Vitória arrasadora deixa Macron à espera da 2ª volta para ficar com 3/4 do parlamento

Christophe Petit Tesson / EPA

O president francês, Emmanuel Macron

O presidente francês, Emmanuel Macron

O novo partido centrista do presidente francês Emmanuel Macron está a caminho de uma vitória arrasadora nas eleições legislativas do país, após a primeira volta do acto eleitoral, realizada este domingo.

Depois de apurados os resultados finais da votação deste domingo, as projecções apontam que o República em Marcha, LRM, partido recém-criado por Macron, e o seu aliado MoDem, deverão conquistar 445 das 577 cadeiras (77%) na Assembleia Nacional francesa.

Com todas as urnas apuradas, LRM e MoDem alcançaram ontem 32,3% dos votos. O resultado final será conhecido no próximo domingo, após a segunda volta da votação, nos círculos em que nenhum candidato tenha obtido a maioria absoluta dos votos.

Os Republicanos, direita conservadora francesa, ficaram com menos de 16%, enquanto o anterior partido no poder, o Partido Socialista, ficou com apenas 7,4%. A Frente Nacional, de extrema direita, ficou com 13,2% e o França Insubmissa, de extrema esquerda, com 11%.

A afluência às urnas de 48,7% ficou abaixo da primeira volta das legislativas de 2012, que registaram 57,2%. Os analistas atribuíram a abstenção a um possível desânimo entre os oponentes do presidente, previsível vencedor com maioria absoluta.

O partido de Macron foi criado o ano passado, com muitos nomes da sociedade civil e de fora da política tradicional, e procurou a renovação da cena política francesa. Os seus candidatos tinham como critério um máximo de 2 mandatos em cargos políticos anteriores – o que deixou de fora Manuel Valls, por exemplo.

O próprio presidente Macron, antigo ministro das Finanças do ex-presidente Hollande, nunca tinha disputado uma eleição antes de conquistar a Presidência, e construiu sua plataforma política com um forte apelo à renovação.

Para Hugh Schofield, correspondente da BBC em Paris, não há qualquer dúvida acerca da extraordinária proeza obtida por Macron. “Sim, Macron teve sorte, mas também previu com destreza – com os movimentos certos na hora certa – como o mapa da política francesa estava à espera de alguém que o redesenhasse”, diz.

Se as projecções se confirmarem, a mudança na Assembleia Nacional será a maior desde 1958, altura em que o mítico Charles de Gaulle instituiu a Quinta República francesa.

Para os analistas, além de ter sabido cavalgar a onda do desejo da sociedade francesa de renovação política, Macron soube construir rapidamente a imagem de presidente, dentro e fora da França, apesar da inexperiência e de ter apenas 39 anos.

Durante a campanha, Macron tinha prometido “reabilitar” a função presidencial, desgastada após os mandatos do socialista François Hollande (2012-2017) e do conservador Nicolas Sarkozy (2007-2012), e desde a sua eleição tem sabido caminhar nesse sentido – a começar pela forma como geriu as candidaturas do seu partido às legislativas.

Também no plano internacional Macron já deixou a sua marca, sobretudo na forma como se tem oposto ao presidente norte-americano, Donald Trump. Para a história já entraram o brilhante ‘Make Our Planet Great Again‘ com que Macron reage à saída dos EUA do Acordo de Paris, e um aperto de mão de que Trump não estava à espera.

O provável sucesso no primeiro teste de Macron após a chegada ao Palácio do Eliseu também tem a ver com a habilidade política que demonstrou ao compor o governo, apontam especialistas.

Macron, de 39 anos, derrotou a líder da Frante Nacional, Marine Le Pen, com 66% dos votos na segunda volta da eleição presidencial, o mês passado, depois de ter obtido 23,7% na primeira volta.

A líder da Frente Nacional associa a má performance do seu partido nestas legislativas à baixa afluência às urnas, e pede mudanças no sistema eleitoral francês, que segundo Le Pen favorece os grandes partidos. “Esta taxa de abstenção catastrófica deveria chamar a atenção para regras eleitorais que afastam milhões de compatriotas das urnas”, afirmou.

Este mesmo sistema eleitoral, no entanto, não impediu que os dois grandes partidos franceses até agora, os Republicanos e o Partido Socialista, fossem esmagados nestas legislativas, nem que tivesse aparecido do zero um movimento que arrastou os seus recém-cativados militantes às urnas, e que se transformou num grande partido.

Simplesmente, muito de vez em quando, emerge do nada uma figura que se faz grande, que muda um país e o mundo, e que deixa o seu nome cravado nos livros de história. E essa figura, pelo menos para já, não é Marine Le Pen.

Christophe Petit Tesson / EPA

O president francês, Emmanuel Macron

AJB, ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Casaco e guitarra de Kurt Cobain vão a leilão (e valem milhares de euros)

O casaco que o líder dos Nirvana usou no lendário concerto MTV Unplugged in New York vai ser leiloado, com um preço de venda estimado em 270 mil euros. Uma guitarra de Cobain pode ficar …

"50 sombras" da Idade Média. Páginas censuradas de um livro francês encontradas nos EUA

As páginas de um romance medieval foram descobertas nos arquivos da Diocese de Worcester, no estado norte-americano de Massachusetts.  Investigadores descobriram uma versão perdida de um romance medieval, que contém cenas eróticas. O poema francês - …

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …