“Vice” da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à posição do seu vice-presidente da bancada.

O vice-presidente da bancada socialista, Pedro Delgado Alves, foi esta quinta-feira contestado por outros dirigentes do seu Grupo Parlamentar, após ter defendido que o PS deveria fazer uma reflexão e uma autocrítica sobre a ação de José Sócrates.

A posição de Pedro Delgado Alves foi transmitida na reunião do Grupo Parlamentar do PS, tendo merecido críticas da própria líder parlamentar, Ana Catarina Mendes, que defendeu a necessidade de se traçar uma fronteira clara entre política e justiça.

Na linha do que já tinha afirmado na véspera, no Canal Q e TSF, segundo fontes da bancada socialista, Pedro Delgado Alves, antigo líder da JS, lamentou a incapacidade que o PS teve de detetar factos em matéria conduta pessoal do antigo primeiro-ministro entre 2005 e 2011, que na sexta-feira foi pronunciado pelo Tribuna Central de Investigação Criminal por crimes de branqueamento de capitais e falsificação de documentos.

O professor universitário de Direito, sem comentar o caso judicial de José Sócrates, defende a tese de que os dirigentes e militantes do PS, assim como os eleitores, tinham o direito de saber o que se passava.

“E isso foi-lhes privado, intencional e dolosamente por parte de José Sócrates. Um anátema para o PS, queiramos ou não, gostemos ou não”, declarou Pedro Delgado Alves, repetindo parte da posição que assumiu na TSF e Canal Q.

De acordo com vários deputados do PS que assistiram à reunião semanal do Grupo Parlamentar, Ana Catarina Mendes reagiu de forma dura à posição do seu vice-presidente da bancada.

A presidente do Grupo Parlamentar do PS insurgiu-se contra a tese de que se deverá suscitar a discussão sobre a conduta de José Sócrates no Grupo Parlamentar do PS, tendo em vista uma autocrítica. Ana Catarina Mendes alegou é preciso separar as questões dos processos judiciais e a esfera da ação política.

Na véspera, na TVI, no programa Circulatura do Quadrado, Ana Catarina Mendes criticou José Sócrates pelo ataque que fez à direção do PS, em particular a António Costa, considerando estar perante “uma injustiça tremenda”.

José Sócrates, em resposta a críticas que lhe foram dirigidas pelo presidente da Câmara de Lisboa, acusara antes o “mandante” de Fernando Medina de “profunda canalhice” e “covardia moral”. Ana Catarina Mendes aproveitou para dizer que o PS “nunca apagou a sua história“.

“José Sócrates deu a primeira e única maioria absoluta ao PS, foi secretário-geral e primeiro-ministro. O PS, desde o início, quase há sete anos, sempre frisou que deixaria o processo correr na justiça para que fizesse o trabalho que tem a fazer”, referiu.

Ainda sobre as declarações de José Sócrates, Ana Catarina Mendes referiu-se ao período entre 2015 e 2019 em que desempenhou as funções de secretária-geral adjunta do PS.

O ataque ao PS não é correto. Fui secretária-geral adjunta do PS quatro anos, recebi a carta de desfiliação de José Sócrates [em 2018] e em muitos momentos da vida do partido tentei contactar José Sócrates. Portanto, ninguém abandonou”, mas deixou-se “fazer o trabalho que a justiça tem de fazer”, acrescentou.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, diz especialista da ONU

A junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, incluindo crianças com 20 semanas de idade, segundo o relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) destacado para o país, …

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …