Vitória arrasadora deixa Macron à espera da 2ª volta para ficar com 3/4 do parlamento

Christophe Petit Tesson / EPA

O president francês, Emmanuel Macron

O presidente francês, Emmanuel Macron

O novo partido centrista do presidente francês Emmanuel Macron está a caminho de uma vitória arrasadora nas eleições legislativas do país, após a primeira volta do acto eleitoral, realizada este domingo.

Depois de apurados os resultados finais da votação deste domingo, as projecções apontam que o República em Marcha, LRM, partido recém-criado por Macron, e o seu aliado MoDem, deverão conquistar 445 das 577 cadeiras (77%) na Assembleia Nacional francesa.

Com todas as urnas apuradas, LRM e MoDem alcançaram ontem 32,3% dos votos. O resultado final será conhecido no próximo domingo, após a segunda volta da votação, nos círculos em que nenhum candidato tenha obtido a maioria absoluta dos votos.

Os Republicanos, direita conservadora francesa, ficaram com menos de 16%, enquanto o anterior partido no poder, o Partido Socialista, ficou com apenas 7,4%. A Frente Nacional, de extrema direita, ficou com 13,2% e o França Insubmissa, de extrema esquerda, com 11%.

A afluência às urnas de 48,7% ficou abaixo da primeira volta das legislativas de 2012, que registaram 57,2%. Os analistas atribuíram a abstenção a um possível desânimo entre os oponentes do presidente, previsível vencedor com maioria absoluta.

O partido de Macron foi criado o ano passado, com muitos nomes da sociedade civil e de fora da política tradicional, e procurou a renovação da cena política francesa. Os seus candidatos tinham como critério um máximo de 2 mandatos em cargos políticos anteriores – o que deixou de fora Manuel Valls, por exemplo.

O próprio presidente Macron, antigo ministro das Finanças do ex-presidente Hollande, nunca tinha disputado uma eleição antes de conquistar a Presidência, e construiu sua plataforma política com um forte apelo à renovação.

Para Hugh Schofield, correspondente da BBC em Paris, não há qualquer dúvida acerca da extraordinária proeza obtida por Macron. “Sim, Macron teve sorte, mas também previu com destreza – com os movimentos certos na hora certa – como o mapa da política francesa estava à espera de alguém que o redesenhasse”, diz.

Se as projecções se confirmarem, a mudança na Assembleia Nacional será a maior desde 1958, altura em que o mítico Charles de Gaulle instituiu a Quinta República francesa.

Para os analistas, além de ter sabido cavalgar a onda do desejo da sociedade francesa de renovação política, Macron soube construir rapidamente a imagem de presidente, dentro e fora da França, apesar da inexperiência e de ter apenas 39 anos.

Durante a campanha, Macron tinha prometido “reabilitar” a função presidencial, desgastada após os mandatos do socialista François Hollande (2012-2017) e do conservador Nicolas Sarkozy (2007-2012), e desde a sua eleição tem sabido caminhar nesse sentido – a começar pela forma como geriu as candidaturas do seu partido às legislativas.

Também no plano internacional Macron já deixou a sua marca, sobretudo na forma como se tem oposto ao presidente norte-americano, Donald Trump. Para a história já entraram o brilhante ‘Make Our Planet Great Again‘ com que Macron reage à saída dos EUA do Acordo de Paris, e um aperto de mão de que Trump não estava à espera.

O provável sucesso no primeiro teste de Macron após a chegada ao Palácio do Eliseu também tem a ver com a habilidade política que demonstrou ao compor o governo, apontam especialistas.

Macron, de 39 anos, derrotou a líder da Frante Nacional, Marine Le Pen, com 66% dos votos na segunda volta da eleição presidencial, o mês passado, depois de ter obtido 23,7% na primeira volta.

A líder da Frente Nacional associa a má performance do seu partido nestas legislativas à baixa afluência às urnas, e pede mudanças no sistema eleitoral francês, que segundo Le Pen favorece os grandes partidos. “Esta taxa de abstenção catastrófica deveria chamar a atenção para regras eleitorais que afastam milhões de compatriotas das urnas”, afirmou.

Este mesmo sistema eleitoral, no entanto, não impediu que os dois grandes partidos franceses até agora, os Republicanos e o Partido Socialista, fossem esmagados nestas legislativas, nem que tivesse aparecido do zero um movimento que arrastou os seus recém-cativados militantes às urnas, e que se transformou num grande partido.

Simplesmente, muito de vez em quando, emerge do nada uma figura que se faz grande, que muda um país e o mundo, e que deixa o seu nome cravado nos livros de história. E essa figura, pelo menos para já, não é Marine Le Pen.

Christophe Petit Tesson / EPA

O president francês, Emmanuel Macron

AJB, ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Trabalhadores dos Registos em greve a 26, 27 e 28 de dezembro

O Sindicato Nacional de Registos vai estar em greve contra o decreto-lei aprovado pelo Governo, acusando Marcelo Rebelo de Sousa de não ter tido "sensibilidade na análise do diploma do sistema remuneratório". O Sindicato Nacional de …

Artistas exigem 1% do Orçamento do Estado para a Cultura

Mais de 300 artistas concentrados esta terça-feira em frente ao Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, exigiram um valor imediato de 1% do Orçamento do Estado para a Cultura, em 2020. O protesto, convocado pela …

Depois do Idai, ainda há carência de comida e água potável

São milhares os desalojados que, após o ciclone Idai, continuam sem acesso a água potável. Além disso, a necessidade de comida mantém-se em níveis inalterados. Os dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), patentes no …

Há mulheres-polícia que recebem menos quando estão grávidas

De acordo com um relatório sobre as iniquidades de género dentro da Polícia de Segurança Pública (PSP), ao qual a revista Sábado teve acesso, há mulheres-polícia que recebem menos quando ficam grávidas. Segundo o inquérito realizado …

França. Governo adia entrada em vigor das novas pensões

O novo sistema universal de pensões em França vai abranger apenas as gerações nascidas a partir de 1975 e só terá nova formulação, através de pontos, a partir de 2025. O novo sistema universal de pensões …

Greta Thunberg é a "Personalidade do Ano" da revista Time

Greta Thunberg é a “Personalidade do Ano” mais jovem alguma vez escolhida pela revista Time. A capa da edição de 23 de dezembro foi divulgada esta quarta-feira. A revista norte-americana Time elegeu a ativista climática sueca …

Erupção do Whakaari. Nova Zelândia encomendou 120 metros quadrados de pele para tratar os feridos

A Nova Zelândia já encomendou 120 metros quadrados de pele humana aos Estados Unidos para tratar os 30 feridos do vulcão Whakaari, na Ilha Branca. Cirurgiões neozelandeses têm trabalhado sem parar dado o número de queimados …

Entidade Reguladora da Saúde diz que fez tudo o que devia no caso do bebé sem rosto

Esta quarta-feira, a presidente da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) considerou que o regulador fez tudo o que devia ter feito no caso do bebé que nasceu em Setúbal com malformações graves não detetadas as …

Legislação não impede que animais selvagens sejam vendidos a circos estrangeiros

A nova lei de proteção a animais selvagens não impede que estes sejam vendidos e continuem a ser usados em circos estrangeiros. Animais como camelos, cães e cavalos continuam a poder ser usados. A lei de …

Oito migrantes do norte de África desembarcam na praia de Monte Gordo

Oito migrantes oriundos do norte de África foram detidos na manhã desta quarta-feira pela Polícia Marítima, depois de desembarcarem em Monte Gordo, no Algarve. Oito migrantes foram detidos na manhã desta quarta-feira pela Polícia Marítima em …