A Austrália venceu o vírus. Mas deixou milhares de residentes retidos no estrangeiro

A Austrália conseguiu controlar a propagação do novo coronavírus, aplicando medidas restritas quanto às entradas e saídas do país. Contudo, apesar do sucesso no combate à covid-19, mais de 35.000 residentes ficaram retidos no estrangeiro, esperando pela oportunidade de retornar a casa.

É o caso do casal David e Kate Jeffries, que viajaram da sua casa, em Perth, na Austrália, para uma pequena cidade no centro do Canadá, a 26 de fevereiro, para cuidar da mãe de David, diagnosticada com cancro nos ovários, segundo relata um artigo de A. Odysseus Patrick, publicado na quinta-feira no Washington Post.

Embora tivessem ouvido falar do coronavírus, não estavam muito preocupados. Naquela altura, o Canadá tinha registado apenas 12 casos de infeção e a família tinha programado voltar para casa quatro semanas depois. Atualmente, o casal está num casa arrendada, impossibilitado de retornar a Perth por causa das restrições de entrada na Austrália, que deixou dezenas de milhares de cidadãos australianos e residentes no exterior.

“Não queremos levar a covid-19 novamente para o nosso país, mas temos o direito de voltar”, disse David Jeffries numa conversa através da plataforma Zoom, a partir da sua atual casa, em Portage la Prairie, Manitoba, no Canadá.

Não existem dados seguros ​​sobre o número de pessoas retidas devido às medidas adotadas pelo Governo australiano durante a pandemia. No final de março, mais de 50 mil norte-americanos ficaram retidos no exterior, quando as viagens internacionais quase cessaram, informaram na época as autoridades dos Estados Unidos (EUA).

A Austrália, contudo, tem das mais rígidas restrições de fronteira – os residentes precisam de permissão para sair, e, desde 20 de março, só é permitida a entrada a cidadãos, residentes e grupos específicos. As chegadas são limitadas a cerca de oito mil pessoas por semana, tendo estas que se isolar em hotéis durante 14 dias, por sua conta.

Em janeiro, cerca de 2,3 milhões de pessoas viajaram para a Austrália. Em setembro, o número baixou para 16.720.

Um colapso semelhante em viagens ocorreu na Ásia, onde as restrições são mais duras do que nos EUA e na Europa, embora sem a quarentena rígida da Austrália. O número de visitantes no Japão passou de 2,7 milhões em janeiro para 13.700 em setembro; na Coreia do Sul passou de 1,3 milhão para 64.000 no mesmo período e no Vietname, de 2 milhões para 13.800, de acordo com a empresa de pesquisa CEIC Data.

Esta semana, o estado mais populoso da Austrália, Nova Gales do Sul, permitiu que estádios chegassem à sua capacidade máxima e que os ginásios e bares reabrissem. Para sábado está programado que seja levantada a última restrição nas fronteiras. Especialistas acreditam, porém, que permitir o regresso dos residentes que estão no exterior pode colocar em risco a resposta à pandemia, uma das mais bem-sucedidas do mundo.

“Não há justificação para apressar esse retorno e passar para um sistema de quarentena inferior”, disse John Kaldor, epidemiologista da Universidade da Nova Gales do Sul. “Foi o sistema de quarentena que nos permitiu voltar a um estado semi-normal”.

Com alguns aviões com destino à Austrália quase vazios por causa das restrições, passageiros relataram que as companhias aéreas incentivaram-nos a comprar bilhetes para a primeira classe ou para a classe executiva, que podem chegar aos 15.000 dólares (cerca de 12,3 mil euros) nos EUA ou na Europa, potenciando as hipóteses de repatriamento.

Ao chegarem, os viajantes são encaminhados por agentes ou guardas militares até hotéis específicos, onde não podem sair dos seus quartos.

Daniel Pockett / EPA

“Acho que a situação está a ficar muito difícil e que algo deve ser feito visto que os direitos dos indivíduos estão a ser violados”, disse Laura A. Dickinson, professora da Escola de Direito da Universidade George Washington, especializada em Direitos Humanos e Segurança Nacional.

Em teoria, os australianos retidos no estrangeiro poderiam apelar para a ajuda da Organização das Nações Unidas (ONU). Em 1980, a Austrália ratificou o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, que garante aos cidadãos o direito de entrar nos seus próprios países.

O Comité de Direitos Humanos da ONU, presidido por um diplomata egípcio, pode decidir sobre as queixas apresentadas ao abrigo do tratado. O processo, no entanto, é lento e não há sinais de que alguém pretenda usá-lo contra o Governo australiano, que transferiu a responsabilidade para os governos estaduais, que precisam concordar com o número de espaços disponíveis para a quarentena.

O primeiro-ministro Scott Morrison disse em outubro que queria levar os cidadãos australianos de volta para o país até ao Natal, algo que, segundo o artigo, é pouco provável. A 26 de novembro, as autoridades indicaram que número de pessoas à espera para retornar ao país era 36.875.

No Canadá, a família Jeffries planeava voltar para a Austrália a 29 de março. Mas a 17 desse mês, o governo australiano aconselhou os residentes a voltarem imediatamente. Um dia depois, a fronteira do Canadá com os EUA foi fechada. Os voos do casal foram cancelados. Tentaram, sem sucesso, embarcar em abril.

Alugaram então um apartamento perto da casa da mãe de David. A 12 de novembro, o governo local impôs restrições de “código vermelho”, impedindo a família de sair de casa, até mesmo para ver a mãe de David, que mora a alguns quarteirões.

Embora tenham permissão legal para voltar para casa, os riscos são consideráveis. David tem nacionalidade canadiana, embora seja residente permanente na Austrália há 20 anos. Mas os vistos de turista da sua esposa e do filho já expiraram.

Se tentarem chegar à Austrália através dos EUA ou do Oriente Médio e não puderem embarcar para Sydney ou Perth, a família teme ficar retida nos Emirados Árabes Unidos ou em Los Angeles.

Kate precisa de regressar à Austrália antes que a sua licença de maternidade acabe, em fevereiro. David trabalha remotamente para uma empresa de software de Perth. “Ficar preso por dias ou semanas num aeroporto seria o nosso pior pesadelo”, disse.

O estado de Victoria voltou a aceitar chegadas internacionais na segunda-feira, aumentando a capacidade de quarentena. No entanto, outros estados continuam relutantes em aceitar mais pessoas, temendo serem responsabilizados por algum surto.

O último caso de coronavírus registado na Austrália foi a 03 de dezembro, um funcionário de um hotel onde viajantes estrangeiros ficam em quarentena. Entre os que estão em quarentena, foram identificados 62 casos na semana passada.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está …

"Bola de fogo" cruzou o céu sobre o Mediterrâneo a 105 mil quilómetros por hora

Uma "bola de fogo" atravessou o mar Mediterrâneo e o norte de Marrocos na noite de quarta-feira, a 105.000 quilómetros por hora. A bola de fogo foi observada por um projeto científico espanhol a uma velocidade …

Duterte rejeita que a filha o vá suceder na liderança das Filipinas. "Isto não é para mulheres"

O líder das Filipinas, Rodrigo Duterte, descartou, na quarta-feira, a hipótese de a filha o vir a suceder no próximo ano, acrescentando que a presidência não é tarefa para uma mulher por causa das …

"Uma memória a flutuar no oceano." Encontrada, dois anos depois, uma mensagem numa garrafa

Uma mensagem no interior de uma garrafa sobreviveu a uma viagem de dois anos pelo oceano. Recentemente, chegou às mãos de um ativista ecológico, enquanto limpava uma praia da Papua Nova Guiné. Em novembro do ano …

As células imortais de Henrietta Lacks revolucionaram a Ciência

O ano de 1951 foi muito importante no campo da biotecnologia e, surpreendentemente, tudo começou com a chegada de Henrietta Lacks a um hospital norte-americano. Descendente de escravos, Loretta Pleasant nasceu a 1 de agosto de …

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …

Japonês aluga-se a si próprio "para não fazer nada". E tem milhares de clientes

Um homem japonês que ganha a vida a alugar-se a si próprio “para não fazer nada” atraiu milhares de clientes. O negócio começou em 2018. Por 10.000 ienes (cerca de 79 euros) - mais despesas com …

Documentos de vacinas roubados por hackers também foram "manipulados"

A Agência Europeia do Medicamento, entidade reguladora da União Europeia (UE), informou este sábado que os documentos da vacina contra a covid-19 roubados e colocados na Internet por hackers foram também "manipulados". A manipulação aconteceu depois …

Há 11 anos que não se consumia tanta eletricidade num só dia. A culpa é do frio

O país está a bater recordes de energia, tanto em termos de pico como de consumo diário. A culpa é da vaga de frio que assolou Portugal neste Inverno. O consumo de eletricidade bateu, na quarta-feira, …