/

Governo vai comprar 15 milhões de euros em publicidade para apoiar media

2

European Committee of the Regions / Flickr

Graça Fonseca, ministra da Cultura

O Estado vai fazer a compra antecipada de publicidade institucional, alocando 15 milhões de euros, para ajudar o setor dos media face ao impacto da pandemia de covid-19.

O anúncio, feito pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, na Presidência do Conselho de Ministros, contou ainda com as presenças da ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, e do secretário do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva.

“O Estado decidiu alocar uma verba de 15 milhões de euros na aquisição antecipada de espaço para publicidade institucional, através de televisão e rádio, em programas generalistas e temáticos informativos, e através de publicações periódicas de informação geral”, afirmou a governante.

A publicidade institucional será “orientada para campanhas da Direção-Geral de Saúde e outras instituições de saúde pública, para causas sociais e humanitárias, como a violência doméstica e campanhas para retoma das atividades económicas e sociais”, explicou a ministra, citada pelo jornal ECO.

A ministra da Cultura disse também que 75% desta verba será para órgãos de comunicação social nacional generalistas e os restantes 25% serão destinados à imprensa local e regional.

A Lusa e a RTP não estão incluídas nesta compra antecipada por razões que se prendem com a própria participação do Estado”, afirmou Graça Fonseca, quando questionada sobre o tema.

Questionada sobre quando é que a medida começa a ter impacto nas empresas de media, a ministra disse esperar que ainda “durante este mês”. A governante acrescentou ainda que o montante é “três vezes superior ao que estava previsto” no Orçamento do Estado.

O objetivo é que, “na próxima semana”, se comece a trabalhar “detalhadamente na metodologia e distribuição dos espaços publicitários”, distribuindo também as verbas para eles previstos. “Espero que durante o mês de abril seja possível concretizar a compra antecipada”.

Esta semana, a ministra esteve numa audição parlamentar requerida pelo PAN e pelo PS sobre as consequências da pandemia de covid-19 nos setores da Cultura e da Comunicação Social.

  ZAP // Lusa

2 Comments

  1. Já lhe ouvi chamar muitas coisa, inclusive comprar votos… Agora já percebi o porquê de neste país não existir oposição e escrutínio ao governo dando a sensação que estamos numa ditadura onde o dinheiro paga o silêncio…. Já agora todo nós mais cedo ou mais tarde vamos ser infectados pelo vírus, esta é a realidade que ninguém pode escapar mas em caso de problemas de saúde o que é que você gostaria de ter? Se calhar um sistema nacional de saúde robusto e pronto para responder à sua necessidade, certo? Ou é daqueles que ainda acredita que pode ficar fechado numa gruta e os outros que trabalhem para si?… Pois sistema nacional de saúde está falido sem recursos humanos e pior está a tornar se cheio de dívidas que só irão piorar a situação num futuro próximo.

  2. bem vindos a Cuba, NK e paraísos similares.

    que palhaçada.

    tal como a Banca, as presstitutes tb são too big to fail, percebe-se o pq, sem os papagaios do regime para ajudarem à lavagem cerebral do zé povinho seria mais difícil aos camaradas no poder passarem a propaganda.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.