Venezuela: todos saem à rua e não é para festejar

Miguel Gutierrez /EPA

Esta sexta-feira, a oposição venezuelana sai à rua em Caracas. No mesmo dia em que a Assembleia Constituinte toma posse.

Segundo o Jornal de Notícias, o protesto da oposição venezuelana chegou a estar agendado para quinta-feira, mas foi adiado à semelhança da cerimónia de posse da Assembleia Constituinte, eleita domingo no meio da contestação interna e externa.

Os “antichavistas” – numa referência a Hugo Chávez, presidente da Venezuela de 1999 até à sua morte em 2013 – querem fazer coincidir o protesto com o início dos trabalhos da Assembleia Constituinte, eleita num escrutínio que foi boicotado pela oposição venezuelana e fortemente contestado a nível internacional.

O anúncio da oposição ocorre depois de o presidente venezuelano, Nicolas Maduro (reconhecido como o herdeiro de Chávez), ter divulgado que a sessão inaugural da Assembleia Constituinte, que terá a tarefa de redigir uma nova Constituição, seria adiada por 24 horas e teria lugar na sexta-feira.

A sessão será “realizada em paz, com tranquilidade e com todo o protocolo necessário na próxima sexta-feira, dia 4 de agosto, às 11 horas (hora local, 16 horas em Portugal continental)”, declarou Maduro, durante uma reunião com os 545 membros eleitos da Assembleia Constituinte.

A oposição venezuelana considera que a nova Assembleia Constituinte é “ilegítima” e defende a legalidade da Assembleia Nacional (Parlamento), onde as forças opositoras estão em maioria.

O escrutínio de domingo ficou marcado por violentos confrontos entre os opositores de Maduro e as forças de segurança venezuelanas em várias cidades, incluindo na capital Caracas, que fizeram 10 mortos.

Na quarta-feira, a empresa responsável pela contagem dos votos do escrutínio, a britânica SmartMatic, denunciou que os dados da participação na eleição de domingo foram “manipulados“, admitindo que a diferença entre a participação real e a anunciada pelas autoridades venezuelanas “é de pelo menos um milhão de votos”.

A vaga de contestação contra o governo de Maduro começou em abril passado e desde então mais de 120 pessoas perderam a vida.

Opositor já regressou a casa

Depois de ter sido levado para uma prisão militar, o líder da oposição venezuelana Antonio Ledezma regressou a casa, onde vai continuar a cumprir a pena de prisão domiciliária. A notícia foi dada pela mulher de Ledezmana.

Numa série de publicações no Twitter, Mitzy Ledezma agradeceu o apoio da “comunidade internacional pela preocupação e solidariedade” e manifestou a “angústia de Leopoldo Lopéz e de outros 600 presos políticos que continuam atrás das grades”.

Recorde-se que Antonio Ledezma e Leopoldo López foram levados, na madrugada de terça-feira, para uma prisão militar. O líder da oposição, agora em casa, está detido desde fevereiro de 2015 e, quase dois anos depois, continua sem condenação.

Leopoldo López continua detido na prisão militar e não é ainda certo que regresse a casa.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Festejos do Sporting. IGAI garante que "não omitiu informação ou branqueou factos"

A inspetora-geral da Administração Interna garantiu no Parlamento, esta quarta-feira, que a IGAI "não omitiu informação ou branqueou factos" no relatório sobre os festejos do Sporting, sustentando que tudo o que foi investigado consta do …

PAN só viabiliza OE "se houver compromisso do Governo em alterar" a proposta

A porta-voz do PAN afirmou, esta quarta-feira, que o partido só poderá viabilizar o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) se o Governo se comprometer com alterações à proposta na especialidade. Inês Sousa Real falava aos …

Colômbia condenada por não ter investigado agressões "verbais, físicas e sexuais" a jornalista

De acordo com a sentença, o Estado colombiano não investigou devidamente o caso de sequestro, tortura e violação da jornalista Jinedth Bedoya, que estava a trabalhar numa reportagem sobre a guerra civil em 2000. O Tribunal …

Rio diz ter "obrigação" de avançar com recandidatura à liderança do PSD

O presidente do PSD justificou a sua recandidatura à liderança, esta quarta-feira, pela "obrigação" de colocar o interesse do país e do partido à frente da sua vida pessoal. No final de uma audiência com o …

Fenprof e FNE convocam greve nacional de professores para 5 de novembro

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE) anunciaram, esta quarta-feira, que vão convocar uma greve nacional de professores para 5 de novembro. Em comunicado, a Fenprof refere que a greve …

PCP reconhece aproximação do Governo, mas diz que ainda é insuficiente

O líder parlamentar do PCP considerou, esta quarta-feira, que houve uma aproximação do Governo às propostas do partido, mas que ainda não é suficiente para alterar a avaliação feita sobre o Orçamento do Estado para …

Alemanha pode falhar objetivo de doação de vacinas contra a covid-19 (e culpa fabricantes)

A Alemanha pode falhar o seu objetivo de doar 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 a países mais pobres. Um funcionário do ministério da saúde alemão revelou, numa carta a Bruxelas, que a …

Alexei Navalny vence Prémio Sakharov 2021

O opositor russo Alexei Navalny é o vencedor do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2021, anunciou o Parlamento Europeu, esta quarta-feira. Alexei Navalny foi nomeado pelos grupos políticos PPE e Renovar a Europa devido …

Extinção do SEF aprovada na especialidade no Parlamento

A proposta do PS e do Bloco de Esquerda sobre a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foi aprovada na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, esta quarta-feira. Segundo o jornal Público, …

Steve Bannon deve ser investigado por envolvimento no ataque ao Capitólio, indica Comissão responsável

Antigo conselheiro de Donald Trump foi aconselhado pelo antigo presidente e pela respetiva equipa de advogados a não colaborar com a comissão especial designada para investigar os ataque. A Comissão responsável por investigar o ataque ao …