Vitória arrasadora deixa Macron à espera da 2ª volta para ficar com 3/4 do parlamento

Christophe Petit Tesson / EPA

O president francês, Emmanuel Macron

O presidente francês, Emmanuel Macron

O novo partido centrista do presidente francês Emmanuel Macron está a caminho de uma vitória arrasadora nas eleições legislativas do país, após a primeira volta do acto eleitoral, realizada este domingo.

Depois de apurados os resultados finais da votação deste domingo, as projecções apontam que o República em Marcha, LRM, partido recém-criado por Macron, e o seu aliado MoDem, deverão conquistar 445 das 577 cadeiras (77%) na Assembleia Nacional francesa.

Com todas as urnas apuradas, LRM e MoDem alcançaram ontem 32,3% dos votos. O resultado final será conhecido no próximo domingo, após a segunda volta da votação, nos círculos em que nenhum candidato tenha obtido a maioria absoluta dos votos.

Os Republicanos, direita conservadora francesa, ficaram com menos de 16%, enquanto o anterior partido no poder, o Partido Socialista, ficou com apenas 7,4%. A Frente Nacional, de extrema direita, ficou com 13,2% e o França Insubmissa, de extrema esquerda, com 11%.

A afluência às urnas de 48,7% ficou abaixo da primeira volta das legislativas de 2012, que registaram 57,2%. Os analistas atribuíram a abstenção a um possível desânimo entre os oponentes do presidente, previsível vencedor com maioria absoluta.

O partido de Macron foi criado o ano passado, com muitos nomes da sociedade civil e de fora da política tradicional, e procurou a renovação da cena política francesa. Os seus candidatos tinham como critério um máximo de 2 mandatos em cargos políticos anteriores – o que deixou de fora Manuel Valls, por exemplo.

O próprio presidente Macron, antigo ministro das Finanças do ex-presidente Hollande, nunca tinha disputado uma eleição antes de conquistar a Presidência, e construiu sua plataforma política com um forte apelo à renovação.

Para Hugh Schofield, correspondente da BBC em Paris, não há qualquer dúvida acerca da extraordinária proeza obtida por Macron. “Sim, Macron teve sorte, mas também previu com destreza – com os movimentos certos na hora certa – como o mapa da política francesa estava à espera de alguém que o redesenhasse”, diz.

Se as projecções se confirmarem, a mudança na Assembleia Nacional será a maior desde 1958, altura em que o mítico Charles de Gaulle instituiu a Quinta República francesa.

Para os analistas, além de ter sabido cavalgar a onda do desejo da sociedade francesa de renovação política, Macron soube construir rapidamente a imagem de presidente, dentro e fora da França, apesar da inexperiência e de ter apenas 39 anos.

Durante a campanha, Macron tinha prometido “reabilitar” a função presidencial, desgastada após os mandatos do socialista François Hollande (2012-2017) e do conservador Nicolas Sarkozy (2007-2012), e desde a sua eleição tem sabido caminhar nesse sentido – a começar pela forma como geriu as candidaturas do seu partido às legislativas.

Também no plano internacional Macron já deixou a sua marca, sobretudo na forma como se tem oposto ao presidente norte-americano, Donald Trump. Para a história já entraram o brilhante ‘Make Our Planet Great Again‘ com que Macron reage à saída dos EUA do Acordo de Paris, e um aperto de mão de que Trump não estava à espera.

O provável sucesso no primeiro teste de Macron após a chegada ao Palácio do Eliseu também tem a ver com a habilidade política que demonstrou ao compor o governo, apontam especialistas.

Macron, de 39 anos, derrotou a líder da Frante Nacional, Marine Le Pen, com 66% dos votos na segunda volta da eleição presidencial, o mês passado, depois de ter obtido 23,7% na primeira volta.

A líder da Frente Nacional associa a má performance do seu partido nestas legislativas à baixa afluência às urnas, e pede mudanças no sistema eleitoral francês, que segundo Le Pen favorece os grandes partidos. “Esta taxa de abstenção catastrófica deveria chamar a atenção para regras eleitorais que afastam milhões de compatriotas das urnas”, afirmou.

Este mesmo sistema eleitoral, no entanto, não impediu que os dois grandes partidos franceses até agora, os Republicanos e o Partido Socialista, fossem esmagados nestas legislativas, nem que tivesse aparecido do zero um movimento que arrastou os seus recém-cativados militantes às urnas, e que se transformou num grande partido.

Simplesmente, muito de vez em quando, emerge do nada uma figura que se faz grande, que muda um país e o mundo, e que deixa o seu nome cravado nos livros de história. E essa figura, pelo menos para já, não é Marine Le Pen.

Christophe Petit Tesson / EPA

O president francês, Emmanuel Macron

AJB, ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Forças Armadas dos EUA estão a adquirir coletes à prova de bala adaptados para mulheres

As Forças Armadas dos EUA estão a dar grandes passos no que diz respeito à igualdade de género. A instituição está a começar a mudar os seus coletes à prova de bala, de forma a …

Abstenção do PCP no OE2021? É um excelente indicador, diz Costa

O primeiro-ministro, António Costa, considerou um “excelente indicador” o PCP ter anunciado a abstenção no Orçamento do Estado de 2021 (OE2021) e resultado de um entendimento “para ter um bom orçamento para o próximo ano”. “É …

Egito abre restaurante com vista de luxo para as pirâmides de Gizé

O Egito inaugurou um novo restaurante com vista panorâmica para as pirâmides. O investimento faz parte de uma tentativa de reavivar o turismo no país. O Egito revelou novas instalações para os visitantes no planalto nas …

Novo recorde. Portugal regista mais 3.669 casos de covid-19

Portugal regista este sábado 3.669 novos casos de infeção com o novo coronavírus, responsável pela covid-19, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e mais 21 mortes relacionadas com a covid-19, segundo …

Câmara do Porto encerra cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro

O presidente da Câmara do Porto anunciou o encerramento dos cemitérios em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, justificando a decisão com a necessidade de desviar meios para cumprir a proibição de …

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …