com o site Science Alert, cientistas investigaram …

Portugal regista recorde diário de 125 mil pessoas vacinadas. DGS põe de lado dispensa de máscara

No sábado foram administradas em Portugal 125 mil vacinas contra a covid-19, um novo recorde diário no país, segundo informação divulgada pela task force que coordena o programa de vacinação. "Ao todo foram administradas, durante o …

Estar com cães de terapia pode trazer benefícios que duram semanas

Um novo estudo mostra que os efeitos positivos associados a passar tempo com cães de terapia podem durar até seis semanas. Em muitas universidades norte-americanas, os alunos têm a possibilidade de frequentar programas específicos para reduzir …

A poluição do ar impacta mais umas pessoas do que outras. Depende da cor da pele

Vários estudos mostram que as pessoas de cor estão desproporcionalmente expostas à poluição do ar nos Estados Unidos. No entanto, não é claro se essa exposição desigual se deve principalmente a alguns tipos de fontes …