Vergonha e medo em Pedrógão Grande. Dois anos depois, os eucaliptos têm novamente 3 metros

António Cotrim / Lusa

Dois anos após o fatídico incêndio de 17 de Junho de 2017, as feridas abertas em Pedrógão Grande estão longe de sarar, enquanto os eucaliptos se regeneram desordenadamente e voltam a dominar a paisagem. O receio de novos incêndios persiste, até porque “ainda há áreas que não arderam”.

Em Pedrógão Grande, “as feridas ainda estão bastante abertas” e a elas juntam-se polémicas e processos judiciais relacionados com o incêndio, donativos e reconstrução de casas. “Há um sentimento de vergonha e as pessoas evitam falar do assunto”, revela em declarações à agência Lusa a professora Deolinda Campos que vive em Figueiró dos Vinhos, mas que trabalha em Pedrógão Grande.

“Em termos emotivos”, o incêndio “deixou marcas para a vida toda” nas populações afectadas, constata Deolinda Campos, de 57 anos.

Com ligações afectivas a Escalos do Meio, Carlos Cristo, de 69 anos, não residia em Pedrógão Grande quando o fogo eclodiu na vizinha aldeia de Escalos Fundeiros. Emigrou aos 13 anos com os pais para o Brasil e radicou-se em 2018 no município de Pedrógão Grande.

“Para modificar o presente e o futuro, não se percebe que esteja a acontecer alguma coisa”, declara também à Lusa.

O reformado realça que, apesar de “alguns rancores, ódios e situações pouco éticas”, “houve uma reconstrução das casas” após “uma experiência extremamente dramática”. Mas “não se nota que esteja a acontecer a reflorestação nos moldes diferentes que foram anunciados”, aponta.

“A região está verde, sim, mas tomada pelos fetos e pelos eucaliptos, que já têm novamente três metros de altura“, critica Carlos Cristo.

Moradores temem novos fogos

Perdeu-se uma oportunidade fabulosa de dar a volta a isto tudo. Caiu-se já na rotina e temo que já não vá acontecer”, lamenta também em declarações à Lusa Jorge David, residente em Castanheira de Pêra, um dos municípios que foram mais atingidos pelo fogo de 17 de Junho de 2017, a par de Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos.

Este funcionário público reformado de 64 anos alerta que “as feridas abertas vão-se sarando”, as do corpo e as da alma, mas os moradores temem que outros fogos venham a ocorrer, devido às alterações climáticas e tendo em conta que “ainda há áreas que não arderam”.

No mesmo concelho, o acupunctor Pedro Kalidás, de 49 anos, reconhece que a situação “melhorou um pouco” ao nível da gestão de combustível nas faixas da responsabilidade das entidades públicas.

Todavia, nos terrenos privados, verifica-se “um desmazelo muito grande” e, em geral, as árvores queimadas ainda não foram removidas.

“Não apareceram investidores e a descentralização de serviços públicos para o interior não se vê”, refere, para lamentar que “o marasmo continue” quanto à criação de empregos nesta zona do distrito de Leiria.

Em Figueiró dos Vinhos, o autarca Jorge Abreu reconhece que “a maior vulnerabilidade à ocorrência de incêndios ainda não está debelada“, mencionando os “problemas de ordenamento florestal e do território”, além do “declínio demográfico” e de “um insuficiente desenvolvimento económico”.

Despovoamento e desemprego por resolver

O despovoamento e a falta de investimentos que promovam o emprego destacam-se entre os problemas por resolver em Pedrógão Grande e concelhos vizinhos.

“Ainda há muito por fazer”, admite à Lusa o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, lamentando não terem chegado a concretizar-se os investimentos previstos por diferentes empresas para este município.

Há dois anos, logo após a tragédia, em que morreram 66 pessoas e mais de 200 ficaram feridas, o grupo Lusiaves anunciou um investimento de 60 milhões de euros na produção de aves nos três municípios afectados, totalizando a criação de 300 empregos. Mas nenhum dos empreendimentos avançou.

“Tínhamos duas ou três empresas estrangeiras que queriam vir investir em Pedrógão Grande. Mas, depois, começaram a desculpar-se com tudo o que a comunicação social tem dito e desistiram“, afirma o autarca que é um dos 43 arguidos no inquérito às alegadas irregularidades nas ajudas à reconstrução de casas atingidas pelo fogo de 2017.

Eleito pelo PS em Outubro de 2017, após um primeiro mandato pelo PSD, ele é igualmente arguido no processo para apuramento de responsabilidades na ocorrência do incêndio, condição que partilha com o presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu (PS), e com Fernando Lopes (PS) que liderou o município da Castanheira de Pera, entre outros.

Em Março, ao assinalar o arquivamento de outro inquérito do Ministério Público, relacionado com suspeitas de fraude na entrega de donativos às vítimas do incêndio, Valdemar Alves alegou que a polémica em torno do assunto teve origem em movimentações políticas locais contra si.

A Lusa tentou obter também o testemunho da presidente da Câmara da Castanheira de Pera, Alda Carvalho (PSD), que não se mostrou disponível.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Mas alguem é capaz de dizer onde é que já houve arrancar de eucaliptos ilegais? E porque é que ninguem consegue nada contra os malditos eucaliptos?

    Os malditos eucaliptos causam graves problemas nos incendios florestais, tal como se tem visto ultimamente, mas uma coisa que os eucaliptos fazem e que não dá para ver tao bem é as secas das fontes e ressecamento dos solos, questão esta muito mais grave e que “ninguem” está preocupado….

    • Manel isso não é totalmente verdade… os graves problemas nos incêndios devem-se principalmente à falta de organização/ordenamento e falta de limpeza. Como facilmente compreenderia se percebesse alguma coisa da poda, os pinhais/eucaliptais representam muitas vezes as poupanças de uma população envelhecida… acha mesmo que tem força e dinheiro depois de uma tragédia desta dimensão para arrancar eucaliptos ou o que quer que seja?

    • o que aconteceu depois do incendio é que o governo fez uma lei a proibir a plantação de eucaliptos.
      so que essa lei em vez de entrar imediatamente em vigor, nao so entrou 6 meses depois da publicação.
      por isto,, os proprietarios tiveram tempo de comprar e plantar eucaliptos.
      e qualquer dia temos outra tragedia por causa destas leis

  2. O prototípico matarruano, o leiriense, nunca aprende com os erros. Volta sempre a repeti-los duas vezes pior. Já tentaram pôr esta gente a pensar com boardoadas na cabeça mas mesmo assim eles não foram ao lugar. A única queda que têm é para a beatice, coscuvilhice e chico-espertismo – já dizia o Eça no Crime do Padre Amaro. Só quando surgir um incêndio que incinere a região toda, e quando for tudo povoado de novo, é que talvez uma nova estirpe de pessoas, com bondade e generosidade no coração, possa ali voltar a nascer. De outra forma não há esperança. O matarruano é um ser que não tem lugar nos novos tempos.

RESPONDER

Fã descobriu morada de estrela pop nos reflexos nos olhos de uma selfie e atacou-a

A influencer japonesa Ena Matsouk que integra uma banda pop do país foi atacada sexualmente por um fã, depois de este ter descoberto onde é que morava através de uma selfie que ela publicou nas …

Comer bem melhora ativamente os sintomas de depressão

Uma nova investigação, levada a cabo por cientistas da Universidade Macquarie, na Austrália, sugere uma conexão casual entre a dieta e a depressão. Uma equipa de cientistas da Universidade Macquarie, na Austrália, realizou um estudo controlado …

Presidente da China promete esmagar o corpo e quebrar os ossos aos separatistas

O Presidente da China, Xi Jinping, afirmou que "quem tentar atividades separatistas em qualquer lugar da China acabará com o corpo esmagado e os ossos quebrados", de acordo com a edição digital desta segunda-feora do …

Ucrânia 2 vs 1 Portugal | Adeus ao primeiro em dia de CR700

O primeiro lugar do Grupo B já não foge à Ucrânia. Portugal foi a Kiev dominar e atacar muito, com 24 remates e diversas oportunidades, mas esbarrou no guarda-redes Andriy Pyatov – tal como no …

Primeira protagonista feminina de Astérix é parecida com a ativista Greta Thunberg

Como sempre, a saída de um novo álbum de Astérix, o grande herói da banda desenhada franco-belga, está rodeado de um grande segredo. Aliás, não poderia ser de outro modo pois é também um irredutível …

O Fortnite, um dos jogos mais populares do mundo, foi "engolido" por um buraco negro e desapareceu

O Fortnite, que já é considerado um dos jogos mais populares da atualidade, desapareceu durante o fim-de-semana. Agora, o que surge no ecrã dos jogadores, depois do fim da temporada X, é apenas um buraco …

Kais Saied eleito Presidente da Tunísia com 72,71% dos votos

O professor universitário Kais Saied, um estreante no mundo da política, foi eleito Presidente da Tunísia com 72,71% dos votos na segunda volta das presidenciais antecipadas de domingo, anunciou esta segunda-feira a instância eleitoral (Isie). De …

Série SpongeBob acusada de "violência", "racismo" e de perpetuar o "colonialismo"

A série infantil SpongeBob foi acusada de perpetuar o "racismo" e o "colonialismo" junto dos mais novos. A crítica é feita por uma professora da Universidade de Washington. No fundo do mar, a vida parece feliz. …

Neymar pára quatro semanas devido a lesão na coxa

O futebolista do Paris Saint-Germain Neymar (PSG) vai ficar afastado da competição nas próximas quatro semanas, após ter contraído uma lesão na coxa ao serviço da seleção brasileira, informou esta segunda-feira o clube francês no …

Vitor Baía e Villas-Boas voltam a abordar o futuro como potenciais sucessores de Pinto da Costa no FC Porto

André Villas-Boas foi entrevistado pela rádio France 3 e voltou a falar do sonho de ser presidente do FC Porto. Já Vitor Baía diz estar em paz em relação ao que poderá acontecer quando Pinto …